2 min

O que é o tártaro nos dentes?

Colaboraçao
Podendo resultar em patologias como a gengivite e a periodontite, o tártaro pode ser prevenido através da adoção de bons hábitos de higiene oral e de visitas regulares ao higienista oral ou ao médico dentista.

O tártaro, também conhecido por cálculo dentário, é um depósito duro, de cor amarela ou castanha, que resulta da acumulação e calcificação da placa bacteriana. Instala-se na linha entre o dente e a gengiva, podendo também formar-se sob a gengiva, irritando os tecidos gengivais. 
Forma-se quando a placa bacteriana — uma película pegajosa, fina e incolor composta por bactérias, saliva e restos alimentares, que adere à superfície dos dentes — não é corretamente removida através de hábitos eficazes de higiene oral. 

As consequências do tártaro

Além de se tratar de um problema estético, por ser mais poroso e reter a pigmentação com maior facilidade, o tártaro tem consequências para a saúde dos dentes e gengivas. 
“O tártaro pode causar múltiplos problemas, como mau hálito e patologias orais como a gengivite e a periodontite, que se traduzem no sangramento e inflamação dos tecidos gengivais e até na perda dos tecidos que suportam os dentes”, conforme explica Raquel Lopes, especialista em Higiene Oral na Lusíadas Dental Amoreiras.

Sinais do tártaro

Contrariamente à placa bacteriana, que não tem cor, o tártaro é visível acima da linha das gengivas. Por isso, o sinal mais evidente de tártaro nos dentes é “a presença de uma coloração amarelada ou acastanhada na zona dos dentes e gengivas”. Ainda assim, a forma mais indicada para detetá-lo com certeza e removê-lo será através de uma visita ao higienista oral ou ao médico dentista.

Como é que se pode prevenir

Apesar de todos os problemas que pode causar, a formação de tártaro pode ser prevenida ou limitada, adotando “corretos hábitos de higiene oral diária, recorrendo a uma boa técnica de escovagem e de limpeza interdentária, seja através do uso de fio dentário e/ou de escovilhão,” com vista a reduzir a acumulação de placa bacteriana e, consequentemente, de tártaro.
Na realidade, tratam-se de hábitos que se devem adquirir e manter ao longo da vida, de forma a evitar a formação do tártaro e de outros problemas. Há, por isso, que:

  • Escovar os dentes, duas a três vezes por dia, durante pelo menos dois minutos
  • Trocar de escova de três em três meses
  • Utilizar fio dentário ou escovilhão todos os dias 

Como é que se resolve

Uma vez formado, não há quaisquer produtos de higiene oral que possam eliminá-lo. “A única forma de o remover é através de tratamentos que só podem ser realizados pelo seu higienista oral e/ou médico dentista, como a destartarização”, explica Raquel Lopes, que acrescenta: “No caso de tártaro que se aloje de forma mais profunda na gengiva, recorre-se a alisamentos radiculares, que, como o nome indica, removem os depósitos da área abaixo da linha gengival, na zona das raízes.” 
Por isso, é aconselhável uma visita, de seis em seis meses, ao higienista oral ou ao médico dentista para um check-up e para remoção de todo o tártaro, garantindo, assim, a saúde dos dentes e gengivas.
 

Ler mais sobre

Boca e Dentes

Este artigo foi útil?

Revisão Científica

Dra. Raquel Lopes

Lusíadas Dental Amoreiras
PT