Lusiadas.pt > Blog > Adoçantes na gravidez: recomendações
2 min

Adoçantes na gravidez: recomendações

Um estudo publicado na JAMA, a revista da Associação Médica Americana, sugere que o consumo de bebidas adoçadas artificialmente durante a gravidez pode aumentar o índice de massa corporal das crianças no seu primeiro ano de vida. No entanto, o próprio artigo adverte para a necessidade de mais investigação e para a necessidade de cada grávida se aconselhar com o seu médico sobre a utilização de adoçantes.

Dúvidas sobre adoçantes 

O que são?

Os adoçantes são substâncias naturais ou sintéticas, usadas para adoçar alimentos, bebidas, medicamentos, etc., em substituição do açúcar.

Engordam?

Têm muito poucas calorias e alguns têm mesmo zero calorias.

Que quantidade posso consumir?

Os valores indicados são diários, por cada kg de peso corporal: Aspartame: 40mg Ciclamato: 11mg Sacarina: 5mg Sucralose: 15mg

Há restrições ao consumo de aspartame?

A Autoridade Europeia para a Segurança dos Alimentos voltou a reafirmar a segurança do aspartarme em dezembro de 2013. A entidade considerou o seu consumo seguro para a generalidade dae população (incluindo crianças e mulheres grávidas), considerando o valor diário de 40 mg/kg. Alertou, no entanto, que este valor não é adequado a pessoas que sofrem de fenilcetonúria, uma doença genética rara, e onde o consumo de aspartame deve ser evitado.

 

Desejo de comer doces

Há estudos que relacionam o consumo de açúcar com uma sensação de prazer e conforto, que podem justificar o desejo de algumas grávidas comerem doces. As mulheres grávidas devem aconselhar-se com o médico ou um nutricionista para saber como seguir uma alimentação adequada, de acordo com as suas necessidades.

 

Tipos de adoçantes

Têm características diferentes, como sabor e capacidade de adoçar. São classificados em naturais (como a frutose, a estévia ou o sorbitol) e artificiais (como o ciclamato, a sacarina, a sucralose ou o aspartame).

  • Ciclamato

É um adoçante artificial, 30 vezes mais doce do que o açúcar, não é calórico e não é aproveitado pelo organismo.

  • Sacarina

Artificial, adoça 300 vezes mais do que o açúcar. Foi o primeiro adoçante a ser descoberto, em 1879, e possui um gosto residual amargo. Não é aproveitado pelo organismo.

  • Aspartame

Artificial, adoça 200 vezes mais do que o açúcar e não deixa sabor residual. Quando submetido a altas temperaturas, perde parte da sua capacidade adoçante.

  • Sucralose

Artificial, tem o mesmo sabor do açúcar e foi descoberta acidentalmente em 1976. Adoça 600 vezes mais do que o açúcar e não é calórica.

  • Stevia

Adoçante natural, derivado de uma planta da família do crisântemo e da margarida, é 400 vezes mais doce do que o açúcar. Fonte: Adaptado de AMIL Saúde: Obesidade Infantil Não

Ler mais sobre

Maternidade

Este artigo foi útil?

Revisão Científica

Dra. Luísa Trindade

Hospital Lusíadas Porto:
PT