Lusiadas.pt | Blog | Doenças | Sintomas e tratamentos | Síndrome das pernas inquietas: quais os sintomas e como tratar
3 min

Síndrome das pernas inquietas: quais os sintomas e como tratar

O problema é crónico e pode dificultar o sono dos pacientes.

Quem sofre da síndrome das pernas inquietas pode descrever vários tipos de sensações que nascem no interior destes membros: latejamento, dor, comichão e até uma sensação elétrica. Estes sintomas vão-se intensificando e só com o movimento é que se consegue sentir algum alívio.
 
A síndrome das pernas inquietas caracteriza-se “por sensações desconfortáveis nos membros inferiores, que ocorrem mais ao final do dia e à noite, sobretudo na cama”, explica Alexandre Mendes, neurologista no Hospital Lusíadas Porto e médico da Consulta de Doença do Parkinson e outras doenças do movimento. As sensações, refere o especialista, “surgem em repouso” e “forçam a pessoa a mover os membros inferiores para obter alívio”.
 

Problemas com o sono 

Apesar de parecer um problema relativamente inócuo, a síndrome das pernas inquietas pode criar dificuldades em adormecer, perturbando a qualidade do sono e do descanso. Em causa está o facto de estas sensações surgirem frequentemente com o avançar do dia e, sobretudo, da noite, quando se está em repouso ou a tentar dormir.
 
“Os sintomas podem ser intensos e impedir que a pessoa adormeça. Também é comum que os indivíduos que têm síndrome das pernas inquietas tenham movimentos periódicos do sono, o que poderá perturbar a qualidade deste período de descanso”, explica o neurologista.
 
Nos casos em que o fenómeno surge com frequência, mais de uma vez por semana, o efeito no bem-estar pode ser muito negativo. “Quem tem este problema pode ficar perturbado por não conseguir estar em repouso, sobretudo ao final do dia”, acrescenta Alexandre Mendes.

 
Uma doença crónica

A síndrome das pernas inquietas pode surgir em qualquer momento da vida e transforma-se num problema crónico. Apesar de haver pessoas que começam a sentir os sintomas ainda em idade infantil, a maioria só é diagnosticada após os 50 anos — convivendo, muitas vezes, com os sintomas durante um longo período de tempo.
 
Com o passar dos anos, a síndrome pode piorar. “É habitual que exista algum agravamento dos sintomas ao longo da vida”, diz o especialista.
 
Ainda não se sabe qual é a origem desta doença. “Há estudos que apontam para o sistema nervoso central, indicando o envolvimento da dopamina”, diz Alexandre Mendes, referindo-se a um neurotransmissor muito conhecido por estar envolvido noutras doenças do movimento.
 
No entanto, num terço a metade dos casos, a síndrome surge em pessoas da mesma família, o que significa que estamos perante uma doença hereditária, que pode passar de geração em geração. Os indivíduos com a síndrome das pernas inquietas hereditária parecem ter o início dos sintomas em idades mais jovens.
 
Ao mesmo tempo, há outras doenças que podem estar associadas à síndrome das pernas inquietas, como a neuropatia periférica (quando há lesão dos nervos nas extremidades dos membros), a diabetes, a anemia, o défice de ferro e a insuficiência renal. Por isso, “estas condições devem ser excluídas nas pessoas com a síndrome das pernas inquietas”, sublinha o neurologista.
 
É importante ainda saber distinguir esta síndrome de outra doença chamada movimento periódico dos membros durante o sono. Estes movimentos não ocorrem quando a pessoa está acordada e apenas a descansar, mas já durante o sono, tal como o nome sugere. É caracterizada por movimentos que “envolvem os membros inferiores” e “podem consistir na dorsiflexão dos dedos, extensão do tornozelo e flexão do joelho e da coxa”. São geralmente lentos e podem ser muito numerosos. “Estão frequentemente associados a despertares do indivíduo”, diz o médico, destacando o impacto que também esta condição tem na qualidade do sono.

Como combater a síndrome

Apesar de não haver um tratamento que cure a síndrome das pernas inquietas, o neurologista explica que em muitos casos é possível melhorar os sintomas. “O tratamento com fármacos é bastante eficaz na maioria dos doentes, fazendo desaparecer todo o incómodo que a síndrome pode causar”, assegura Alexandre Mendes.

Ler mais sobre

Doenças Neurológicas

Este artigo foi útil?

We appreciate the feedback.

Please include your email if you want us to follow up with you.

Especialidades em foco neste artigo

Colaboração

Dr. Alexandre Mendes

Neurologia
Hospital Lusíadas Porto
PT