Nutrição Clínica

Área vocacionada para a correção e educação alimentar, focada igualmente no acompanhamento e tratamento de patologias ou condições específicas.

 

​Os profissionais que trabalham na Unidade de Nutrição Clínica têm competências muito diferenciadas ​na especialidade ​- com os equipamentos e tecnologias específicas é possível efetuar o rastreio nutricional através da avaliação antropométrica e caracterização do estado nutricional por bioimpedância elétrica. Todos os elementos da equipa tem competências nas áreas de intervenção e orientação nutricional, terapêutica nutricional e educação alimentar das diferentes patologias, tanto no internamento como no ambulatório.

Em diversas situações o nutricionista integra também a equipa multidisciplinar vocacionada para o tratamento de clientes com patologias mais particulares.

No âmbito da restauração coletiva, o nutricionista tem à sua responsabilidade o controlo de  todo o processo de manipulação, confeção e elaboração de planos/menus alimentares hospitalares, bem como boas práticas de higiene e segurança alimentar de forma a garantir uma oferta de refeições de acordo com as exigências do cliente.

Dra. Diana Silva, Coordenadora da Unidade de Nutrição Clínica

Prof. Dra. Diana Silva

Coordenadora da Unidade de Nutrição Clínica

Dra. Alina Fernandes

Centro Multidisciplinar de Diabetes

Principais áreas de interesse:

​Nutrição no Desporto. Emagrecimento. Diabetes.

Ver Mais

Dra. Cristina Teixeira

Centro Multidisciplinar de Tratamento da Obesidade

Principais áreas de interesse:

Orientação de doentes obesos

Ver Mais

Dra. Luisa Guimarães

Principais áreas de interesse:

Clínica Geral: Alimentação e Diabetes, Obesidade, Geriatria, Medicina Aeronáutica.

Ver Mais

Dra. Luísa Trindade

Centro Multidisciplinar de Tratamento da Obesidade e do Adolescente

Principais áreas de interesse:

 

Nutrição e Oncologia. Nutrição e Cirurgia. Nutrição e Gastroenterologia. Nutrição e Obstetrícia​

Ver Mais

​​Nutrição em Oncologia

O acompanhamento nutricional no doente oncológico é importante que seja feito numa fase precoce com o intuito de otimizar o estado nutricional do doente. Uma alimentação adequada e equilibrada ajuda a melhorar a função imunitária, a resposta ao tratamento, a prevenir e minimizar efeitos secundários dos tratamentos e na recuperação após os tratamentos.

 

Nutrição em Obesidade/Cirurgia Bariátrica

O acompanhamento nutricional é fundamental para garantir a progressão alimentar e adequação nutricional de acordo com as preferências e tolerâncias do doente. É necessário uma readequação do organismo à uma nova realidade, reeducar os hábitos alimentares, proceder à suplementação vitamínica e mineral para garantir qualidade de vida, satisfação e conforto.

 

Nutrição em Cirurgia

Após uma grande cirurgia a nutrição tem um papel fundamental na recuperação dos doentes otimizando o processo de cicatrização e melhoria da resposta imunitária através de uma alimentação e/ou suplementação nutricional adequada.

 

Nutrição em Gastroenterologia

Em doenças do foro da gastroenterologia como síndrome do colon irritável, doença celíaca, meteorismo ou intolerâncias alimentares o acompanhamento nutricional é fundamental para a evicção dos alimentos e estudo dos mesmos, adequação de suplementação nutricional na presença de má absorção intestinal e equilíbrio da flora intestinal.

 

Nutrição em Obstetrícia

Uma alimentação saudável durante a gravidez é essencial para o crescimento saudável do bebé e para o bem-estar da mãe reduzindo o risco de complicações durante a gravidez.

O consumo de uma mistura equilibrada e saborosa de alimentos, poderá não só mantê-la saudável durante a gravidez, ajudar a uma recuperação pós parto mais rápida, mas também poderá ajudar a estabelecer os alicerces essenciais para o crescimento saudável do seu filho.​

Desde o inicio da introdução da Alimentação Complementar (6 meses de idade), que esta se comporta, cada vez mais, como um ato social, onde o envolvimento familiar e dos pares vai influenciando o desenvolvimento de preferências, atitudes e comportamentos alimentares da criança e do adolescente. Torna-se mandatário a orientação precoce dos pais e cuidadores para uma correta introdução dos alimentos não só no primeiro ano de vida como ao longo de todas as fases do crescimento da criança e adolescente de forma a implementar estilos de vida saudáveis, hábitos alimentares corretos e exercício físico de forma a fomentar não só o crescimento e desenvolvimento adequados mas também prevenindo situações de desequilibro/patologia nutricional como doença cardiovascular (DCV), sobrepeso/obesidade, dislipidémia entre outras.

O profissional de saúde tem vindo a ser responsável em varias áreas de investigações particularmente na área da Obesidade e DCV na idade pediátrica e conta com várias publicações em revistas nacionais e estrangeiras.​

​​Uma vez confirmado o diagnóstico de Doença Celíaca, o único tratamento consiste em estabelecer uma dieta sem glúten, terapêutica fundamental que se deverá manter ao longo de toda a vida.

Sabe-se que a única forma de tratamento é cumprir rigorosamente uma alimentação isenta de glúten. Esta nova situação conduz muitas vezes a estados de ansiedade e de medo por parte da criança ou o adolescente celíaco e suas famílias. A aprendizagem e o seguimento de uma dieta sem glúten é uma constante sobre a qual, no início, pouco ou nada se sabe e, com enorme repercussão em todo o agregado familiar. Tanto a criança/adolescente como o adulto devem ser educados no sentido de saber como adquirir autonomia em relação à dieta. Desta forma, a sua integração social e escolar será feita com maior segurança e menor dificuldade no cumprimento de uma alimentação isenta de glúten.

As dificuldades em manter uma dieta isenta de glúten e a necessidade do seu rigor, apontam para uma permanente e renovada informação nutricional em todas as consultas de seguimento da criança/ adolescente ou do adulto com doença celíaca. Deve consultar o nutricionista permitindo acesso a Workshops e manuais de culinária sem glúten. 

​​O estado de nutrição é um dos melhores indicadores de saúde, particularmente na criança/adolescente, já que o seu crescimento e desenvolvimento estão em grande parte condicionados pela adequada alimentação e nutrição.

Fatores comportamentais podem influenciar a ingestão e dão origem a padrões de preferências e consumos alimentares. Crianças com fobias alimentares ou altamente seletivas nas suas escolhas, têm indicação de uma reeducação alimentar incluindo a família.

Igualmente situações de ingestão alimentar diminuída, subjacente à patologia de base como Doença Oncologia ou Fibrose Quística, Cardiopatia Congénita podem dar origem a quadros de desnutrição, requerendo uma abordagem nutricional com especificidades próprias permitindo uma recuperação da curva de peso e melhor qualidade de vida do doente. 

A Diabetes Mellitus é uma doença complexa que tem vindo a aumentar o número de doentes nas ultimas décadas, existindo no momento  em Portugal mais de 1 milhão de diabéticos .

Existem também os pré-diabéticos que são pessoas aparentemente saudáveis, geralmente com excesso de peso/obesos ou com carga hereditária de Diabetes que serão seguramente diabéticas, se não atuarem atempadamente na inversão desta doença.

A Diabetes acomete doentes de ambos os sexos,  registando-se um acréscimo significativo e de maior incidência nos homens, nos obesos e nas pessoas idosas.

É por isso muito importante a otimização atempada do tratamento tanto farmacológico como nutricional.

O tratamento deverá ser individualizado, de acordo com o próprio doente, estado da doença, idade, e da existência ou não de outras morbilidades ou terapêuticas.

O objetivo no equilíbrio dos valores de glicemia, será através de uma alimentação  consciente, controlada  e acompanhada, de forma a prevenir, diminuir ou impedir a progressão da doença e suas complicações micro e macro vasculares.

O controlo da Diabetes só se consegue com um estilo de vida saudável, medicação eficaz e alimentação equilibrada e racional num plano alimentar personalizado.

Quase metade dos Portugueses tem excesso de peso e cerca de 1 milhão são obesos .

Estes números são preocupantes e traduzem desconhecimento ou falta de força de vontade para ter hábitos de vida saudáveis e suas consequências nefastas e reais, a nível da saúde, longevidade e qualidade de vida.

O excesso de peso e a Obesidade estão associados ao aparecimento precoce  de doenças como a Diabetes, Hipertensão, Colesterol elevado, doenças vasculares cardíacas e ortopédicas.

O excesso de peso e a obesidade estão também muitas vezes associados a ansiedade, alterações de humor, depressão, desilusão, falta de autoestima, etc.

Para prevenir e tratar esta doença existem medidas sobretudo alimentares que numa consulta de nutrição personalizada e acompanhada, aprende a escolher, e a conhecer melhor os alimentos, a sua proporção recomendada, esquematizar  horários e refeições personalizados de forma a contrariar a tendência crescente do aumento de peso, evitando assim o inevitável progresso lento para a doença, com respetivas limitações e incapacidades.

O objetivo é menos peso e muitos anos de vida com qualidade e saúde!

Alimentação e Nutrição adequadas são fundamentais para assegurar a performance de qualquer desportista a todos os níveis, prevenir a doença e promover a saúde a longo prazo.

A consulta de Nutrição na Unidade de Medicina Desportiva integra os conceitos de nutrição desportiva tradicional e moderna, com foco no desempenho do exercício e recuperação, bem como no conceito de nutrição funcional, que reconhece que cada atleta responde de forma diferente à formação, recuperação, fatores ambientais e dieta e, portanto, requer uma abordagem individual. São respeitadas as singularidades de cada um, desde aquele que pratica exercício físico para exercitar a saúde geral, ao atleta de elite.

Essa abordagem garante que um plano alimentar personalizado, adaptado às necessidades específicas de cada indivíduo, permita obter ao desportista o máximo benefício da sua atividade de uma forma prática, viável e sustentável.

Na consulta de Nutrição pretende-se entre outros a:

  • Avaliação do estado Nutricional pormenorizado
  • Perda de massa gorda e/ou aumento de massa magra
  • Otimização da recuperação
  • Otimização da resistência
  • Redução do número de lesões
  • Diminuição da sensação de esforço e fadiga

A consulta promove também se necessário uma perda de peso nos casos em que as complicações ortopédicas limitem por períodos a prática de exercício físico.

Para a perda de peso ser eficaz deverá seguir um programa que o ajude de uma forma saudável a recuperar o peso ideal. Só assim os quilos a mais serão perdidos de forma sustentável para não voltarem a surgir.

Para reduzir volume e tonificar o corpo sem passar fome, deverá associar ao seu plano alimentar à prática de exercício físico regular.

É fundamental modificar os comportamentos, adotando novos hábitos alimentares e de atividade física complacentes com um estilo de vida saudável.

No Hospital Lusíadas Porto temos uma equipa de especialistas com vários anos de experiência nas diversas tipologias de dietas existentes que o ajudarão de uma forma altamente personalizada a encontrar o regime de emagrecimento que mais se adeque a si.

É essencial que seja o Nutricionista a apresentar-lhe as opções possíveis de forma a fazer a escolha mais consciente e adequada à sua condição.

As decisões serão tomadas de uma forma partilhada mas sobretudo de forma a fomentar a sua autonomia.

Consulte aqui a informação detalhada sobre os exames desta expecialidade.
...  
Contacto Geral22 605 64 50

24h/365dias​​​​​​

Chamadas Internacionais: +351 21 770 40 40

...  
Emailgeral@lusiadas.pt

Escreva-nos um email, coloque as suas dúvidas ou peça-nos uma informação. Estamos sempre disponíveis por este canal.​​

...  
OnlineO Meu Portal Lusíadas

Tão pessoal como a sua saúde.

 
 
 
 ​
...  
Presencialmente na nossa Unidade

Avenida da Boavista, 171

4050-115 Porto

​​