Lusiadas.pt | Blog | Doenças | Sintomas e tratamentos | Anorexia e bulimia: o papel do nutricionista
3 min

Anorexia e bulimia: o papel do nutricionista

O tratamento da anorexia e da bulimia implica a recuperação de peso de pacientes que evitam a todo o custo engordar. Esta é uma mudança de comportamento difícil e em que o nutricionista pode ajudar.

Os transtornos de comportamento alimentar como a anorexia e a bulimia exigem uma abordagem multidisciplinar. O processo de reeducação alimentar é vital no tratamento da anorexia e/ou bulimia, mas também complexo e moroso. Luísa Trindade, nutricionista do Hospital Lusíadas Porto, explica como se caracterizam estes distúrbios alimentares, a que sinais a família deve estar atenta e a importância de consultar um nutricionista.

Anorexia e bulimia: o que são

O controlo rígido e obsessivo da ingestão de alimentos evolui para a falta de apetite real que caracteriza a anorexia. No caso da bulimia, há um comportamento compulsivo de consumo desenfreado seguido de vómito provocado.

Mas os dois distúrbios alimentares podem surgir associados e têm muito em comum. Além dos aspetos psicológicos da exacerbada preocupação com o peso, baixa autoestima e distorção da imagem corporal, a anorexia e a bulimia resultam numa dieta perigosa e insuficiente a nível nutricional.

Fatores de risco

A anorexia afeta sobretudo raparigas (95%), a baixa autoestima é uma caraterística transversal e sabe-se também que a maioria são jovens com um elevado rendimento escolar, muito organizadas, exigentes consigo próprias e com alguns traços de comportamento obsessivo.

Vários estudos permitem traçar o perfil de risco, mas há que não desprezar os fatores externos que levam ao desenvolvimento de transtornos alimentares como a anorexia e a bulimia. Além da pressão familiar, escolar e social que recai sobre a imagem e dos ditames da moda, há uma questão importante, que quase nunca é falada: a exigência do controlo de peso no mundo da alta competição. 

Luísa Trindade sublinha tratar-se de um problema grave, que se verifica sobretudo nas atividades que se relacionam com movimentos de elevação do próprio corpo. “A patinagem, o ballet e ginástica têm regras muito rígidas na alta competição, sem qualquer acompanhamento de compensação nutricional”, alerta a especialista.

Riscos para a saúde

Nas raparigas, a perda da menstruação é um dos primeiros sinais de que o peso desceu a um nível perigoso, com graves implicações no desenvolvimento hormonal.

Mas a carência de nutrientes pode também conduzir a anemias graves, osteoporose precoce, e níveis muito baixos de fósforo e de potássio, capazes de desencadear falência cardíaca ou respiratória. A anorexia nervosa é o transtorno psiquiátrico com maior risco de morte.

Sinais a que a família deve estar atenta

Existem comportamentos que, segundo Luísa Trindade, estão quase sempre presentes. Se a família ou amigos detetar alguns estes sinais, é essencial incentivar a/o jovem a procurar um nutricionista ou acompanhá-lo à consulta.

  • Perda de peso “involuntária”;
  • Hábitos como o de espalhar comida no prato, para fingir que está quase vazio;
  • Sinais de isolamento social e recusa de programas que impliquem “ficar à mesa”;
  • Insistência em usar roupas mais largas do que o normal e muito leves, mesmo quando está frio (para acelerar a termogenia, obrigando o organismo a queimar mais calorias).

Para que serve a consulta de Nutrição?

O tratamento envolve a recuperação de peso de pacientes que sofrem com o pesadelo de poder vir a engordar. Ou seja, implica uma mudança de comportamentos que se revela difícil, mesmo quando já existe acompanhamento psicológico e um médico a alertar para o facto de a saúde estar em risco. 

“A abordagem multidisciplinar devia ser obrigatória”, defende Luísa Trindade, nutricionista do Centro Multidisciplinar de Tratamento da Obesidade e do Adolescente do Hospital Lusíadas Porto. O papel do nutricionista é o de garantir uma evolução positiva com efeitos de longo prazo, a chamada reeducação alimentar.

Criar um plano nutricional

Na consulta, definem-se objetivos e traça-se uma estratégia, que pode passar por ganhar meio quilo por semana ou começar pelos 100 gramas. “Não existe uma abordagem única e é preciso garantir uma relação de confiança com o paciente”, explica a médica. O tratamento pode demorar muitos meses.

Implica a reintrodução progressiva de alimentos, a começar pelos mais simples, como o arroz ou a massa, considerados proibidos por conterem hidratos de carbono ou um valor calórico que os pacientes consideram excessivo. A adesão do paciente difere e há que ter em conta a idade.

Os 14 anos são a média estatística, mas a especialista lembra que “a anorexia pode começar aos nove ou dez anos e surgir até aos 20 ou 22”, sublinhando que “isso não quer dizer que uma pessoa na casa dos 30 ou 40 não possa também desenvolver um distúrbio alimentar”.

Este artigo foi útil?

We appreciate the feedback.

Please include your email if you want us to follow up with you.

Colaboração

Dra. Luísa Trindade

Nutrição Clínica
Hospital Lusíadas Porto
PT