Lusiadas.pt | Blog | Doenças | Pneumonia: principais sintomas e como tratar
3 min

Pneumonia: principais sintomas e como tratar

Todos os anos surgem 150.000 novos casos de pneumonia em Portugal. Eduarda Pestana, pneumologista do Hospital Lusíadas Lisboa e da Clínica Lusíadas Parque das Nações, explica como estar atento à doença que afeta sobretudo idosos e portadores de doenças crónicas.

Em Portugal, a pneumonia é responsável por 40.000 internamentos todos os anos. Um número que reforça a necessidade de estar atento aos sintomas e ao tratamento adequado. Eduarda Pestana, pneumologista do Hospital Lusíadas Lisboa e da Clínica Lusíadas Parque das Nações, faz o enquadramento da doença e ajuda a reconhecer os sintomas da infeção.

O que é

A pneumonia é uma doença que consiste numa inflamação aguda do tecido pulmonar, caracterizada pela proliferação de microrganismos ao nível alveolar. A doença pode ser contraída no dia a dia, mas está, também, associada a ambientes de cuidados de saúde, ocorrendo, por vezes, em hospitais.

Sintomas

Por vezes não surgem logo no início e são comuns a outras doenças do aparelho respiratório. Os sintomas aparecem, geralmente, de forma rápida e podem ou não manifestar-se todos ao mesmo tempo. Nos idosos, a pneumonia apresenta-se, frequentemente, sem sintomas específicos e sem febre. No entanto, o diagnóstico da doença deve ser colocado perante uma história clínica de:

  • Febre, muitas vezes elevada;
  • Calafrios;
  • Tosse com ou sem expetoração;
  • Dor torácica;
  • Dificuldade respiratória.

Podem ainda surgir outros sintomas não respiratórios, como:

  • Dor de cabeça;
  • Náuseas;
  • Vómitos;
  • Dor abdominal;
  • Diarreia;
  • Dores nos músculos e articulações.

Complicações

A ocorrência de complicações, bem como a gravidade da pneumonia, dependem da saúde global do indivíduo, da idade, do tipo e da extensão da pneumonia. As pessoas jovens e saudáveis geralmente são tratadas com sucesso. Já os idosos, fumadores, portadores de doença cardíaca (insuficiência cardíaca) ou pulmonar (DPOC /enfisema) podem ser mais difíceis de tratar. As principais complicações relacionadas com a pneumonia são:

Bacteriemia

Invasão da corrente sanguínea pelas bactérias causadoras da pneumonia, que podem disseminar-se rapidamente para outros órgãos e causar outras infeções;

Derrame pleural

Traduz-se pela existência de líquido ou mesmo pus (empiema) na cavidade pleural devido a infeção por contiguidade a partir dos pulmões;

Abscesso pulmonar

Por vezes a pneumonia pode abceder, formando uma cavidade dentro do pulmão;

Insuficiência respiratória

Acontece em pneumonias muito extensas com necessidade de ventilação mecânica e cuidados intensivos.

Diagnóstico

A pneumonia é uma doença aguda, que pode ter evolução imprevisível e que requer tratamento imediato. Quando a doença for transmitida fora do hospital, deve dirigir-se ao seu médico de família, médico assistente, ou a um serviço de atendimento urgente. É necessária uma avaliação inicial para determinar a escolha do local de tratamento que, na maioria dos casos (80%) será feito em ambulatório. Se houver problemas subjacentes, doenças crónicas, ou se a evolução da pneumonia não decorrer de modo favorável nas primeiras 48 a 72 horas, pode ser necessário o internamento.

Tratamento da pneumonia

Depende do tipo de microrganismo causador da infeção, da gravidade dos sintomas, da presença de outras doenças associadas, local de contaminação (comunidade ou hospital) e do grau de comprometimento dos pulmões.

As pneumonias mais frequentes são as bacterianas, por isso o seu tratamento tem por base o uso de antibióticos. Logo que se esclareçam as causas, a terapêutica deve reajustar-se utilizando o antibiótico mais eficaz.

Quando o agente causador da infeção não é identificado, o reajuste ou alteração terapêutica faz-se pelo evoluir da situação clínica. Após o início do tratamento, espera-se uma melhoria dos sintomas no espaço de 48 a 72 horas. Caso essa melhoria não ocorra, ou haja agravamento dos sintomas, o doente deverá ser reavaliado pelo médico.

Quanto mais rápido se iniciar o tratamento, melhores serão os resultados. Além disso, devem seguir-se as orientações médicas e completar o tempo previsto de toma do antibiótico. Desse modo, evita-se uma recidiva da pneumonia ou a resistência aos antibióticos utilizados.

Grupos de risco

  • Pessoas acima dos 65 anos;
  • Crianças muito novas;
  • Portadores de doença crónica como diabetes, neoplasia, doença pulmonar obstrutiva crónica, doença cardiovascular, doença neurológica, insuficiência renal ou hepática;
  • Fumadores e pessoas com dependência de álcool e drogas;
  • Pessoas que residem em lares ou casas de repouso e os doentes com internamento hospitalar prévio.

Prevenção

1. Vacinação

A principal medida preventiva é a vacinação pneumocócica e gripal, dado que uma gripe pode levar ao desenvolvimento de uma pneumonia. A medida deve ser adotada por:

  • Maiores de 65 anos;
  • Pessoas que tenham algum tipo de fator de risco para adquirir pneumonia como:
  • Doença crónica;
  • VIH (Sida);
  • Doença que afete o sistema imunitário.

2. Hábitos de vida saudáveis

Ajudam a aumentar as defesas do organismo, fortalecendo o sistema imunitário e prevenindo as infeções.

Ler mais sobre

Pulmões

Este artigo foi útil?

We appreciate the feedback.

Please include your email if you want us to follow up with you.

Especialidades em foco neste artigo

Dra. Eduarda Pestana

Pneumologia
Hospital Lusíadas Lisboa, Clínica Lusíadas Parque das Nações
PT