Lusiadas.pt | Blog | Crianças | Idade escolar | Facto ou mito: pintar o cabelo evita ou mata os piolhos?
3 min

Facto ou mito: pintar o cabelo evita ou mata os piolhos?

Há vários métodos tradicionais que prometem acabar com os piolhos. Pintar o cabelo é um deles, mas será que funciona mesmo?

Os piolhos são ectoparasitas que convivem com o homem há dezenas de milhares de anos. A sua presença não está necessariamente ligada a questões de higiene pessoal ou higiene doméstica. Aparece muito em crianças que frequentam jardins-de-infância. De qualquer forma, a necessidade de se ver livre deste pequeno inseto de dois a três milímetros levou o homem a desenvolver métodos tradicionais para os matar. Muitas pessoas acreditam que pintar o cabelo é uma forma de resolver o problema dos piolhos e lêndeas.

Mas será verdade?

Antes de mais, é preciso compreender o ciclo de vida destes animais que habitam exclusivamente a cabeça dos humanos (os piolhos não habitam só no couro cabeludo). Os piolhos adultos vivem cerca de um mês e alimentam-se de sangue humano picando o couro cabeludo do hospedeiro. As fêmeas desta espécie (Pediculus humanus capitis) põem cinco a seis ovos todos os dias. Estes ovos são as famosas lêndeas.

As lêndeas ficam presas nos fios de cabelo, junto à pele. Ao fim de oito a nove dias os ovos eclodem e liberta-se de cada ovo uma pequena ninfa, que também se alimenta de sangue e vai crescendo, tornando-se adulta em menos de duas semanas. São as picadas dos piolhos que produzem comichão na cabeça. Só se põe fim a uma infestação de piolhos quando se matam ou se retiram do cabelo as três fases do ciclo de vida deste inseto: os ovos, as ninfas e os piolhos adultos. É preciso aplicar um produto farmacêutico, indicado pelo médico, para matar os piolhos. Alguns medicamentos matam os piolhos adultos e as ninfas mas não matam as lêndeas.

Nesses casos, é necessário usar um pente especial para os piolhos que se passa em todo o cabelo. Estes pentes têm os dentes muito juntos uns aos outros. Isto faz com que os piolhos e as lêndeas fiquem presos entre os dentes. Para ajudar este processo é preciso molhar o cabelo para que fique mais macio e deixe passar o pente facilmente.

Não está cientificamente provado que as tintas para o cabelo possam, quando aplicadas, matar os piolhos, as ninfas e as lêndeas. Além disso, estes insetos podem ficar pintados com a tinta e serem mais difíceis de se identificar. Mas será que ter o cabelo já pintado evita apanhar piolhos? Os piolhos não voam nem saltam. É necessário haver contacto entre a cabeça e os cabelos de uma pessoa infestada e a cabeça e o cabelo de outra pessoa sem o parasita para que o piolho trepe de uma cabeça para a outra. Também não está provado que ter o cabelo pintado evite alguém de apanhar piolhos. Existem casos clínicos publicados de pessoas com cabelos pintados que tinham piolhos.

E haverá outros métodos tradicionais que põem fim à infestação de piolhos e lêndeas?

Os estudos científicos não provam que os métodos tradicionais como o vinagre, o azeite, o álcool, a maionese, a manteiga derretida sejam eficazes 100% a matar todos os piolhos. As lêndeas são particularmente resistentes. Um estudo científico publicado em 2004 mostrou que a vaselina é o mais eficaz de todos os métodos tradicionais. Mesmo assim, 6% das lêndeas resistiram a este produto. Por isso, é indispensável usar sempre o pente especial para conseguir retirar todos os parasitas.

Que outros cuidados são necessários?

Os piolhos não sobrevivem mais de três dias longe do corpo humano e não passam para os animais de estimação como os cães e os gatos. Por isso, são pouco resistentes quando estão fora do hospedeiro. Ainda assim, é importante lavar a 60 graus as roupas, os lençóis e os chapéus que estiveram em contacto com alguém com piolhos para ter a certeza que morrem.

Ler mais sobre

Factos e Mitos

Este artigo foi útil?

We appreciate the feedback.

Please include your email if you want us to follow up with you.

Especialidades em foco neste artigo

Dra. Susana Vilaça

Coordenador da Unidade de Dermatologia

Dermatologia
Hospital Lusíadas Porto
PT