Lusiadas.pt | Blog | Doenças | Cancro | Testemunho: a história de quem conseguiu vencer o cancro
3 min

Testemunho: a história de quem conseguiu vencer o cancro

Há dez anos, Marta teve a sua maior prova - vencer o cancro. Ultrapassada a meta mais importante, a atleta levou a determinação para as provas de atletismo.

Marta Martins é auxiliar de ação médica no Hospital Lusíadas Porto, tem 22 anos e uma maturidade rara para a idade. Não admira. Em 2004, tinha então 12 anos, Marta viveu o pesadelo de sentir a morte por perto. Na altura já era uma apaixonada pelo atletismo, que praticava com muito empenho e ganas de vencer. Mas, um dia, um inchaço no pescoço começou a trazer-lhe dúvidas: Seria papeira? Seria garganta? Algumas consultas e exames depois, chegou o diagnóstico: linfoma de Hodgkin. Marta, nos seus inocentes 12 anos, só compreendeu do que se tratava quando ouviu a médica perguntar à mãe se os tratamentos seriam feitos em São João ou no IPO do Porto. "IPO???" Foi então que a médica lhe explicou tudo, sem papas na língua. Marta teve a reação normal para a sua idade: "Eu faço tudo menos aquele tratamento que faz cair o cabelo. Isso não me peçam!"

Provas de amor

Foi exatamente por aí que se começou: seis ciclos de quimioterapia, que equivaleram a 12 semanas (uma semana de tratamento, seguida de uma semana de descanso). "Felizmente, nunca tive de ser internada. Como morávamos em Gondomar, muito perto do hospital, pude ir sempre a casa, o que foi um grande alívio", recorda. Marta sempre enfrentou tudo com grande coragem. Lembra com um nó na garganta o dia em que o irmão, sete anos mais novo, afirmou peremptório: "Se a mana vai ficar careca eu também quero rapar o cabelo". E recorda, ainda com esse nó por desatar, o dia em que toda a família rapou o cabelo, mãe incluída: "Foi uma forma linda de me darem força, de dizerem que estávamos juntos naquela luta." A morte não estava propriamente presente, de forma direta, mas a verdade é que Marta Martins ganhou medos reveladores sobre o seu estado de espírito na altura: "Deixei de dormir sozinha. Tinha medo de não acordar. Durante um ano dormi com a minha mãe, e tinha de ter a luz acesa. No fundo, tinha medo de não conseguir lutar por aquilo que eu queria."

Regresso aos treinos

Uma das coisas que mais lhe custou, em todo o processo de tratamento e cura, foi o relógio. Isso mesmo, o relógio. Sempre que chegava a hora do treino (18h), Marta ficava nostalgicamente a olhar para o relógio, lastimando ter de ficar ali, quieta, parada, num repouso que lhe era estranho. Ainda assim, foi só um ano de paragem. Um ano de quimioterapia, radioterapia e recuperação. Mal teve ordem do médico, Marta Martins voltou aos treinos, sua paixão maior. O mesmo médico que chegou a dizer aos pais que talvez a filha não pudesse voltar a correr ainda hoje se surpreende com as suas conquistas: "Sempre que lhe digo que fui a um campeonato da Europa ele diz: 'Miúda, tu és surreal!' Eu rio-me. Não sou nada surreal. Mas ter estado parada, ter estado perto da morte ou, pelo menos, de nunca mais poder fazer atletismo, deu-me uma força enorme. Quando estamos à beira de perder damos sempre mais valor ao que temos."

Eterna aprendizagem

Marta trabalha como auxiliar de ação médica no Hospital Lusíadas Porto há dois anos e adora. "Hoje em dia não dá para viver do atletismo em Portugal e, por outro lado, gosto muito do que faço. É uma profissão em que tenho de lidar com as pessoas, dar-lhes uma palavra de alento, ouvi-las desabafar. E também falo com os médicos e aprendo muito. Também me permite não viver tão obcecada com os treinos. Entro no hospital e desligo-me do atletismo, o que também é bom!" Desliga mas depois torna a ligar, claro. Marta Martins já atingiu o patamar do Alto Rendimento e, por isso, treina todos os dias: "Quando consigo, treino duas vezes por dia. Quando digo às minhas colegas que vou treinar, depois de um dia cansativo de trabalho, chamam-me maluca".

Um mundo de recordes

A atleta não se limitou a vencer a batalha contra o cancro. É também uma vencedora na modalidade que a apaixona. Está entre as melhores da Europa nos dez mil metros e o seu recorde pessoal é de 34 minutos e 17 segundos: "Em 2009, tive a minha primeira internacionalização, no Campeonato da Europa de Corta-Mato, em Dublin. Desde então, fui a todos. Em 2013, fui ao Campeonato da Europa de sub-23 e fui a 13ª nos dez mil metros. Este ano fui a 4ª classificada nos Jogos do Mediterrâneo, em Marselha."

Publicado em Fevereiro de 2015

Ler mais sobre

Doenças Oncológicas

Este artigo foi útil?

We appreciate the feedback.

Please include your email if you want us to follow up with you.

PT