Lusiadas.pt | Blog | Doenças | Sintomas e tratamentos | 8 conselhos para evitar o pé diabético
5 min

8 conselhos para evitar o pé diabético

Todos os cuidados são poucos: 12 a 25% das pessoas com diabetes desenvolvem ao longo da vida lesões tróficas (úlceras ou gangrena) nos pés que, nos casos mais graves, podem levar à amputação do membro.

Consequências da diabetes

A hiperglicemia persistente, que caracteriza a diabetes, provoca um distúrbio metabólico que pode ter consequências graves ao nível dos olhos (retinopatia), dos rins (insuficiência renal), e sobretudo dos pés (pé diabético), principais vítimas da degeneração dos vasos sanguíneos (vasculopatia) e dos nervos (neuropatia).

A diabetes afeta um milhão de portugueses. A prevalência da doença em Portugal está estimada em 13,1%, embora se saiba também que, de entre estas pessoas, só cerca de metade (7,4%) sabe que tem a doença.

A neuropatia

De acordo com um trabalho apresentado pelo Prof. Dr. Armando Mansilha, especialista em Angiologia e Cirurgia Vascular e professor na Faculdade de Medicina do Porto, as pessoas com diabetes têm um risco aumentado de amputação, 15 a 30 vezes comparado com os não diabéticos.

No momento em que a diabetes é detetada, 13% das pessoas revelam já sintomas de neuropatia e, uma década depois, o número cresce para 50%. A falta de sensibilidade, resultante da destruição do sistema nervoso, faz-se sentir sobretudo nos pés. Os sinais de alerta de neuropatia são vários:

  • Sensação de formigueiro;
  • Perda da sensibilidade local;
  • Dores;
  • Ardor nos pés e nas pernas;
  • Sensação de picada;
  • Dormência e fraqueza nas pernas.

O pé diabético

Os pés são uma espécie de “calcanhar de Aquiles” dos diabéticos. Sabe-se que 12 a 25% das pessoas com diabetes desenvolvem, ao longo da vida, lesões tróficas (úlceras ou gangrena) nos membros inferiores. E isto acontece por vários motivos:

  • Os pés sustentam o peso do corpo, o que significa que estão sob uma pressão constante;
  • Têm uma mecânica, ao nível da parte óssea, muito complicada, tendencialmente suscetível ao desenvolvimento de deformações;
  • São uma zona muito exposta e, por isso, sujeita a traumatismos vários.

Pé diabético neuropático

Se a pessoa apresenta falta de sensibilidade no pé, isso torna-a mais vulnerável. Não sente a dor de uma “bolha” provocada por um sapato que magoa, ou do panarício na unha, e portanto não é alertado pelo ardor quando surge numa micose entre os dedos do pé.

Pé diabético com doença arterial periférica

A situação agrava-se ainda mais quando, além da neuropatia, existe doença vascular periférica. O efeito da hiperglicemia persistente ao nível das artérias resulta numa calcificação e posterior oclusão.

É da máxima importância corrigir fatores de risco, ou seja o controlo rigoroso da glicemia, uma dieta equilibrada, controlo da hipertensão arterial e da hipercolesterolemia, deixar de fumar e fazer uma vigilância rigorosa e regular dos pés.

Tratamento do pé diabético com doença arterial periférica

Quando a lesão progride, o tratamento pode implicar uma cirurgia reconstrutiva convencional (bypass) ou endovascular, que consiste na desobstrução da artéria lesada através da dilatação com um balão (angioplastia) e/ou colocação de um stent, (minúsculo tubo de metal, expansível e em forma de malha) — diferentes procedimentos que têm sempre como objetivo vascularizar o membro para permitir a cicatrização.

Nos casos mais severos, porém, os médicos têm como única opção a amputação, nas suas várias dimensões:

  • Minor (excisão de um ou vários dedos);
  • Major (resseção do pé ou da perna, que pode chegar a incluir a zona da coxa).

Prevenir o pé diabético

Em 2014, os problemas relacionados com o pé diabético motivaram 1863 ocorrências hospitalares (menos 141 do que no ano anterior) e obrigaram à realização de 1385 amputações, um número igualmente inferior às 1556 intervenções de 2013.

Os dados constam do Relatório Anual do Observatório Nacional da Diabetes (OND) e permitem confirmar que, apesar da dura realidade, no que diz respeito ao pé diabético, a situação em Portugal tem vindo a melhorar.

Essa é também a leitura que faz Maria Teresa Vieira, especialista em cirurgia vascular do Hospital Lusíadas Lisboa, que lembra existir hoje mais informação, um melhor acesso a cuidados de saúde e profissionais com formação específica na área da diabetes, o que favorece o diagnóstico precoce e a prevenção das complicações associadas à doença, nomeadamente o pé diabético.

Conselhos úteis

Seguir uma dieta equilibrada, não fumar, avaliar a taxa de glicemia regularmente, bem como os níveis de gorduras no sangue, através de análises, é essencial para prevenir todas complicações que possam resultar da diabetes.

No mesmo sentido, é ainda importante proceder a uma vigilância periódica aos órgãos mais sensíveis (olhos, rins, coração e pé). Mas a prevenção do pé diabético passa ainda por outros cuidados. A saber:

1. Examinar os pés diariamente

Todos os dias, ou pelo menos uma vez por semana, examine os pés num lugar bem iluminado e verifique a existência de qualquer lesão: cortes, calos, bolhas, micoses, fissuras, feridas ou alterações de cor.

2. Usar água morna

Mantenha os pés sempre limpos e use sempre água morna, para evitar queimaduras. A falta de sensibilidade característica da neuropatia interfere com a avaliação da temperatura e, por isso, este é um risco a evitar. No final, limpe os pés com uma toalha macia e gestos suaves, sem esfregar.

3. Hidrate a pele

Mantenha a pele hidratada, mas evitando aplicar creme nas zonas entre os dedos dos pés ou à volta das unhas. A humidade favorece a multiplicação de microrganismos e ajuda ao desenvolvimento de infeções.

4. Usar materiais naturais

Use meias sem costura ou elásticos fortes e sempre em materiais naturais, como o algodão ou lã, porque as fibras sintéticas favorecem as altas temperaturas e o suor.

5. Cuidado a cortar as unhas

Corte as unhas com instrumentos apropriados ou com uma tesoura de ponta arredondada, sempre a direito e com os cantos arredondados, sem retirar as cutículas. Idas à manicure ou pedicure são de evitar — calos e outros problemas devem ser tratados por um podologista.

6. Consulte um médico

Nunca deve cortar calos ou usar loções abrasivas para tratá-los, em casa, sem uma prévia avaliação médica da situação.

7. Proteja sempre os pés

Mantenha os pés protegidos, mesmo na praia e na piscina. Mais uma vez, a falta de sensibilidade decorrente da neuropatia faz aumentar o perigo de feridas ou lesões.

8. Atenção ao calçado

Evite sapatos abertos, apertados, de material sintético ou de salto com ponta fina. Sapatos fechados, macios e sem costuras são recomendados para pessoas com diabetes.

Caso a pessoa revele deformações ósseas nos pés, o ideal será mesmo recorrer a sapatos adaptados, feitos “à medida” por um técnico de ortótose.

Ler mais sobre

Diabetes

Este artigo foi útil?

We appreciate the feedback.

Please include your email if you want us to follow up with you.

Colaboração

Dra. Maria Teresa Vieira

Cirurgia Vascular
Hospital Lusíadas Lisboa, Clínica Lusíadas Almada, Clínica Lusíadas Parque das Nações
PT