Lusiadas.pt | Blog | Doenças | Cancro | “Senti uma força que nem sabia que tinha”
3 min

“Senti uma força que nem sabia que tinha”

Maria José Mourão estava grávida da terceira filha quando o cancro lhe bateu à porta. Submeteu-se a uma mastectomia às 18 semanas de gestação e o parto foi marcado de acordo com o plano de quimioterapia estabelecido na consulta de oncologia do Hospital Lusíadas Porto. Leonor nasceu com 36 semanas, em agosto de 2015, e é uma bebé saudável. Um ano e meio depois, a mãe está bem e prepara-se para regressar ao trabalho. A família está de regresso à rotina!

Aconteceu tudo em muito pouco tempo, em catadupa. Maria José ainda estava a amamentar a segunda filha quando sentiu a primeira pontada no peito esquerdo.

“Deve ser uma mastite...”, disseram-lhe. Foi em novembro de 2014. Passou um mês e em dezembro a enfermeira descobriu que estava de novo grávida. Ao fazer a ecografia, a massa de que Maria José se tinha apercebido foi atribuída à gravidez. Em março de 2015, já na consulta de obstetrícia, o médico fez-lhe palpação e recomendou que fizesse nova ecografia. Seguiu-se uma ressonância magnética (sem contraste, por estar grávida), depois uma biópsia.

E aí veio a confirmação: era cancro, um tumor “in situ”, localizado, que era urgente remover. Marcou-se a mastectomia para abril. Maria José estava grávida de 18 semanas quando entrou no bloco operatório para retirar a mama esquerda — e receber boas e más notícias da parte do laboratório de anatomia patológica, dois dias depois. O gânglio sentinela deu um resultado negativo, mas o tumor mostrou afinal não estar circunscrito, revelando um área de carcinoma invasivo de sete milímetros — o que obrigava a enfermeira, agora com 39 anos, a tratamentos de quimioterapia. Durante a gravidez, as enfermeiras não são aconselhadas sequer a administrar os tratamentos de quimioterapia aos doentes.

“Nesse momento tive medo do que poderia acontecer à bebé”, confessa. No gabinete de consulta do Hospital Lusíadas Porto, a oncologista explicou-lhe o plano de tratamentos previsto: iria fazer três ciclos de quimioterapia durante a gravidez e o parto seria antecipado para as 36 semanas, de forma a permitir fazer mais três ciclos de quimioterapia depois e um tratamento de um ano, já com recurso a medicamentos que na altura estava impedida de tomar.

Não hesitou. “Confiei na equipa e foi ‘bola para a frente’...”, conta, sublinhando o “grande apoio” que teve sempre do marido. Sem qualquer imprevisto, o plano foi cumprido à risca. Sentiu o cabelo começar a cair-lhe quando mudava a fralda da segunda filha e rapou-o imediatamente. Já tinha tratado da peruca, disse a um grupo muito restrito de pessoas o que se passava e prosseguiu com a gravidez e os tratamentos administrados por via endovenosa, através de um cateter que entretanto colocou no peito, sem dramatismos.

“No hospital, recebia a medicação para prevenir os efeitos da quimioterapia e nem sequer tive vómitos e outros efeitos secundários. Sentia fadiga, mas evitava ficar na cama, levantava-me sempre”, explica. Leonor nasceu a 4 de agosto, de cesariana, saudável. Maria José não podia amamentar, mas não deixou de gozar o momento.

Seguiram-se mais três ciclos de quimioterapia, depois o tratamento preventivo de recidivas com um anticorpo monoclonal (chamado trastuzumabe), tomado por injeção a cada três semanas, durante um ano. Parou em agosto e está sob vigilância periódica desde então. Reconstruiu o peito em novembro, prepara-se para regressar ao trabalho em março e em casa, a rotina familiar foi-se instalando, aos poucos, para alívio de todos.

Não foi sempre fácil. “Mas eu tinha duas filhas, outra a caminho, todos os motivos para lutar. E senti uma força que nem sabia que tinha...”, conta hoje. “Tive muita sorte porque, apesar de tudo, o tumor foi detetado ainda numa fase muito inicial”, sublinha. A experiência confirmou-lhe aquilo que já sabia, até pela experiência profissional, como enfermeira: o medo é mau conselheiro e adiar a procura de ajuda médica pode ter um preço alto. “A prevenção é muito importante. Quanto mais cedo a doença for diagnosticada, melhor!”

Ler mais sobre

Cancro da Mama

Este artigo foi útil?

We appreciate the feedback.

Please include your email if you want us to follow up with you.

PT