Perguntas Frequentes sobre Anestesia

 Que tipos de anestesia existem?

  • Anestesia Geral: está inconsciente e completamente alienado do decorrer da intervenção cirúrgica, durante a qual são administrados vários fármacos e gases anestésicos.

  • Anestesia Regional: parte do corpo fica insensibilizada através do uso de anestésicos locais (anestesia espinhal (raquianestesia), epidural ou dos principais nervos periféricos). É quase sempre acompanhada de sedativos e analgésicos que o deixam confortável e tranquilo.

  • Anestesia Local: técnica de infiltração de fármacos para tornar a área anatómica pretendida insensível ("dormente"), semelhante à anestesia do dentista.

  • Cuidados Anestésicos Monitorizados (MAC): os anestesiologistas são cada vez mais solicitados para fora do bloco operatório, estando presentes em procedimentos como endoscopias digestivas, intervenções em exames de radiologia e procedimentos cardíacos. A atuação do anestesista é necessária para proporcionar conforto.   


Quais são os riscos da anestesia?

A probabilidade de uma pessoa saudável morrer durante a anestesia é comparável ao risco de uma viagem num avião comercial e mais seguro do que uma viagem de carro. Probabilidade de 1 para 200.000 a 1 para 400.000.


Vou acordar a meio da cirurgia?

Não. O seu sono, que designamos por hipnose, é nos dias de hoje muito controlado e também rigorosamente monitorizado através de elétrodos que colocamos na região frontal da cabeça e que nos dão o registo da actividade cerebral.​


O anestesista fica comigo durante toda a intervenção cirúrgica?

O anestesista permanece na sala operatória para monitorizar e garantir a sua segurança. Também decide sobre: o tipo de soros que devem ser utilizados, a utilização de derivados de sangue, de antibióticos ou de fármacos para tratar a dor e para onde será feita a transferência após a cirurgia.

 

Porque não posso beber nem comer antes da cirurgia?

Numa situação normal, o nosso corpo tem mecanismos que permitem prevenir a regurgitação do conteúdo gástrico. Quando ficamos inconscientes, esses mecanismos não funcionam e há o risco de que esse conteúdo seja aspirado para os pulmões. Assim, é mais seguro ter o estômago vazio quando é efetuada uma anestesia geral. 

Numa situação de emergência, como pode ter comido recentemente, o anestesista tem de ter precauções especiais para reduzir o risco de aspiração pulmonar.

Mesmo que esteja previsto realizar a cirurgia sob anestesia regional, é importante seguir as mesmas instruções relativas à ingestão de alimentos, pois pode ser necessário passar a anestesia geral.​


Vou sonhar?

É possível, mas a anestesia induz um estado mais profundo do que o tipo de sono em que normalmente ocorre o sonho.​


Tenho um dente a abanar. Há algum problema?

O Médico Anestesista vai querer saber se tem falta de dentes, dentes a abanar, se usa prótese dentária ou se tem pontes/coroas. 

Quando está a ser intubado, como os dentes estão muito próximos, há sempre a possibilidade de um dente ser lascado ou danificado, principalmente se este estiver a abanar. No caso de um dente estar a abanar pode haver indicação para a sua remoção antes da cirurgia.

 

Eu preciso mesmo de um acesso venoso? Quando é que vai ser retirado?

Normalmente é colocado um acesso venoso, no dorso da mão, antes de "adormecer". Este permite a administração de fármacos anestésicos, soros e também fármacos utilizados para tratar determinadas complicações como a hipotensão.

Normalmente é retirado quando começa a dieta via oral e quando não é necessário administrar antibióticos ou analgésicos por via endovenosa.


O que é a epidural?

A técnica epidural é realizada com anestesia local e sob ligeira sedação pelo que não é um procedimento doloroso. Consiste na injeção e colocação de um cateter de calibre cerca 1mm na região lombar e torácica e que pode ser usado durante a cirurgia ou na fase pós-operatório para tratamento eficaz da dor. Sendo muito preconizada na analgesia do trabalho de parto tem indicações em muitas outras cirurgias (abdominais, pélvicas, torácicas e dos membros inferiores).

 

O que é a raquianestesia?

Esta técnica é semelhante à epidural, sendo a administração dos fármacos num espaço anatómico mais profundo e na grande maioria das vezes não é colocado cateter. ​

 

Quando é que posso voltar à atividade normal?

Depende principalmente do tipo de intervenção cirúrgica. Como os fármacos anestésicos administrados são eliminados horas após o procedimento, recomenda-se que não execute determinadas atividades como conduzir, manipular máquinas ou assinar documentos legais.

Excetuando alguns casos, como grandes intervenções cirúrgicas e com duração muito prolongada, a sua memória não irá sofrer alterações no período pós operatório.​

 

A minha medicação pode interferir com os fármacos anestésicos?

Normalmente mantém a sua medicação, mas a interação entre fármacos é sempre possível. Assim deve informar o seu anestesista da medicação diária.

Se ainda tiver dúvidas, fale com o seu médico assistente e aproveite a consulta de anestesia – que será marcada antes da intervenção – para colocar todas as suas questões.


E se eu for alérgico à anestesia?

Por vezes os pacientes pensam que são alérgicos à anestesia por terem tido uma experiência desagradável associada à anestesia, como por exemplo a ocorrência de náuseas e vómitos. Isto são efeitos secundários dos fármacos e não uma reação alérgica. Uma verdadeira reação alérgica provoca alterações cutâneas (rash), pieira, edema da língua, garganta ou olhos e por vezes diminuição da tensão arterial.​


O que acontece na sala operatória?

A equipa da sala operatória é formada por médicos, enfermeiros, técnicos e auxiliares.

Antes da entrada na sala

Os profissionais envolvidos têm a responsabilidade de preparar o material e fármacos específicos ao procedimento cirúrgico.

Após entrada na sala

É conectado a vários monitores que permitem avaliar as funções vitais (tensão arterial, frequência cardíaca, ritmo cardíaco e respiração). Estes permanecem ligados durante toda a intervenção.

Checklist de cirurgia segura

Antes de ser anestesiado o cirurgião e o anestesiologista confirmam os detalhes acerca da sua história clínica e o que deve esperar após a realização da cirurgia.

Após a aplicação da anestesia

A equipa continua os prepa​rativos para a sua cirurgia. Isto pode incluir a colocação de uma algália, mais acessos venosos, limpeza do local da intervenção cirúrgica e colocação de panos estéreis.

Os cirurgiões preparam-se vestindo bata e luvas esterilizadas. Estes são ajudados pela enfermeira instrumentista que fornece e organiza todos os instrumentos necessários à cirurgia e pela enfermeira circulante que tem a responsabilidade de ter na sala todo o material para a cirurgia.

Independentemente do tempo de cirurgia vão estar sempre presentes na sala médicos e enfermeiros a cuidar de si.

No final da cirurgia

O anestesista vai acordá-lo e posteriormente transferi-lo para uma Unidade de pós-operatório onde estará uma equipa de enfermagem que lhe prestará cuidados até ter alta para o internamento ou para a Unidade de Ambulatório.

​​​​