Lusiadas.pt | Blog | Crianças | Idade escolar | Há cáries nos dentes de leite
4 min

Há cáries nos dentes de leite

Os dentes de leite também podem ter cáries e pôr em risco a saúde oral na idade adulta. Vale a pena saber o que se pode fazer para prevenir e como se podem tratar os problemas que surgem.

Os dentes de leite são mais frágeis e mais sensíveis ao surgimento das cáries. É importante ter cuidado com eles mesmo antes de nascerem. Isso fará com que na idade adulta a manutenção seja mais fácil. O medo de ir ao dentista começa a ser agora mais um mito do que uma realidade.

As novas tecnologias, as anestesias e o cuidado precoce com os dentes facilitaram a tarefa, mas ainda é preciso passar essa informação aos mais novos e não usar a ida ao dentista como uma ameaça ou castigo. Explicar a necessidade é o melhor caminho. O médico José Carlos Pinto Correia, coordenador da Unidade de Estomatologia do Hospital Lusíadas Lisboa, explica tudo o que há a saber sobre cáries nos dentes de leite. A partir de agora não há desculpas.

Os dentes de leite, sobretudo os molares, são mais vulneráveis a cáries?

Os dentes de leite são semelhantes aos permanentes, mas apresentam algumas diferenças, tais como o número, a forma, o tamanho e a cor. Em acréscimo, o esmalte e a dentina são mais finos e menos mineralizados e, por isso, mais suscetíveis ao aparecimento da cárie dentária.

Os molares [sofrem mais], devido à sua forma irregular com sulcos e fissuras, que permite a acumulação de restos alimentares. Além disso, como se localizam mais atrás, têm a higiene dificultada.

Como surgem as cáries?

A cárie dentária é uma doença transmissível e infecciosa de origem bacteriana. As bactérias presentes na cavidade oral metabolizam os açúcares dos alimentos produzindo ácidos que desmineralizam a superfície dos dentes, levando à formação da cárie dentária.

Quais são os primeiros sintomas?

A cárie dentária é uma doença assintomática numa fase inicial. O primeiro sinal clínico é a presença de uma mancha esbranquiçada e opaca no esmalte dentário que pode progredir para a formação de uma cavidade.

O primeiro sintoma é a hipersensibilidade dentária, mas nem todos os pacientes se queixam do mesmo. A dor corresponde a um estado avançado da doença.

A partir de que idade devem as crianças visitar o dentista? E com que frequência?

A cárie dentária pode afetar os dentes dos mais pequenos, inclusive dos bebés. Por essa razão, recomendaria que a primeira consulta seja realizada logo a seguir à erupção dos primeiros dentes de leite – por volta de um ano de idade.

O aconselhamento precoce sobre os cuidados alimentares e a higiene oral dos bebés são fundamentais para a prevenção da cárie dentária. Para os mais crescidos, as consultas deverão ser periódicas, entre seis e doze meses de intervalo, consoante o risco de cárie das crianças.

A saúde oral dos pais determina a dos filhos?

Sim, na atualidade sabemos que a saúde oral das crianças está associada à dos pais. Portanto, é fundamental que os pais mantenham hábitos regulares de higiene oral e visitas periódicas ao dentista para que a família seja saudável. Além disso, é importante que a última escovagem do dia seja orientada pelos pais.

Dicas a passar aos pais para que os filhos não tenham medo do dentista.

Explicar aos mais pequenos a importância de cuidar dos dentes por um médico especialista no assunto contribui para diminuir a ansiedade das crianças. A companhia dos pais ou dos irmãos mais velhos durante uma visita ao dentista ou estomatologista permite aos mais pequenos perceber os procedimentos dentais durante uma consulta e favorece a colaboração aquando a sua vez.

A selagem dos dentes molares é aconselhada e evita mesmo as cáries? 

O selante é um material resinoso aplicado sobre a superfície dentária dos dentes recém erupcionados de forma a prevenir o aparecimento de cárie dentária. Normalmente, o uso dos selantes está recomendado aos primeiros molares permanentes devido à sua anatomia que favorece a acumulação dos alimentos.

Estes dentes surgem por volta dos seis anos de idade. Para o tratamento ser mais eficaz, os selantes devem ser avaliados em consultório periodicamente.

Quais os procedimentos dentários mais comuns nas crianças (até aos 16 anos)?

Os tratamentos dentários em crianças e jovens são semelhantes aos dos adultos, mas com as necessidades próprias desta população em constante crescimento e desenvolvimento.

Os procedimentos mais frequentes são a prevenção das cáries, instrução sobre hábitos de higiene oral, alimentação saudável e aplicação profissional de pensos, restauração de dentes, devido à presença de cáries e o tratamento de ortodontia para a correção de má oclusão.

Em crianças mais complicadas nos tratamentos defendemos o uso de um sedativo (por exemplo do grupo dos ansiolíticos) como forma de diminuir a ansiedade da criança e permitir comunicação. Em crianças difíceis, exigindo uma abordagem específica, aconselhamos a sedação. Todavia, a decisão final sobre a realização de tratamentos é dos pais e, se estes não estão de acordo, não há nada a fazer.

Ler mais sobre

Boca e Dentes

Este artigo foi útil?

We appreciate the feedback.

Please include your email if you want us to follow up with you.

Especialidades em foco neste artigo

Dr. José Carlos Pinto Correia

Coordenador da Unidade de Estomatologia

Estomatologia
Hospital Lusíadas Lisboa
PT