Lusiadas.pt | Blog | Crianças | Bebés | Tratamento revolucionário da plagiocefalia
3 min

Tratamento revolucionário da plagiocefalia

Nem sempre os bebés nascem com a cabeça simétrica, redonda, com a configuração esperada e “normal”. Conheça os métodos de correção da assimetria craniana existentes no Hospital Lusíadas Lisboa e o “capacete” que está a ajudar as crianças e que é uma boa notícia para os pais.

Pouco tempo depois de ter nascido, o pediatra do Daniel detetou aquilo que julgava ser um torcicolo. Recomendou-lhe fisioterapia mas não havia melhoras. O pescoço continuava estranho, a cabeça permanecia achatada. Foi então que o reencaminhou para Paula Rodeia, especialista em neurocirurgia pediátrica do Hospital Lusíadas Lisboa, que diagnosticou a plagiocefalia. Sandra Sequeira, a mãe, nunca tinha ouvido falar da doença e menos ainda no tal "capacete" para usar durante quatro meses: "Fiquei assustada mas se aquilo resolvia o problema, então vamos a isso!"

Plagiocefalia: do que se trata?

Plagiocefalia é a palavra que descreve a assimetria do crânio, uma configuração em paralelogramo ou trapezoidal. Pode ser postural – causada pela postura no útero – por um nascimento prematuro, uma gravidez gemelar, um torcicolo congénito, ou sinostótica, causada por um encerramento precoce de suturas – esta situação é mais rara e o tratamento tem de ser cirúrgico.

Necessidade do diagnóstico precoce

"Quando não é tratada, esta anomalia resultará numa assimetria crânio-facial permanente, que poderá afetar a articulação temporomandibular e o alinhamento do globo ocular, com consequentes défices funcionais", alerta Paula Rodeia. Por esta razão, o diagnóstico precoce é crucial.

"Outras complicações menos frequentes são otites de repetição e enxaqueca", continua. Como é costume nestas matérias, quanto mais depressa se intervier melhor: "A eficácia do tratamento é superior quando iniciado entre os quatro e os oito meses de idade."

Qual o tratamento da plagiocefalia postural?

Paula Rodeia explica: "Dada a plasticidade do crânio, o tratamento da plagiocefalia postural inicia-se com medidas de posicionamento que normalmente se utilizam até aos cinco meses. Incentiva-se a rotação da cabeça para o lado oposto ao afetado ou o decúbito ventral [deitado de costas para cima] quando a criança estiver acordada e devidamente supervisionada, e utiliza-se a almofada "Mimos®" em decúbito dorsal [deitado de costas para baixo], mas não durante o transporte." Estas medidas nem sempre são eficazes ou são suficientes, sobretudo se a plagiocefalia for grave.

É então que se realiza, no Hospital Lusíadas Lisboa, um procedimento que Paula Rodeia não gosta de adjetivar de inovador, apesar de não serem muitos os médicos que o aplicam: trata-se da ortótese craniana dinâmica Kinderband®. "Há vários tipos disponíveis no mercado mas nós usamos esta, que é de fabrico individualizado nos EUA, aprovada pela FDA [Food and Drugs Administration], que requer certificação clínica para a sua prescrição, colocação e seguimento. Pode ser utilizada entre os três e os 18 meses, e a sua eficácia diminui quando o tratamento se inicia após os 12 meses."

Um tratamento à medida

Depois das medições, essenciais para o diagnóstico e indicação para uso de ortótese, a criança é submetida a um laserscan. "O laserscan permite obter a reconstrução tridimensional do crânio de forma rápida, não traumática e eficaz, tornando assim desnecessários os moldes de gesso.

As imagens obtidas são trabalhadas através de um programa informático, o Biosculptor®, que, além de quantificar de modo preciso a deformidade estimada do crescimento do crânio, permitindo a construção de uma ortótese personalizada, adequada a cada caso, projeta o tempo estimado à sua utilização."

Deve ser utilizada durante 23 horas por dia entre três a cinco meses e, geralmente, é bem tolerada pelas crianças, ainda que a especialista refira que "o empenho dos pais e as consultas de acompanhamento regulares são fundamentais para eventuais ajustes, despistes de lesões cutâneas e obtenção dos objetivos". Paula Rodeia tem obtido excelentes resultados com esta espécie de "capacete". Cabeças assimétricas ganharam simetria e, com isso, evitam-se muitos outros problemas associados. Uma excelente notícia para os pais.

No caso do Gabriel

"Gabriel pôs o capacete há dois meses e já se nota uma grande diferença", diz a mãe. Do alto dos seus 10 meses não estranha o acessório. As pessoas que o veem na rua é que acham estranho: "Perguntam se ele é muito traquina, se aquilo é para ele não se magoar, se eu o deixei cair... Às vezes brincam e perguntam onde é que ele deixou a mota! Tento levar com sentido de humor. O que importa é que ele fique bem."

Publicado em maio de 2015

Ler mais sobre

Criança

Este artigo foi útil?

We appreciate the feedback.

Please include your email if you want us to follow up with you.

Especialidades em foco neste artigo

Dra. Paula Rodeia

Neurocirurgia
Hospital Lusíadas Lisboa, Clínica Lusíadas Almada
PT