Lusiadas.pt | Blog | Doenças | Sintomas e tratamentos | Lúpus: o que deve saber
3 min

Lúpus: o que deve saber

É uma doença das mulheres em idade fértil. Não afeta só a pele, mas qualquer órgão, explica Ana Maria Ferreira, especialista em Medicina Interna no Hospital Lusíadas Lisboa e Clínica Lusíadas Parque das Nações.

O lúpus em cinco respostas

1. O que é?

O lúpus eritematoso sistémico (LES) é uma doença autoimune em que existe uma produção exagerada de auto-anticorpos contra antigéneos do próprio doente, o que pode causar lesões em diversos órgãos, tais como o rim, músculo, articulações, a nível cardíaco ou no sistema nervoso central (neurolúpus).

2. Que tipos de lúpus existem?

O lúpus discoide ou cutâneo afeta apenas a pele. Pode surgir sob a forma de uma “rosácea” ou de lesões profundas e atróficas. O lúpus sistémico pode atingir qualquer órgão, mas não necessariamente a pele. Ambos devem ser constantemente vigiados.

3. Quem pode ter lúpus?

Segundo a Sociedade Portuguesa de Reumatologia, afetará 0,07% dos portugueses. Por estar associado a questões hormonais, é uma doença mais prevalente nas mulheres em idade fértil. Surge, habitualmente, a partir dos 30 anos.

Mas, mesmo na adolescência ou depois dos 60 anos, há mais casos descritos no sexo feminino do que no masculino.

4. Como prevenir?

Não é possível. O lúpus é uma desregulação do sistema imunitário, cujas causas são desconhecidas. A sua etiologia (o ramo da Medicina que estuda a causa das doenças) é desconhecida, podendo envolver fatores ambientes, hormonais e imunológicos.

5. Que complicações pode ter?

De entre todas as patologias autoimunes, sublinha Ana Maria Ferreira, especialista em Medicina Interna no Hospital Lusíadas Lisboa e Clínica Lusíadas Parque das Nações, é a que tem um percurso inesperado, porque pode agudizar em qualquer altura, mesmo se o doente está estabilizado.

O rim é uma das principais e constantes preocupações do clínico que acompanha um paciente com lúpus. Concluiu-se, ainda, que há uma certa prevalência da patologia cardiovascular associada, por ser uma doença inflamatória a nível dos vasos, pelo que se deve também fazer o controlo dos fatores de risco cardiovasculares – hipertensão, dislipidémia (presença elevada ou anormal de .lipídios no sangue) e diabetes.

Quando uma grávida tem lúpus, as queixas articulares podem diminuir. No entanto, no final da gravidez, pode haver um agravamento do quadro, com alterações da função hepática e plaquetas baixas, o que implica internamento para monitorização e eventual cesariana.

Os principais sintomas

Um médico fica alerta para a possibilidade de um paciente poder ter lúpus quando este apresenta queixas de febre ligeira (febrícula), cansaço extremo, intolerância ao sol, rash malar (lesões cutâneas na zona das bochechas e nariz, e que, por norma adquire a forma de uma borboleta), dor nos músculos (mialgias) e nas articulações.

No inverno, pode também haver sinais de Síndrome de Raynaud: com o frio, os dedos ficam brancos e, quando aquecem, arroxeados e vermelhos. Isto ocorre porque o lúpus é uma doença inflamatória ao nível dos vasos. Ao manifestar-se, o LES pode atingir qualquer órgão. No caso do lúpus discoide, são as tais lesões profundas na face que fazem suspeitar da existência da doença.

O tratamento para cada caso

O tratamento do LES depende das manifestações que o doente apresenta:

  • Manifestações leves (rash malar, artralgias e fadiga) tratam-se com antimaláricos:

Como estes se podem depositar a nível da retina, deve haver um controlo oftalmológico periódico.

  • Atividade moderada da doença (artrite, pleurite, pneumonite, pericardite):

Usam-se corticoides. A dose vai sendo reduzida gradualmente assim que a situação clínica começa a estabilizar. Nessa altura, podem associar-se os imunossupressores, que são apelidados de “poupadores de corticoides”.

  • Manifestações graves da doença (renais ou do sistema nervoso central, trombocitopénia ou anemia hemolítica):

Podem exigir tratamento em hospital de dia. Se não houver resposta aos fármacos convencionais, poder-se-á optar por terapêutica biológica.

Ler mais sobre

Doenças Autoimunes

Este artigo foi útil?

We appreciate the feedback.

Please include your email if you want us to follow up with you.

Especialidades em foco neste artigo

Colaboração

Dra. Ana Maria Ferreira

Medicina Interna
Hospital Lusíadas Lisboa, Clínica Lusíadas Parque das Nações
PT