Lusiadas.pt | Blog | Doenças | Sintomas e tratamentos | Alergia ocular e a primavera
4 min

Alergia ocular e a primavera

A alergia ocular afeta cerca de 20% da população e consiste numa doença inflamatória e recorrente da superfície ocular externa. É mais comum no início da primavera.

O “olho vermelho” é uma das manifestações da alergia ocular. “É uma apresentação clínica muito frequente e justifica mais de 60% das prescrições tópicas oftalmológicas”, explica Jorge Palmares, oftalmologista no Hospital Lusíadas Porto. Pode observar-se em diversas situações:

  • Alergias

Geralmente com prurido (comichão) e lacrimejo;

  • Olho seco

Acompanhado de ardência com sensação de “areia” e poucas lágrimas;

  • Infeção com queratite (querato-uveíte)

Com visão turva e dor. A fotofobia (sensibilidade à luz), hiperemia (olho vermelho), quemose (edema da conjuntiva) e envolvimento palpebral (edema e inflamação), são outros dos sintomas agudos e bilaterais.

“Seja qual for a sintomatologia sentida, não basta um pulo à farmácia mais próxima. Na problemática da alergia ocular, um correto acompanhamento médico é fundamental para a deteção e tratamento do problema”, alerta Jorge Palmares.

Alergias: causas prováveis

As doenças alérgicas oculares são provocadas por:

  • Meio ambiente;
  • Medicamentos;
  • Produtos cosméticos;
  • Produtos das lentes de contacto;
  • Fatores genéticos.

Nas alergias há 5 formas clínicas:

1. Conjuntivite alérgica

É a mais comum, manifesta-se em 70% dos doentes com rinite alérgica sendo muitas vezes acompanhada por sintomas nasais de rinite (rino-conjuntivite alérgica).

“Pode ser sazonal (primavera), provocada por pólenes das gramíneas, oliveira e parietária (planta da família da urtiga), ou perene, por ácaros do pó da casa e epitélios de animais domésticos (por exemplo, o gato), com agravamento à noite e ao levantar”, explica o oftalmologista.

  • Sintomas

Caracteriza-se por lacrimejo e prurido, em contraste com a conjuntivite infeciosa (bacteriana ou vírica) que apresenta secreções sero-mucosas e formação de crostas matinais.  

2. Queratoconjuntivite vernal

É uma doença rara e grave que afeta, na primavera/verão, crianças e adolescentes.

  • Sintomas

Prurido intenso, extrema fotofobia e visão enevoada por inflamação da córnea.  

3. Queratoconjuntivite atópica

Manifesta-se mais no adulto por pálpebras inflamadas e com crostas (blefarite), com tratamento mais prolongado. Surgem com relativa frequência catarata e queratocone (córnea em forma de cone). É a alergia com maior risco de cegueira.  

4. Conjuntivite gigantopapilar

Surge por aderência de alergénios ou material proteico e limpeza deficiente da superfície das lentes de contacto moles (hidrófilas) ou por reação alérgica aos conservantes das soluções de armazenamento e limpeza das lentes.  

5. Blefaroconjuntivite de contacto/tóxica

Está associada à toxicidade ou sensibilização induzidas por cosméticos e constituintes farmacológicos ou conservantes (cloreto de benzalcónio, timerosal) presentes em colírios e pomadas oftálmicas, quando usados repetidamente.

Vários produtos de cosmética podem também estar envolvidos:

  • Instrumentos de cosmética ocular (por exemplo, os eyeliners);
  • Produtos aplicados no cabelo, face ou unhas podem ser transferidos para os olhos provocando sensibilização;
  • As armações e os parafusos metálicos dos óculos também podem originar eczema de contacto periorbitário (à volta da órbita ocular) em doentes com sensibilidade ao níquel.

E o ar condicionado, ou ambientes secos e ventosos provocam alergia?

“Não, só agravam uma condição clínica prévia, como inflamação conjuntival ou o olho seco (lacrimejo reflexo, dor, fotofobia, hiperemia conjuntival e, por vezes, visão turva devido ao filme lacrimal irregular). Estes doentes melhoram com lubrificantes oculares (em emulsão e gel) e lágrimas artificiais sem conservantes”, esclarece Jorge Palmares.

Exames laboratoriais

Na suspeita de conjuntivite alérgica raramente é necessário pedir exames laboratoriais, pois os elementos da história clínica e do exame oftalmológico são os mais determinantes para o diagnóstico. Contudo, numa conjuntivite alérgica persistente ou recidivante, são importantes os testes cutâneos e/ou a quantificação sérica da IgE específica.

Prevenção e tratamento da alergia ocular

Uma em cada cinco pessoas sofre de algum tipo de alergia ocular, com impacto na sua qualidade de vida e no grau de absentismo escolar e profissional, pelo que a sua prevenção e a terapêutica são fundamentais para a população que sofre de alergia.

Tratamentos

1. Evitar as causas

A alergia ocular previne-se com medidas de evicção, diminuindo a exposição aos alergénios, quando identificados pelo alergologista.

Na época polínica de março a julho (pólenes e gramíneas) deve:

  • Usar óculos escuros (100% filtração ultravioleta);
  • Evitar cortar relva ou andar ao ar livre nas primeiras horas da manhã (alturas de maior polinização), em dias ventosos ou quentes e secos e em espaços relvados;
  • Em casa, é fundamental evitar a acumulação de pó e de ácaros domésticos (Dermatophagoides pteronyssinus e farinae), que se alimentam das escamas que se libertam da pele humana e de certos bolores, cujo crescimento é facilitado pelo calor e pela humidade. É no quarto de dormir – cama, almofadas, cobertores e colchões – que eles existem em maior abundância e, particularmente, a partir de outubro e durante todo o inverno.

2. Terapia medicamentosa

O tratamento antialérgico com anti-histamínicos tópicos (aplicados diretamente no órgão alvo) diminui os potenciais efeitos sistémicos destes fármacos via oral.

  • Os anti-histamínicos tópicos de ação rápida e dupla (com estabilização prolongada dos mastócitos conjuntivais humanos, como azelastina, cetotifeno, epinastina e olopatadina) são eficazes no alívio imediato dos sintomas e previnem a libertação de mediadores inflamatórios. No entanto, a coexistência de uma rinite aumenta as queixas do doente e diminui a sua qualidade de vida. Assim, os anti-histamínicos orais não sedativos podem melhorar também os sintomas conjuntivais quando estes se associam à rinite.
     
  • Os corticosteróides tópicos são também muito eficazes na alergia ocular ao suprimirem a inflamação. Todavia, a sua utilização deve ser cuidadosa, por períodos curtos e monitorizada por oftalmologistas, porque provocam atraso na cicatrização da córnea, aumento da tensão intraocular (glaucoma), formação de catarata e imunossupressão local, aumentando o risco de sobreinfeção (herpes) da córnea e da conjuntiva.  

Ler mais sobre

Alergias Doenças dos Olhos

Este artigo foi útil?

We appreciate the feedback.

Please include your email if you want us to follow up with you.

Especialidades em foco neste artigo

Colaboração

Dr. Jorge Palmares

Oftalmologia
Hospital Lusíadas Porto
PT