Lusiadas.pt | Blog | Doenças | Sintomas e tratamentos | Medo da cirurgia: como ultrapassar
2 min

Medo da cirurgia: como ultrapassar

A ansiedade que envolve a submissão a uma intervenção cirúrgica pode ser avassaladora para muitas pessoas. À equipa clínica cabe tranquilizar o doente e fornecer-lhe todos os esclarecimentos necessários.

A ansiedade que envolve a submissão a uma cirurgia pode ser avassaladora para muitas pessoas. À equipa clínica cabe tranquilizar o doente e fornecer-lhe todos os esclarecimentos necessários para que não tenha medo da cirurgia.

Explicar ao doente, de forma acessível, em que consiste a cirurgia e quais os seus benefícios é fundamental para reduzir o nível de ansiedade do paciente nas horas e dias que antecedem este procedimento.

Muitos doentes acabam por manifestar o seu desconforto perante a ideia de se submeterem a uma intervenção cirúrgica e as eventuais conversas prévias mantidas com o cirurgião e até com o anestesista poderão acabar por quebrar alguns mitos e preconceitos. Aliás, a segurança com que o cirurgião esclarece as dúvidas e presta as informações acaba por ser diretamente proporcional à confiança adquirida pelo doente.

O médico deve manifestar total disponibilidade para ouvir todas as dúvidas e receios do doente, sem tabus, pois só assim conseguirá preparar a resposta mais adequada às verdadeiras questões que provocam a ansiedade do doente. Construir uma relação de confiança e de cumplicidade entre médico e doente é, por isso, crucial.

Causas para a ansiedade face à cirurgia

Os estudos feitos em Portugal sobre o medo das cirurgias permitem identificar duas causas típicas para a ansiedade que envolve a proximidade de uma intervenção cirúrgica. A primeira diz respeito à cirurgia em si, desencadeando receios quanto ao seu grau de eficácia, quanto ao sofrimento previsto para o pós-operatório e também quanto às eventuais reações pós-anestesia.

Depois, há causas mais relacionadas com a especificidade da cirurgia, despertando medos concretos sobre a área a intervencionar. É o caso das cirurgias à coluna, aos membros inferiores, aos olhos ou ao aparelho reprodutor.

Num dos momentos-chave do processo – o momento da cirurgia propriamente dita – aumenta geralmente a ansiedade no bloco operatório, que geralmente não constitui um espaço de grande conforto para o doente.

Falar com o doente nesta altura, antes da indução anestésica, poderá ter um efeito muito tranquilizador para quem aguarda por um procedimento tão invasivo.

Ler mais sobre

Cirurgia

Este artigo foi útil?

We appreciate the feedback.

Please include your email if you want us to follow up with you.

PT