Lusiadas.pt > Blog > Prevenção e Estilo de Vida > Saúde da Família > 10 sinais que o devem levar ao oftalmologista 
4 min

10 sinais que o devem levar ao oftalmologista 

Colaboração
Uma visão desfocada ou uma perda súbita de visão são apenas dois dos sinais que o devem levar ao oftalmologista, mas há outros.

Se for jovem ou adulto, são vários os sinais a que deve estar atento e que o devem levar ao oftalmologista. Mas, quando se trata de uma criança, independentemente de pais ou cuidadores terem notado algum sinal, “é importante levá-la a uma consulta em idade pré-escolar”, diz o coordenador da Unidade de Oftalmologia do Hospital Lusíadas Amadora, António Santos Melo.

Os 10 sinais

  1. Uma visão desfocada, quer ao longe quer ao perto, quase sempre indicia que a pessoa precisa, pelo menos, de alguma correção de refração.
  2. Uma perda mais ou menos súbita de visão também é um dos sinais importantes de alerta que o devem levar a um oftalmologista.
  3. Outro sinal é aquilo a que se chama uma diplopia, ou seja, uma visão dupla. “As pessoas olham para um objeto e veem dois: um carro ou uma pessoa que está duplicada. Nem sempre é um problema oftalmológico.”
  4. Uma sensação de intolerância à luz, fotofobia, quer seja unilateral ou bilateral, é um sinal de alerta. 
  5. Outro sinal de alerta na população é a visualização de manchas. “As pessoas dizem ver umas moscas ou uns aranhiços. Às vezes é acompanhado por uma sensação de flash luminoso, outras vezes não. Muitas vezes, surge primeiro o flash luminoso e, um ou dias depois, começam a ver os tais aranhiços, é sempre uma situação que deve levar a pessoa à consulta de Oftalmologia com alguma urgência.”
  6. Um sinal muito frequente é a sensação de olhos irritados. “Aquilo a que se chamam os olhos vermelhos, uma sensação de areia e picada, pode não ser particularmente grave, mas é bastante desconfortável, é bastante comum. Às vezes está só mencionado como um olho mais seco, por uma utilização intensa de meios tecnológicos. É de simples resolução, mas a observação oftalmológica é necessária.”
  7. Outra situação é a dor de cabeça que começa a instalar-se de forma mais ou menos frequente. “As cefaleias podem estar associadas à utilização de meios tecnológicos ou de esforço visual intenso — ou não, nem sempre estão associadas.”
  8. A alteração frequente da graduação que as pessoas costumam ter nos óculos também merece atenção. “Em princípio, a graduação dos óculos é mais ou menos estável num período de dois ou três anos. Se a pessoa começa a notar que mudou de óculos há uns meses e está a ver novamente mal, é porque alguma coisa se passa.”
  9. O aparecimento mais ou menos súbito ou progressivo, quer em crianças quer em adultos, dos olhos tortos. “Começou a entortar um ou dois olhos. É um estrabismo que tem significados diferentes num adulto e numa criança, mas é sempre um sinal de alerta.”
  10. A existência de dor ocular, mais ou menos rápida ou progressiva, deve levar a uma consulta com um oftalmologista.

Fatores de risco

Além dos sinais a que se deve estar atento, há fatores de risco, alerta o especialista. “As pessoas que sabem que têm doenças crónicas — por exemplo, há duas que são mais frequentes, que é a hipertensão arterial e a diabetes mellitus, que, só por existirem, devem induzir algum cuidado”, diz, explicando: “Pelo menos uma vez por ano, deve procurar uma consulta de Oftalmologia, já que estas doenças têm um impacto importante na visão e nas várias estruturas do olho.”

O caso das crianças

Independentemente de haver algum sintoma que chame a atenção, deve sempre existir a preocupação de fazer uma consulta numa idade pré-escolar. “A criança não se vai queixar que vê mal, sobretudo se vir bem de um olho e mal do outro, e, portanto, isso leva à criação de uma situação que se chama um olho preguiçoso, que é uma ambliopia por falta de estimulação desse olho”, explica o médico. “Se, para além disso, o que é frequente, os pais notarem que a criança entorta os olhos, aí vão logo ao oftalmologista.”

Ainda assim, há alguns sinais a que os cuidadores devem estar atentos. São eles:

  • Sensibilidade exagerada à luz solar, sobretudo se for só de um olho. Uma criança que, quando chega à rua, fecha um olho e esconde a cara é um sinal de alerta. 
  • Muitas vezes existem situações de astigmatismo, que é um erro de focagem. “A criança traduz daquela forma a hipersensibilidade à luz, mas, mais importante do que isso, é que aquele olho, como não está a ser estimulado devidamente, vai criar condições para se tornar o tal olho preguiçoso.”
  • Se a criança se aproximar muito dos ecrãs, deve levar a que os pais se preocupem se vê bem. “Muitas vezes, vê bem, e é mais pela excitação de estar mais próximo da ação, mas também pode ser porque ouve mal.”
     

Ler mais sobre

Doenças dos Olhos

Este artigo foi útil?

Revisão Científica

Dr. António Santos Melo

Coordenador da Unidade de Oftalmologia

Hospital Lusíadas Amadora

Especialidades em foco neste artigo

Especialidades em foco neste artigo

PT