Lusiadas.pt | Blog | Crianças | Bebés | Cinco mitos sobre as cólicas do bebé
3 min

Cinco mitos sobre as cólicas do bebé

Alguns bebés têm cólicas e outros não, sem que a ciência tenha conseguido explicar até agora o porquê de ser assim. O que se sabe é que, talvez por esse motivo, as cólicas do lactente se tornaram um mito cultural, utilizado para justificar uma evidência: o choro do bebé.

Gustavo Rodrigues, pediatra do Hospital Lusíadas Lisboa, começa por alertar: “Se a criança está com aleitamento exclusivo, geralmente não tem cólicas!”. Neste artigo, o especialista aponta possíveis causas para o desconforto do lactente - e que podem ser confundidas com cólicas do bebé -, e revela aos pais uma dica fundamental no despiste dos sintomas: “As cólicas não passam com colo!”

Os pais julgam tratar-se de cólicas do bebé, quando…

1. Apesar dos esforços para o reconfortar, o bebé chora compulsivamente por longos períodos — muitas vezes, à mesma hora, todos os dias ou noites

A criança impossível de consolar pode ter cólicas, mas é muito mais frequente que a situação se reporte à chamada “luta contra o sono”, que se verifica geralmente ao fim do dia. A criança tem muito sono mas quer, ao mesmo tempo, estar acordada para conhecer mais coisas. Quando isso acontece, o choro só termina com a exaustão do bebé que, subitamente, parece “desligar o motor”. Não há cólicas com horário fixo.

2. O choro começa geralmente após as refeições e muitas vezes o bebé bolça mais nessas alturas

Há várias causas que podem explicar esta coincidência, nem sempre explicada pelas chamadas cólicas, e que quase nunca se deve ao que a mãe come. O bebé pode ter fome (não se sente satisfeito) ou ter alguma intolerância à lactose. No aleitamento com leite artificial, pode haver cólicas, porque esse leite tem lactose e cerca de 25% da população tem défice de lactase – a enzima que faz a digestão da lactose. Outra causa importante de cólicas do bebé, geralmente acompanhadas de refluxo gastro-esofágico ou vómitos, é a alergia às proteínas do leite de vaca.

Neste caso, as crianças têm de fazer dieta sem derivados do leite de vaca até cerca dos dois anos. No refluxo gastro-esofágico, que é frequente até aos seis meses, as crianças comem e bolsam. Podem engasgar-se frequentemente ou “ruminar”, sinal que a criança sente a chegada de leite à boca. Nestes casos, pode chorar por ter dores devido à ”azia” e por ter fome, já que perdeu alimento com o vómito. Ou seja, não são cólicas reais!

Veja também o vídeo em que Gustavo Rodrigues, pediatra do Hospital Lusíadas Lisboa, explica os factos e mitos sobre cólicas dos bebés: 

 3. As “cólicas" passam assim que o bebé faz cocó

Se o choro e o desconforto desaparecem depois de o bebé fazer cocó ou emitir gases, isso pode dever-se à presença de uma fissura anal que lhe provoca dor nessas alturas.

4. O bebé mostra inchaço abdominal ou estômago duro e distendido. Quando chora arqueia as costas, dobra os joelhos até ao peito, cerra os punhos e mexe muito os braços

Quando o bebé chora, revela sempre movimentos de hiperextensão, movimentos dos braços e pernas e barriga dura… Nada disto quer dizer que está com “cólicas”, mas apenas que a criança está irritada. São sintomas que não devem ser sobrevalorizados.

O nervosismo da mãe pode também estar na origem da reação. O bebé conhece desde o início da gestação a frequência cardíaca da mãe e a sua tensão muscular. Se a mãe estiver angustiada ou nervosa, tem a frequência cardíaca aumentada e treme…Nesse caso, tal como os adultos, a criança pode ter cólicas, mas como uma resposta fisiológica à sua noção de risco, tal como acontece com os adultos. O bebé para de chorar quando a mãe se acalma e a sensação de perigo desaparece.

5. O desconforto do bebé interfere com o seu padrão de sono

Durante os primeiros meses, o padrão de sono do bebé não é estanque. O choro que só se verifica durante a noite deve-se, muito frequentemente, à falta que o bebé sente de um consolo imediato, principalmente se, durante o dia, os pais contam com muita ajuda familiar.

O bebé geme e recebe colo durante um longo período e, à noite, isso não acontece — a sua resposta é de estranheza. Se a criança se cala quando lhe pegam e é consolada, isso é um sinal inequívoco de que não tem cólicas. As cólicas do bebé não passam com colo!

Este artigo foi útil?

We appreciate the feedback.

Please include your email if you want us to follow up with you.

Colaboração

Prof. Dr. Gustavo Rodrigues

Pediatria
Hospital Lusíadas Lisboa
PT