Lusiadas.pt | Blog | Doenças | Sintomas e tratamentos | Otite do nadador: inimiga das férias de verão
3 min

Otite do nadador: inimiga das férias de verão

Em férias, apetece relaxar à beira mar ou nas águas frescas de uma piscina. Mas é preciso ter atenção à otite do nadador, muito comum nesta época do ano.

É do senso comum que, para melhor combatermos um atacante, a melhor arma é a defesa. Conhecer as causas da otite do nadador ou otite externa e a sua sintomatologia é a melhor forma de se prevenir e assegurar que o tempo passado em férias é bem aproveitado.

António Sousa Vieira, coordenador da Unidade de Otorrinolaringologia do Hospital Lusíadas Porto, ajuda-nos a perceber, prevenir e tratar esta infeção. Até porque "a otite externa é típica do verão por causa do contacto com a água de forma mais intensa e frequente. É a chamada otite do nadador e, normalmente, estraga as férias".

O que é a otite externa ou otite do nadador?

Trata-se de uma inflamação do ouvido externo, que é constituído pelo pavilhão auricular (a orelha) e pelo canal auditivo externo. Na maioria das vezes tem origem infecciosa ou fúngica.

As bactérias que a provocam são sobretudo o Staphylococcus aureus – bactéria que existe na nossa pele e fossas nasais, mas que pode causar infeções – e Pseudomonas aeruginosas – que se desenvolve em ambientes húmidos.

Sintomas

  • Dor ou sensação do ouvido a latejar;
  • Febre;
  • Antecedentes de constipação, com presença de secreções no nariz e garganta;
  • Prurido (comichão);
  • Diminuição da audição por bloqueio do canal (raramente).

Causas

Há doenças de pele prévias (como psoríase ou seborreia), que provocam o comprometimento da barreira de defesa da pele, mas é o macerar da pele provocado pela água, que torna esta superfície um meio ideal para o desenvolvimento das bactérias.

"É claro que coçar o ouvido com a unha (que é também um veículo de entrada de bactérias), com a caneta ou a agulha de crochet, são práticas muito pouco aconselháveis e que provocam, frequentemente, esta inflamação", explica António Sousa Vieira, otorrinolaringologista do Hospital Lusíadas Porto.

O especialista lembra ainda que as dermatites que pioram com a aplicação de lacas ou de corantes do cabelo podem igualmente provocar infeções.

Prevenção

1ª Manobra de prevenção: não tocar

  • Não fazer remoção de cerúmen (a chamada cera de ouvido), a não ser que sintamos obstrução, pois este tem um efeito protetor. Nesse caso, é aconselhável consultar um especialista para fazer uma limpeza;
  • Evitar o uso de cotonetes, limpar apenas com a toalha;
  • Não coçar o ouvido: se sentir prurido (comichão) consultar o médico.

2ª Manobra de prevenção: os tampões

"O uso de tampões é discutível", adianta o especialista: "Se estiverem adaptados e feitos à medida, podem ser benéficos, caso contrário, criam uma falsa segurança."

3ª Manobra de prevenção: evitar entrada de água

No caso de otites externas de repetição, é necessário arranjar soluções que vão repelir a água, como 2-3 gotas de óleo de amêndoas doces ou vaselina antes de ir para o banho.

Riscos acrescidos

  • Quem tem dermatites crónicas, eczemas ou psoríase, com comichão associada, tem um risco acrescido de ter otites no verão. É indispensável consultar um especialista para evitar mais complicações;
  • Evite passar muito tempo na água, sobretudo nas piscinas. Os pais deverão controlar o tempo de permanência das crianças.

Tratamentos

Os tratamentos são, na maioria das vezes, de aplicação tópica: gotas ou acidificantes da pele. No entanto, se existirem infeções, poderá ser necessário usar anti-inflamatório, antibióticos ou anti-fúngicos. A consulta de um especialista é determinante para um diagnóstico acertado e tratamento adequado.

Ler mais sobre

Ouvidos

Este artigo foi útil?

We appreciate the feedback.

Please include your email if you want us to follow up with you.

Colaboração

Dr. António Sousa Vieira

Coordenador da Unidade de Otorrinolaringologia

Otorrinolaringologia
Hospital Lusíadas Porto
PT