Lusiadas.pt | Blog | Doenças | Sintomas e tratamentos | Consumo de ansiolíticos e antidepressivos a crescer
2 min

Consumo de ansiolíticos e antidepressivos a crescer

Portugal é o país europeu com maior consumo de ansiolíticos e antidepressivos, revelam os dados do Programa Nacional para a Saúde Mental da Direção-Geral da Saúde (DGS).

De acordo com um estudo da Direção-Geral da Saúde (DGS), entre 2000 e 2012 o consumo de ansiolíticos e antidepressivos aumentou muito em Portugal. O consumo de antidepressivos triplicou e o de ansiolíticos aumentou 6% (números calculados em doses diárias por mil habitantes). A facilidade no acesso e a automedicação são algumas das causas para os números agora revelados, afirma Ana Peixinho, coordenadora da Unidade de Psiquiatria e Psicologia do Hospital Lusíadas Lisboa.

 

Ansiolíticos e antidepressivos: o que fazem

Os tranquilizantes – ansiolíticos – procuram tratar os sintomas provocados por uma perturbação de ansiedade ou depressão. "Aliviam o incómodo, mas não eliminam a causa, não curam", alerta a psiquiatra Ana Peixinho, do Hospital Lusíadas Lisboa. São medicamentos que devem ser utilizados para acompanhar uma terapia mais profunda que inclui visitas agendadas e regulares ao médico especialista, neste caso um psiquiatra. "É indispensável fazer um acompanhamento adequado. Quando não há prescrição médica, surge mais facilmente a dependência e a tolerância". O ciclo só se quebra identificando a causa ou a doença que está por detrás da ansiedade ou da depressão. "Depois, é preciso tratar, habitualmente com antidepressivos, e só quando deixarem de existir sintomas é que se faz o desmame dos medicamentos", explica Ana Peixinho. Os antidepressivos pertencem a uma classe de fármacos que atenuam os sintomas característicos da depressão.

Elevado consumo de ansiolíticos e antidepressivos em Portugal

Dos países da União Europeia, Portugal é dos que tem o maior consumo de tranquilizantes para o tratamento da ansiedade e insónia, um consumo que tem vindo a aumentar. "A facilidade no acesso, bem como a continuação da toma além do tempo indicado, por não ser feito um tratamento acompanhado pelo médico especialista, faz com que esse consumo seja mais elevado". Para a psiquiatra do Hospital Lusíadas Lisboa, é indispensável ter a ajuda de um especialista e não procurar uma solução que funcione apenas no imediato. Este é um problema de saúde pública que tem de ser resolvido e a educação de todos os intervenientes é essencial.

Ler mais sobre

Depressão

Este artigo foi útil?

We appreciate the feedback.

Please include your email if you want us to follow up with you.

Especialidades em foco neste artigo

Revisão Científica

Dra. Ana Peixinho

Coordenador da Unidade de Psiquiatria , Psicologia

Psiquiatria
Hospital Lusíadas Lisboa, Clínica Lusíadas Parque das Nações
PT