Lusiadas.pt | Blog | Doenças | Sintomas e tratamentos | Diarreia: o que fazer?
3 min

Diarreia: o que fazer?

A avaliação médica pode ser importante sempre que o problema se prolongue no tempo.

Num adulto, a diarreia é um dos principais motivos de consulta em gastrenterologia. A diarreia pode ser aguda (quando dura alguns dias e tem como causa principal infeções virais) ou crónica. Nas situações ligeiras e autolimitadas não é necessário recorrer a um médico, refere Miguel Serrano, gastrenterologista do Hospital Lusíadas Lisboa. Mas esteja atento aos sinais que listamos de seguida para saber quando deve procurar um especialista. E tenha presente que o uso de antibióticos (que até pode ser uma das causas) deve ser excecional.

O que é?

Habitualmente, a diarreia traduz-se por uma alteração no volume e consistência das fezes. E está associada a um aumento do número de dejeções diárias. Ainda assim, a definição estrita de diarreia não é consensual e cabe ao médico avaliar a sintomatologia apresentada. Devem valorizar-se quaisquer alterações ao normal padrão de funcionamento do intestino, bem como outros sintomas acompanhantes.

Quando ir ao médico

A avaliação médica justifica-se se não forem situações ligeiras e autolimitadas. Deve recorrer a um especialista nos seguintes casos:

  • Diarreia prolongada (por um período superior a 2 semanas);
  • Presença de sangue nas fezes;
  • Emagrecimento;
  • Sintomas noturnos;
  • Febre elevada e prolongada (duração igual ou superior a 72 horas);
  • Vómitos persistentes;
  • Sinais de desidratação;
  • Doenças crónicas ou imunossupressão concomitantes.

Tipos de diarreia

1. Diarreia aguda

As queixas não se prolongam por mais de 2 semanas e, na grande maioria, não ultrapassam poucos dias.

Causas: A maior parte das diarreias agudas são de etiologia infeciosa e, dentro destas, a causa mais frequente são os vírus ou intoxicações alimentares provocadas por toxinas bacterianas.

2. Diarreia crónica

A diarreia crónica pode constituir um desafio no diagnóstico. Para a sua investigação, interessa apurar dados relativos à pessoa (o género, a idade, a toma de medicamentos, os hábitos sexuais e a história familiar) e às características do quadro que apresenta (número de dejeções diárias e a ocorrência noturna, a presença de sangue, muco ou pus nas fezes, dor abdominal, febre, sudorese noturna e palpitações). É também importante saber se há anorexia ou emagrecimento significativos.

Causas

Síndrome do intestino irritável: dor abdominal acompanhada de diarreia; implica ausência de diarreia noturna frequente e a emissão de sangue nas fezes, febre e emagrecimento. O seu início é mais frequente nas idades jovens.

Doença inflamatória intestinal (Doença de Crohn e colite ulcerosa): pode manifestar-se através de uma miríade de sintomas, desde diarreia crónica (com ou sem emissão de sangue nas fezes) acompanhada de dor abdominal e febre, até situações de desnutrição grave. O seu início é mais frequente nas idades jovens.

Intolerância à lactose: quando a diarreia se manifesta entre 30 minutos a 2 horas após a ingestão de leite e/ou derivados e é acompanhada de dor e distensão abdominal, flatulência. Estima-se que esta intolerância afete cerca de um quarto da população.

Síndrome de malabsorção: nos países ocidentais, a principal causa desta síndrome é a doença celíaca.

Neoplasias: entre as neoplasias, os tumores do cólon e do reto são os mais frequentes e têm maior prevalência após os 50 anos de idade.

Medicamentos: são uma causa cada vez mais reconhecida de diarreia crónica. Há fármacos de uso comum (e até abusivo) que muitas vezes se associam a diarreia, como os anti-inflamatórios não esteroides, inibidores da bomba de protões e alguns psicofármacos. Por se tratar de um diagnóstico de exclusão, alguns medicamentos devem ser suspensos ou substituídos por equivalentes, se tal for possível.

Erros a evitar

O uso de antibióticos deve ser excecional, ficando reservado para os casos mais prolongados de diarreia, que se acompanham de febre alta e sintomas constitucionais importantes, como mal-estar geral, vómitos e anorexia, bem como sinais de desidratação.

Tratamento

  • Evitar a desidratação. Ter particular atenção à hidratação nos meses mais quentes do ano, na população idosa e nos doentes crónicos;
  • Se for necessário, pode recorrer-se a soluções com eletrólitos para corrigir défices iónicos eventuais. Esta avaliação e prescrição deve ser sempre orientada por um médico;
  • Pode ser útil não ingerir leite, gorduras e fibras em excesso;
  • A utilização de probióticos é mais comum nos casos de diarreia atribuída a medicamentos – antibióticos, na maior parte dos casos.

Este artigo foi útil?

We appreciate the feedback.

Please include your email if you want us to follow up with you.

Dr. Miguel Serrano

Gastrenterologia
Hospital Lusíadas Lisboa, Clínica Lusíadas Parque das Nações
PT