Lusiadas.pt | Blog | Crianças | Idade escolar | Hiperatividade: o que deve saber
5 min

Hiperatividade: o que deve saber

Qualquer criança é irrequieta, desatenta, nunca espera a sua vez para falar e assim que começa dificilmente se cala. Mas, quando isto a prejudica, podemos estar a falar de Perturbação de Hiperatividade e Défice de Atenção (PHDA). Nesse caso, é melhor procurar um especialista.

“Já falta pouco, tens de ter paciência e estar sossegado!” Mas é mais forte do que ele. Enquanto espera na fila para comprar os livros para a escola, João anda de trás para a frente e da frente para trás, incomodando os outros clientes e provocando uma irritação crescente na mãe, que o acompanha. Uma hora mais tarde, chegada a sua vez, a senhora pede os livros para o 6.º ano e aguarda que a funcionária os vá buscar ao armazém da loja. De repente, solta um grito e sai a correr. “João, João, onde é que te enfiaste?”, grita, já no exterior. Minutos depois regressa, visivelmente abalada, e a “arrastar” o jovem de 12 anos, impávido e sereno, por um braço. Perante o olhar de todos os presentes, sente necessidade de se desculpar: “Está sempre a fazer isto. É hiperativo! O que eu passo com este miúdo…

” Não fosse a afirmação da mãe, provavelmente o episódio não passaria de apenas uma criança a ser isso mesmo: criança. Quem tem filhos sabe que é complicado mantê-los muito tempo sossegados e quem não os tem decerto já presenciou cenas deste tipo. “O problema não está na irrequietude ou na atividade frenética em que as crianças vivem”, destaca o pediatra Ruben Rocha, do Hospital Lusíadas Porto.

“As crianças que ‘sofrem’ com essa hiperatividade é que são verdadeiramente hiperativas. Não basta a criança ‘andar a todo o vapor’ ou ser ‘muito distraída’, é necessário haver um comprometimento clínico significativo no seu funcionamento social e/ou académico.”

 

PHDA: défice de atenção

João parece encaixar nesse perfil. A mãe lamenta-se do preço dos livros enquanto confessa que o filho chumbou: “Ele é muito inteligente. Mas estar na sala de aula, quieto e concentrado, é muito difícil.” Bem tenta acompanhá-lo em casa, nos trabalhos de casa e com exercícios extra, mas o tempo é curto e vê-se que está desalentada – afinal, o seu esforço não foi recompensado.

A Perturbação de Hiperatividade e Défice de Atenção (PHDA) é geralmente diagnosticada na idade escolar, quando o seu impacto no rendimento do aluno se torna mais evidente. Estima-se que atinja 3% a 5% das crianças entre os 6 e os 12 anos. “É muito importante e primordial confirmar que existe, de facto, Défice de Atenção (DA). A distração pode ter que ver, por exemplo, com dificuldades auditivas e visuais”, salienta o neuropediatra José Vieira da Silva, do Hospital Lusíadas Lisboa.

A dificuldade do diagnóstico prende-se essencialmente com o facto de não poder assentar em análises laboratoriais ou estudos de imagem (como, por exemplo, ressonância magnética). “Baseia-se simplesmente em fazer um inventário de comportamentos e aptidões, em que os pais e os professores transmitem a sua impressão, e na avaliação por testes psicológicos – em que o desempenho da criança é comparado com um resultado médio na população”, explica José Vieira da Silva. E é neste ponto que o especialista alerta para cuidados redobrados: “Uma escola, um professor ou pais mais ‘exigentes’ põem necessariamente uma fasquia mais elevada e aumentam a probabilidade de diagnóstico de DA.” A linha que separa a normalidade desta patologia não é assim tão nítida. “É possível que a nossa sociedade seja mais competitiva e exigente em relação ao desempenho escolar e que possa existir uma mentalidade que propicia este diagnóstico”, alerta o especialista.

Tratamento da PHDA

Feito o diagnóstico é traçado um plano terapêutico individualizado que envolverá, obrigatoriamente, pais, educadores, familiares e amigos. O ideal será combinar medicamentos e psicoterapia. A opção do médico dependerá, em parte, da idade da criança, como explica Ruben Rocha: “Na idade pré-escolar dá-se preferência à terapia comportamental, enquanto na idade escolar a terapêutica medicamentosa assume um papel muito importante.

” A medicação tem como objetivo repor níveis de neurotransmissores (dopamina, noradrenalina) em determinadas áreas cerebrais, como por exemplo no córtex frontal, muito relacionadas com funções executivas e inibição de impulsos, que se sabem estar em défice nestas crianças. A sua eficácia e segurança estão largamente comprovadas em mais de 60 anos de utilização regular e continuada em todo o Mundo. A dose terapêutica deverá ir aumentando gradualmente até se obter o máximo de resultados com o mínimo de efeitos secundários. De salientar que o paciente poderá interromper o tratamento em qualquer altura, sem ser necessário qualquer tipo de “desmame”. Nenhum dos medicamentos psicostimulantes utilizados no tratamento da PHDA tem efeito a longo prazo. A sua ação é limitada ao intervalo de tempo em que permanecem concentrados no organismo.

No caso da terapia comportamental, o objetivo é modular o ambiente social e físico da criança, de modo a modificar o seu comportamento. Esta abordagem terá sempre de passar por uma intervenção direta junto da criança e, posteriormente, junto da família e da escola.

A importância do diagnóstico

O diagnóstico precoce aliado a um plano de tratamento eficaz restituirá à criança a possibilidade de utilizar plenamente as suas capacidades, reduzindo o risco de aparecimento de outras perturbações – como ansiedade, depressão e comportamentos desviantes, nomeadamente de consumo de drogas e álcool. O que, consequentemente, resultará num adulto que conhece as suas limitações e que aprendeu a lidar com estas, através de estratégias próprias e de uma rede de suporte que inclui todos os que lhe são próximos. Pois, como recorda o pediatra Ruben Rocha, a PHDA é uma doença crónica: “A hiperatividade e a impulsividade tendem a diminuir com o crescimento da criança, mas muitos casos continuam a preencher os critérios de diagnóstico na adolescência e idade adulta.”

Quais os sinais de alerta?

As atitudes seguintes são aquelas a que devemos estar atentos, mas que por si só não possuem capacidade diagnóstica.

Défice de Atenção

  • Deixar frequentemente de prestar atenção a pormenores.
  • Cometer erros por descuido em atividades escolares.
  • Ter dificuldade em manter a atenção em atividades lúdicas.
  • Não seguir instruções.
  • Não terminar as tarefas – em casa ou na escola.
  • Perder com frequência coisas necessárias para as suas atividades.

Hiperatividade e Impulsividade

  • Agitar frequentemente as mãos e pés ou remexer-se na cadeira.
  • Levantar-se da cadeira em situações em que deveria estar sentado.
  • Correr em demasia em situações nas quais é inapropriado.
  • Falar normalmente em demasia.
  • Dar respostas precipitadas antes de as perguntas terem sido feitas
  • Ter dificuldade em aguardar a sua vez.
  • Interromper as conversas dos outros.

  Leia o artigo na íntegra na revista Lusíadas.

Ler mais sobre

Criança

Este artigo foi útil?

We appreciate the feedback.

Please include your email if you want us to follow up with you.

Especialidades em foco neste artigo

Revisão Científica

Dr. Ruben Rocha

Pediatria
Hospital Lusíadas Porto
PT