Oncologia Médica | Informação importante

Na Unidade de Oncologia, a sua saúde, assim como a saúde dos nossos profissionais, é uma prioridade. Neste momento da pandemia COVID-19, todos os esforços estão a ser feitos para garantir o normal funcionamento do serviço.

A Unidade de Oncologia e Radio-Oncologia da Clínica de Stº António mantém-se em funcionamento no edifício D, como sempre, a cuidar dos nossos doentes e a garantir a sua segurança.

No entanto, serão tomadas medidas restritivas de acesso à Unidade de Oncologia da Clínica de Stº António pois esta será reservada prioritariamente para doentes com tratamentos de quimioterapia e imunoterapia ativos e urgências oncológicas não infeciosas. 

Algumas das consultas planeadas poderão ser efetivadas por via telefónica ou mesmo videoconferência, sempre que tal não implique risco para o doente.

Sabemos que estas alterações poderão provocar ansiedade, mas pedimos a vossa compreensão e prometemos voltar à normalidade, assim que a situação pandémica estabilizar. Vamos realizar contactos frequentes com os nossos utentes para minimizar os impactos destas medidas.

As informações prestadas a seguir poderão ser atualizadas, à medida que fomos recebendo mais informação e sempre com o objetivo de adequar a nossa resposta a esta pandemia.


 

1. Quem está em maior risco de doença grave por COVID-19?

As pessoas que correm maior risco de doença grave por COVID-19 são os idosos e pessoas com doenças crónicas (ex.: doenças cardíacas, diabetes e doenças pulmonares). Os doentes portadores de doenças oncológicas com doença ativa, que são doenças crónicas e que diminuem a capacidade de resposta do sistema imune, também parecem ter maior risco de complicações, mas tal já acontece com outras infeções.

A capacidade deste vírus de infetar o Homem é muito recente, razão pela qual não se sabe ao certo se os doentes oncológicos estão mais propensos a desenvolverem a infeção do que a população em geral. Por outro lado, o risco é diferente se tem doença ativa ou está em tratamento de quimioterapia ou imunoterapia ou se está só em vigilância sem doença ativa.


 

2. Estou em seguimento mas sem doença ativa, sob terapêutica hormonal ou sem terapêutica. Tenho risco aumentado? O que devo fazer?

Os doentes em seguimento, sem doença ativa, sob terapêuticas hormonais (por exemplo: letrozol, anastrozol, tamoxifeno, exemestano, bicalutamida, goserrelina, leuprorrelina...) ou sem tratamento, apresentam um risco de complicações semelhantes à população geral, em caso de infeção.

As medidas diárias a tomar são as recomendadas pela Direção-Geral da Saúde (DGS):

- Medidas de etiqueta respiratória: tapar o nariz e a boca quando espirrar ou tossir, com um lenço de papel descartável ou com o antebraço, nunca com as mãos e deitar sempre o lenço de papel no lixo;

- Lavar as mãos frequentemente: deve lavá-las sempre que se assoar, espirrar, tossir ou após contacto direto com outras pessoas. Deve lavá-las durante 20 segundos (o tempo que demora a cantar a música dos “Parabéns”) com água e sabão ou com solução à base de álcool a 70%;

- Limitar o contacto próximo com pessoas;

- Afastar-se de pessoas doentes nomeadamente com infeção respiratória;

- Evitar tocar na cara com as mãos;

- Evitar partilhar objetos pessoais ou comida em que tenha tocado.

Para mais informações consultar: https://covid19.min-saude.pt

Se não tiver sintomas ou nenhum membro da sua família ou cuidador tiver sintomas não necessita usar máscara de proteção. O uso de máscara de forma incorreta pode aumentar o risco de infeção, por estar mal colocada ou devido ao contacto das mãos com a cara. A máscara contribui também para uma falsa sensação de segurança.

Se tiver sintomas, a utilização de máscara de proteção está indicada pois previne que vírus respiratórios e bactérias se espalhem para outras pessoas.

Se utilizar máscara de proteção deve ter atenção ao modo correto de colocação e remoção. Além disso, se usar máscara deve estar consciente de que a máscara não o protege completamente, devendo manter a distância suficiente a outras pessoas, não tocar na face externa da máscara e lavar imediatamente as mãos aquando da sua remoção. A máscara não deve ser reutilizada.


 

3. Estou em tratamento ativo de quimioterapia ou imunoterapia, como proceder?

a) Estou em tratamento ativo de quimioterapia ou imunoterapia: o meu tratamento vai continuar?

Sim, desde que seja decidido pelo seu médico assistente que tem vantagem em continuar o tratamento e sempre após conversa consigo.

b) Estou em tratamento activo de quimioterapia ou imunoterapia: tenho maior risco de infecção?

Os doentes portadores de doenças oncológicas a fazer tratamentos ativos de quimioterapia e imunoterapia apresentam uma diminuição da capacidade de resposta do sistema imune e parecem ter maior risco de complicações, mas tal já acontece com outras infeções.

c) Estou em tratamento activo de quimioterapia ou imunoterapia: o que devo fazer para proteger-me e para proteger os outros?

As medidas diárias a tomar são as recomendadas pela Direção-Geral da Saúde (DGS) e já referidas:

- Medidas de etiqueta respiratória: tapar o nariz e a boca quando espirrar ou tossir, com um lenço de papel descartável ou com o antebraço, nunca com as mãos e deitar sempre o lenço de papel no lixo;

- Lavar as mãos frequentemente: deve lavá-las sempre que se assoar, espirrar, tossir ou após contacto direto com outras pessoas. Deve lavá-las durante 20 segundos (o tempo que demora a cantar a música dos “Parabéns”) com água e sabão ou com solução à base de álcool a 70%;

- Limitar ao máximo o contacto próximo com pessoas;

- Afastar-se de pessoas doentes nomeadamente com infeção respiratória;

- Evitar tocar na cara com as mãos;

- Não partilhar objetos pessoais ou comida em que tenha tocado.

Para mais informações consultar: https://covid19.min-saude.pt

d) Estou em tratamento activo de quimioterapia ou imunoterapia: devo usar uma máscara de proteção?

Para alguns doentes oncológicos em tratamento ativo e imunossupressor, o uso de máscara pode ser importante para proteção também contra outros agentes infeciosos, nomeadamente bactérias, pelo que os elementos da sua equipa médica podem recomendar o seu uso.

Se tiver sintomas, a utilização de máscara de proteção previne que vírus respiratórios e bactérias se espalhem para outras pessoas.

Se for aconselhado a utilização de máscara de proteção deve ser efetuado o ensino sobre o modo correto de colocação e remoção. Se usar máscara deve estar consciente de que a máscara não o protege completamente, devendo manter a distância suficiente a outras pessoas, não tocar na face externa da máscara e lavar imediatamente as mãos aquando da sua remoção. A máscara não deve ser reutilizada.

e) Estou em tratamento ativo de quimioterapia ou imunoterapia: corro risco de apanhar uma infecção no hospital?

A Unidade de Oncologia da Clínica de Stº António tem procedimentos rigorosos de controlo de infeções. Foram tomadas medidas para controlar a actual pandemia. As consultas de seguimento foram drasticamente reduzidas, foi proibida a entrada de pessoas não essenciais ao funcionamento da Unidade, todas as pessoas que entram na Unidade são sujeitas a um inquérito para despiste de sintomas e é medida a temperatura, foi reduzido o número de cadeirões de tratamento e aumentado o espaçamento entre eles e reforçada a higienização de mãos e superfícies.

f) Estou em tratamento activo de quimioterapia ou imunoterapia: posso levar um acompanhante para a Unidade de Oncologia?

Nesta fase de contenção da pandemia vamos restringir os acompanhantes quer na sala de espera quer na sala de tratamento. Só será admitido o acompanhante para os casos considerados imprescindíveis, ou de manifesta incapacidade do paciente em estar sozinho.


 

4. O que devo fazer se tiver sintomas de infecção respiratória?

- Febre (temperatura superior a 38ºC);

- Tosse (persistente ou agravamento da tosse habitual);

- Dificuldade respiratória (Falta de ar);

a) Se estiver em seguimento mas sem doença ativa, sob terapêutica hormonal ou sem terapêutica

Deve contactar a DGS SNS24 (808 24 24 24) e avisar a Unidade de Oncologia da Clínica de Stº António para o email: recepcao.quimio.clisa@lusiadas.pt

b) Se estiver em tratamento activo de quimioterapia ou imunoterapia

Deve contactar a DGS SNS24 (808 24 24 24) e avisar a Unidade de Oncologia da Clínica de Stº António, por contacto telefónico (Apoio Administrativo – 21 499 93 45, das 9h00 às 19h00 / Equipa de Enfermagem – 21 499 93 50, das 9h00 às 17h00) ou por email: recepcao.quimio.clisa@lusiadas.pt. Se tiver febre (temperatura superior a 38ºC) deve dirigir-se à Unidade de Atendimento Urgente do Hospital Lusíadas Lisboa.

Se tiver questões clínicas adicionais pode contactar-nos através do email: recepcao.quimio.clisa@lusiadas.pt  ou pelo telefone 21 499 93 80

Se tiver questões administrativas pode contactar-nos através do email:

recepcao.quimio.clisa@lusiadas.pt

Estes contactos pretendem complementar e não substituir a linha de contacto da DGS:

SNS24 (808 24 24 24) e o site: https://covid19.min-saude.pt

Fazemos votos para que a nossa Unidade de Oncologia retome o seu normal funcionamento com a maior brevidade possível.

Mais informação disponíveis:

https://covid19.min-saude.pt

https://www.sponcologia.pt/fotos/editor2/publicacoes/informacoes_para_a_populacao_da_spo.pdf