Lusiadas.pt | Blog | Doenças | Sintomas e tratamentos | Fratura do colo do fémur: o que é e qual o tratamento
5 min

Fratura do colo do fémur: o que é e qual o tratamento

Na pessoa idosa, é frequente uma queda provocar a fratura do colo do fémur. Este acidente pode ter um prognóstico negativo se a fratura não for tratada rapidamente. Por isso, o Hospital Lusíadas Lisboa desenvolveu a Via Verde Colo do Fémur.

O processo de envelhecimento do corpo humano predispõe as pessoas mais idosas ao aparecimento de várias patologias. É nesse contexto que surge a fratura do colo do fémur, um acidente frequente em pessoas de idade avançada (média de 80 anos) e que tem elevados índices de mortalidade e de morbilidade associados. Tal deve-se não apenas à fratura, mas também às consequências que esta tem na vida destas pessoas que, muitas vezes, se encontram já debilitadas.

Entre os fatores de risco que aumentam a probabilidade de morte na sequência de uma fatura do colo do fémur, o mais importante e passível de ser modificado é o tempo que decorre entre a fratura e a cirurgia, o tratamento preferencial nestes casos. Quanto mais tempo a pessoa demorar a ser operada maior a probabilidade de morte.

Foi para dar resposta a estes doentes num aspeto considerado fulcral para a sua recuperação e qualidade de vida que o Hospital Lusíadas Lisboa desenvolveu a Via Verde Colo do Fémur: “Este projeto permite a realização das cirurgias no prazo máximo de 48 horas, tendo como vantagens a otimização da recuperação funcional e da qualidade de vida e a redução, muito significativa, da mobilidade e mortalidade perioperatórias”, explica o ortopedista António Sêco, responsável pelo Centro Multidisciplinar de Ortogeriatria do Hospital Lusíadas Lisboa.

O que é a fratura do colo do fémur?

O fémur é o osso que constitui o esqueleto da coxa, sendo o mais longo e resistente do corpo humano. 

Fratura do colo do fémur
Fratura do colo do fémur
Colo do fémur
Colo do fémur

O colo do fémur situa-se na região proximal do osso, fazendo parte da articulação da anca, junto à bacia. A região da extremidade proximal do fémur inclui a cabeça do fémur, que se parece com uma bola, o colo do fémur, que é uma parte mais estreita e faz lembrar o pescoço, e os trocânter maior e menor, que são tuberosidades.

São consideradas fraturas do colo do fémur todas aquelas que sejam respeitantes ao segmento ósseo demarcado pela cabeça do fémur e a região pertrocantérica (ou seja, entre o pequeno e o grande trocânter).

 

Fatores de risco e causas

A fratura do colo do fémur ocorre na maioria das vezes na população com mais de 65 anos, havendo um pico médio de incidência nos 80 anos. O sexo feminino é mais atingido do que o masculino, numa relação de 3 mulheres para cada homem.

Neste grupo etário, as fraturas acontecem na sequência de um traumatismo mínimo ou moderado sobre um osso enfraquecido devido à osteoporose, sendo que na maioria das vezes são consequência de uma queda da própria altura (em que a pessoa cai no próprio nível em que se encontra). 

As quedas são muito comuns nestas faixas etárias. Com o envelhecimento, muitas das funções que controlam a marcha passam a apresentar algum grau de declínio e a toma de medicamentos que provocam sonolência ou tonturas, ou a presença de doenças que causem sintomas como estes, favorecem a ocorrência de quedas. Já nas mulheres, a menopausa abre caminho à osteoporose, deixando os ossos mais frágeis e, logo, mais propensos às fraturas.

Além das quedas, em alguns casos, quando o osso é muito frágil, a fratura do colo do fémur pode também acontecer devido a uma torção durante uma caminhada ou até espontaneamente. 

Sintomas da fratura do colo do fémur

O sintoma mais frequente e relevante é a dor na anca, que pode ser bem definida e localizada à anca (virilha ou região glútea e lateral da coxa) ou difusa e irradiada à bacia ou coxa do lado afetado. 

A imobilização e incapacidade em realizar marcha são também sintomas muito importantes. 

Com frequência verifica-se uma deformidade do membro afetado, com encurtamento significativo e rotação com assimetria comparando com outro membro. 

Tratamento e prognóstico

Em regra, os doentes com fratura do colo do fémur devem ser submetidos a cirurgia urgente. Os resultados de vários estudos sugerem que o tratamento cirúrgico precoce (dentro das primeiras 24 a 48 horas) está associado a uma redução da mortalidade destes doentes no primeiro ano.

Excecionalmente, se os doentes não forem considerados aptos na avaliação de urgência, a cirurgia pode ser diferida (>48h).

Em situações muito raras pode optar-se por um tratamento conservador, aplicável nos casos em que exista contraindicação por patologia médica muito grave. 

O principal objetivo do tratamento destas fraturas é o rápido retorno do doente ao seu nível de funcionalidade anterior, uma vez que numa idade avançada a falta de movimento acelera o enfraquecimento dos músculos e piora a saúde geral da pessoa. Assim, quanto mais tempo o doente passar sem tratamento, maior dificuldade terá em restabelecer a mobilidade e viver uma vida autónoma. 

Cirurgia

As soluções cirúrgicas são diferentes dependendo do tipo de fratura do colo do fémur. Podem passar por alinhamento da fratura e fixação (osteossíntese) com cavilhas, placas e parafusos ou a colocação de próteses da anca (parciais ou totais). 
Independentemente da técnica utilizada, o objetivo primário é permitir a redução / tratamento da dor e garantir a estabilidade da anca permitindo o levante do doente e o início de marcha imediatamente após a cirurgia, sem restrições de carga (colocação de todo o peso do corpo) no membro operado. 

Como objetivo secundário, temos o retomar da marcha com ou sem auxiliares e como objetivo terciário o retomar do nível de função e da independência prévias à fratura.

Via Verde Colo do Fémur

Para acelerar o tratamento da fratura do colo do fémur, o Hospital Lusíadas Lisboa estabeleceu um protocolo chamado Via Verde Colo do Fémur, que sinaliza rapidamente os doentes com este traumatismo. 

A Via Verde começa a atuar logo que se identifique um doente que apresente sinais de fratura do colo do fémur, tais como a ocorrência de queda com trauma dos membros inferiores, anca ou bacia e impossibilidade de andar. Se existir uma suspeita de fratura, as equipas — seja no Atendimento Urgente, consulta externa ou Internamento — estarão prontas a acionar uma série de procedimentos internos que aceleram o percurso entre a triagem e o tratamento, por norma, cirúrgico. 

A Via Verde Colo do Fémur permite assim fazer-se um diagnóstico e tratamento célere da fratura do colo do fémur (idealmente até 48 horas após a fratura). 

As especialidades envolvidas neste processo assistencial são a Ortopedia, Medicina Interna-Geriatria, Anestesiologia e Medicina Física e Reabilitação. No entanto, todos os outros elementos envolvidos no cuidado e circuito hospitalares são parte integrante e essencial do processo, como enfermeiros, fisioterapeutas, auxiliares, técnicos de exames complementares de diagnóstico, farmácia hospitalar, administrativos.

Centro de Ortogeriatria 

A Via Verde Colo do Fémur foi o projeto inicial do Centro de Ortogeriatria do Hospital Lusíadas Lisboa que tem como objetivo principal a abordagem do doente idoso, com múltiplas patologias e polimedicado, no contexto perioperatório. 

Pretende-se a identificação precoce de possíveis problemas e complicações, a estabilização, controlo e otimização perioperatórias das comorbilidades existentes, com o objetivo de diminuir a morbilidade e mortalidade cirúrgicas. 

Destina-se aos doentes mais idosos e frágeis, com multimorbilidade e síndromes geriátricos que estão mais predispostos a complicações perioperatórias, médicas e cirúrgicas, com impacto negativo no seu prognóstico.

Em termos tecnológicos salienta-se, essencialmente, o material cirúrgico ortopédico e de anestesia de última geração que permite a realização de cirurgias rápidas e seguras, respeitando as indicações nacionais e internacionais mais recentes.

Ler mais sobre

Idosos

Este artigo foi útil?

We appreciate the feedback.

Please include your email if you want us to follow up with you.

Revisão Científica

Dr. António Sousa Sêco

Ortopedia e Traumatologia
Hospital Lusíadas Lisboa
PT