Lusiadas.pt | Blog | Doenças | Sintomas e tratamentos | Queda de cabelo: como prevenir e tratar
3 min

Queda de cabelo: como prevenir e tratar

A queda de cabelo é um fenómeno que ocorre naturalmente ao longo do ciclo do cabelo e não é motivo de alarme. Teresa Pinto de Almeida, dermatologista do Hospital Lusíadas Porto, fala-nos dos sinais de alarme, das técnicas inovadoras e de prevenção. Por exemplo: deve-se lavar o cabelo todos os dias?

Crescimento e queda de cabelo

O ciclo do cabelo tem várias fases e, por isso, o crescimento e a queda de cabelo ocorrem de forma cíclica ao longo do tempo e não de forma contínua. De uma forma simples podemos dividir o crescimento do cabelo em 3 fases:

  • Anagénese

A fase de síntese e crescimento activo, com duração de 2-6 anos e na qual se encontram 85-90% dos cabelos;

  • Catagénese

A fase de regressão/involução, com duração de 2-3 semanas e na qual se encontram menos de 1% dos cabelos;

  • Telogénese

A fase de “repouso”, que dura cerca de 3 meses e envolve 10-15% dos cabelos. Assim sendo, facilmente se compreende que o cabelo que cai em determinada altura estava de certa forma predestinado a cair naquela altura. Já o fenómeno da queda do cabelo é chamado de exogénese.

Causas da queda de cabelo

Quando algum desequilíbrio ocorre no ciclo normal de nascimento, crescimento e queda - de forma excessiva, prolongada ou numa fase imprevista do ciclo - entramos nas quedas de cabelo patológicas, as alopecias.

Há muitos tipos de alopecias, cada uma com forma de apresentação própria e distinta, a maioria com causas ainda não completamente esclarecidas. Há no entanto, alguns fatores que comprovadamente podem provocar a queda excessiva do cabelo (neste caso a alopecia denomina-se deflúvio telogénico):

  • Stresse;
  • Pós-parto;
  • Febre;
  • Infeções;
  • Doenças crónicas graves;
  • Intervenções cirúrgicas;
  • Dietas rigorosas;
  • Doenças endócrinas (como alterações na tiroide)
  • Alguns medicamentos.

Sinais de alarme

Há vários sinais de alarme que devem motivar uma consulta de dermatologia.

  • Diminuição da densidade capilar

Quando o cabelo que cai excede o que nasce e cresce, verifica-se uma diminuição da densidade capilar que deve ser estudada para programar o melhor tratamento.

  • Existência de peladas

O desenvolvimento de peladas, ou seja, de áreas sem cabelo, deve levá-lo a consultar um especialista.

  • Cicatrizes

Aparecimento espontâneo de áreas de cicatriz no couro cabeludo.

  • Rarefação de cabelo com outras manifestações

Rarefação do cabelo acompanhada de descamação, borbulhas, nódulos ou drenagem de pus.

Podemos separar tipos de queda de cabelo consoante o sexo?

Os tipos de queda de cabelo são os mesmos em ambos os sexos. No tipo de queda de cabelo mais comum, a chamada alopecia androgenética, a forma de apresentação é que é diferente.

  • Mulher

Tipicamente, na mulher caracteriza-se pela rarefação do cabelo no topo da cabeça, em “coroa”, deixando mais visível o couro cabeludo (apesar de poderem ocorrer outras apresentações menos comuns);

  • Homem

No homem a alopecia androgenética manifesta-se inicialmente pela recessão frontotemporal, as vulgares “entradas”, seguida da rarefação no topo do couro cabeludo, com eventual fusão destas áreas.

Diagnóstico

O dermatologista, após um exame cuidadoso do cabelo e couro cabeludo, frequentemente com recurso à tricoscopia (exame que utiliza a dermatoscopia digital para avaliar em pormenor a pele) consegue determinar qual a causa da queda de cabelo e a sua gravidade, de forma a delinear qual a melhor abordagem terapêutica para cada pessoa.

Medicação

O tratamento das alopecias, dependendo do tipo e gravidade, pode não ser fácil e é normalmente um processo moroso, sendo de esperar pelo menos 3-4 meses até serem evidentes resultados. Além disso, os resultados são imprevisíveis e muito variáveis de pessoa para pessoa. Os medicamentos podem ser tópicos (produtos de aplicação local) ou orais, consoante decisão do médico e do doente.

Técnicas inovadoras para tratar a queda de cabelo

A eficácia destas técnicas depende do tipo de alopecia em questão, pelo que deverá ser sempre realizada uma avaliação cuidadosa pelo dermatologista de modo a determinar quais as opções terapêuticas válidas em cada caso particular.

  • Laser capilar

Existem alguns tipos de laser que podem ser utilizados em determinados tipos de alopecia (mas não em todos, aliás em alguns poderão estar contra-indicados). Desde que devidamente indicados, os resultados são evidentes, com aumento do crescimento e densidade do cabelo.

  • Microneedling

O microneedling é uma opção terapêutica eficaz em determinadas alopecias. É uma técnica inovadora muito versátil e bem tolerada, com resultados excelentes no repovoamento capilar nos casos em que está indicado.

Prevenção

Devemos “mimar” o nosso cabelo. Afinal de contas é fundamental para a nossa imagem, identidade e auto-estima. Devemos dedicar algum do nosso tempo para nós e para o nosso bem-estar e isto inclui tratar bem do nosso cabelo diariamente:

  • Lavar com um champô apropriado;
  • Massajar o couro cabeludo com delicadeza;
  • Evitar agressões físicas e químicas (secadores, pranchas, produtos químicos irritantes, técnicas de penteado com tração do cabelo...);
  • Pentear com suavidade;
  • Hidratar bem as pontas.

Sabia que…
Não há qualquer problema em lavar o cabelo todos os dias e não é essa lavagem diária que faz o cabelo cair?

Ler mais sobre

Pele

Este artigo foi útil?

We appreciate the feedback.

Please include your email if you want us to follow up with you.

Especialidades em foco neste artigo

Colaboração

Dra. Teresa Pinto De Almeida

Dermatologia
Hospital Lusíadas Porto
PT