Lusiadas.pt | Blog | Doenças | Sintomas e tratamentos | Vacina da gripe: tudo o que deve saber para evitar a gripe
5 min

Vacina da gripe: tudo o que deve saber para evitar a gripe

A gripe é contagiosa e pode causar complicações graves na saúde de quem a contrai. Veja as recomendações específicas para a época 2020/2021.

Por que devemos tomar a vacina da gripe?

A gripe é uma doença aguda provocada por um vírus, que afeta predominantemente as vias respiratórias. É contagiosa, e transmite-se através de partículas de saliva ou contacto direto (por exemplo, através das mãos) de uma pessoa infetada.

Quem deve tomar a vacina da gripe?

A vacinação contra a gripe é fortemente recomendada para os seguintes grupos prioritários, segundo a Direção-Geral da Saúde, nas suas recomendações atualizadas para a época 2020/2021:

  • Pessoas com idade igual ou superior a 65 anos;
  • Doentes crónicos e imunodeprimidos (a partir dos 6 meses de idade, incluindo mulheres a amamentar);
  • Grávidas para proteção de evolução grave da gripe durante a gravidez e para proteção dos filhos durante os primeiros meses de vida;
  • Profissionais de saúde e outros prestadores de cuidados (por exemplo, em lares de idosos);
  • Pessoas incluídas em certos contextos (3.A.).

Recomenda-se também a vacinação às pessoas com idade compreendida entre os 60 e os 64 anos.

Grupos abrangidos pela vacinação gratuita na época 2020/2021

1. Pessoas com idade igual ou superior a 65 anos; 2. Grávidas; 3.A. Pessoas, com mais de 6 meses de idade, nos seguintes contextos:

    • Residentes em instituições, incluindo Estruturas Residenciais para Pessoas Idosas, Lares de Apoio, Lares Residenciais e Centros de Acolhimento Temporário;
    • Utentes de Serviço de Apoio Domiciliário;
    • Doentes na Rede Nacional de Cuidados Continuados Integrados;
    • Pessoas apoiadas no domicílio pelos Serviços de Apoio Domiciliário, com acordo de cooperação com a Segurança Social ou Misericórdias Portuguesas;
    • Doentes apoiados no domicílio pelas equipas de enfermagem das unidades funcionais prestadoras de cuidados de saúde ou com apoio domiciliário dos hospitais do SNS;
    • Doentes internados em unidades de saúde do Serviço Nacional de Saúde, que apresentem patologias crónicas e condições para as quais se recomenda a vacina (ver mais aqui). Os doentes poderão ser vacinados durante o internamento ou à data da alta;
    • Reclusos nos estabelecimentos prisionais.

3.B. Pessoas, com mais de 6 meses de idade, com as seguintes patologias crónicas ou condições: * Com declaração médica referindo explicitamente a sua inclusão num destes grupos de risco.

      • Diabetes Mellitus;
      • Terapêutica de substituição renal crónica (diálise);
      • Trissomia 21;
      • Submetidas a transplante de células precursoras hematopoiéticas ou de órgãos sólidos;
      • A aguardar transplante de células precursoras hematopoiéticas ou de órgãos sólidos*;
      • Fibrose quística*;
      • Défice de alfa-1 antitripsina sob terapêutica de substituição*;
      • Patologia do interstício pulmonar sob terapêutica imunosupressora*;
      • Doença neuromuscular com comprometimento da função respiratória, da eliminação de secreções ou com risco aumentado de aspiração de secreções*;
      • Doença Pulmonar Obstrutiva Crónica*
      • Imunodepressão *
        • Primária;
        • Secundária a doença;
        • Secundária a terapêutica.

4. Saúde Ocupacional:

  • Profissionais do Serviço Nacional de Saúde (SNS), incluindo estudantes em estágios clínicos;
  • Profissionais dos estabelecimentos referidos em 3.A.;
  • Bombeiros com contacto direto com as pessoas pertencentes aos grupos prioritários;
  • Profissionais dos Estabelecimentos Prisionais.
        •  

Patologias crónicas e condições para as quais se recomenda a vacinação

Recomendações da DGS.

Patologia respiratória

  • Exemplos:
    • Asma sob terapêutica com corticoides inalados ou sistémicos;
    • Doença pulmonar obstrutiva crónica (bronquite crónica, enfisema pulmonar), fibrose quística, fibrose pulmonar intersticial, pneumoconioses, displasia broncopulmonar.

Patologia cardiovascular

  • Exemplos:
    • Cardiopatia congénita;
    • Cardiopatia hipertensiva;
    • Insuficiência cardíaca crónica;
    • Cardiopatia isquémica.

Patologia renal

  • Exemplos:
    • Insuficiência renal crónica;
    • Síndroma nefrótica.

Patologia hepática

  • Exemplos:
    • Cirrose;
    • Atresia biliar;
    • Hepatite crónica.

Patologia neuromuscular

  • Exemplos:
    • Com comprometimento da função respiratória, da eliminação de secreções ou risco aumentado de aspiração de secreções.

Patologia hematológica

  • Exemplos:
    • Hemoglobinopatias.

Imunosupressão

  • Exemplos:
    • Primária;
    • Secundária a doença:
      • Infeção por VIH;
      • Asplenia ou disfunção esplénica.
    • Secundária a terapêutica:
      • Quimioterapia imunossupressora (antineoplásica ou pós-transplante);
      • Terapêutica com fármacos biológicos ou DMARDS (Disease Modifying AntiRheumathic Drugs);
      • Tratamento atual ou programado com corticoides sistémicos por mais de 1 mês com:
        • Dose equivalente a ≥ 20 mg de prednisolona/dia (qualquer idade);
        • ≥2mg/kg/dia para crianças com <20kg.

Doenças metabólicas

  • Exemplos:
    • Doenças hereditárias do metabolismo.

Diabetes mellitus

  • Exemplos:
    • Tipo 1;
    • Tipo 2 em tratamento com antidiabéticos não insulínicos ou insulina.

Doenças genéticas

  • Exemplos:
    • Trissomia 21;
    • Défice de alfa-1 antitripsina sob terapêutica de substituição.

Obesidade

  • Exemplos:
    • Índice de Massa Corporal (IMC) ≥30.

Transplantação

  • Exemplos:
    • Órgãos sólidos ou medula óssea. Inclui pessoas submetidas a transplante e a aguardar transplante.

Terapêutica com salicilatos

  • Exemplos:
    • Crianças e adolescentes (6 meses a 18 anos) em terapêutica prolongada com salicilatos (risco de desenvolver a síndroma de Reye, após a infeção por vírus da gripe).

Quando tomar a vacina?

"Em 2020, em contexto de pandemia de COVID-19, foram tomadas medidas excecionais e específicas no âmbito da vacinação gratuita contra a gripe, nomeadamente o início mais precoce em relação aos anos anteriores, a vacinação faseada e a inclusão na gratuitidade dos profissionais que trabalham em contextos com maior risco de ocorrência de surtos e/ou de maior susceptibilidade e vulnerabilidade", esclarece a DGS.

1ª fase da vacinação gratuita

Tem início a 28 de Setembro e destina-se à vacinação em determinados contextos, incluindo residentes, utentes e profissionais de estabelecimentos de respostas sociais, doentes e profissionais da rede de cuidados continuados integrados, profissionais do SNS e às grávidas.

2ª fase da vacinação gratuita

Tem início previsto a 19 de outubro e integrará os outros grupos alvo abrangidos pela vacinação gratuita, incluindo os cidadãos com idade igual ou superior a 65 anos. A vacina deve ser administrada durante o outono/inverno, de preferência até ao fim do ano civil.

Transmissão e sintomas da gripe

  • A transmissão pode dar-se 2 dias antes dos sintomas surgirem ou até 7 dias depois;
  • Os sintomas mais frequentes são mal-estar, dores musculares e febre alta;
  • Numa pessoa saudável dura entre 3 a 4 dias e demora cerca de 2 semanas até que se dê a recuperação total;
  • Em pessoas idosas ou doentes crónicos este período pode estender-se e provocar complicações, nomeadamente pneumonia e descompensação de doenças já existentes (asma, diabetes, doença cardíaca ou renal).

Como prevenir a gripe

  • Higiene

Lavagem adequada e frequente das mãos. Deverá ser feita sempre que espirre, se assoe ou se tiver contacto direto com pessoas infetadas.

  • Vacinação

A vacina da gripe pode ser adquirida nas farmácias, mas a sua administração deverá ser realizada em meio diferenciado, humano e técnico, pois a sua administração não é inócua a complicações (embora raras). No grupo Lusíadas a segurança do cliente é uma das principais preocupações, pelo que todos os elementos da equipa de Enfermagem responsáveis pela administração de vacinas estão certificados para vacinar de forma segura e sem riscos.

Atendimento Urgente: a confiança de estar em mãos Lusíadas

Com o aproximar do inverno e da época da gripe sazonal, recorra com confiança ao Atendimento Urgente ou às consultas sem marcação das Unidades Lusíadas.

Higienização reforçada, circuitos novos para separar doentes com sintomas suspeitos de COVID-19 dos restantes e equipamentos de proteção individual.

Os protocolos de segurança das Unidades Lusíadas já eram exigentes antes da pandemia. E agora foram reforçados. Para segurança de todos.

Ler mais sobre

Vacinação

Este artigo foi útil?

We appreciate the feedback.

Please include your email if you want us to follow up with you.

PT