Lusiadas.pt | Blog | Doenças | Sintomas e tratamentos | Surdez: como é ouvir pela primeira vez
4 min

Surdez: como é ouvir pela primeira vez

Há qualquer coisa de mágico sempre que se liga um implante coclear e alguém que não escutava passa a ouvir o mundo. Para Luísa Monteiro, coordenadora da Unidade de Otorrinolaringologia do Hospital Lusíadas Lisboa, “é como se fosse um milagre”.

"Sempre que uma criança ouve pela primeira vez a voz da mãe, e fica com aquele olhar de espanto e com um sorriso de descoberta... é impossível não sentir uma emoção muito grande", confessa Luísa Monteiro, coordenadora da Unidade de Otorrinolaringologia.

Com efeito, os implantes cocleares vieram revolucionar a vida de quem sofre de surdez severa ou profunda. Trata-se de um dispositivo eletrónico com dois componentes, um deles implantado dentro da cóclea (ouvido interno), o outro colocado na parte externa e que se assemelha a uma prótese auditiva. O componente externo transmite um sinal eletrónico para a parte interna, transformando o som em sinal digital e permitindo a escuta de sons a quem antes não ouvia.

Dos 12 meses aos 74 anos

Luísa Monteiro começou a fazer estas cirurgias em 2007, primeiro apenas a crianças e agora faz implantes quer a crianças quer a adultos: "Há muita gente, mesmo médicos de clínica geral e até otorrinolaringologistas, que pensam que os implantes cocleares têm como destinatário apenas as crianças. Não é verdade. Podem ser feitos idealmente dos 12 meses aos 2 anos, mas também podem ser feitos em adultos, desde que já tenha havido experiência auditiva. Ou seja: o implante faz-se apenas no caso de uma surdez pós-lingual. A criança mais pequena que já implantei tinha 12 meses e o adulto mais velho tinha 74 anos."

Um processo compensador

Esta é uma cirurgia complexa, que demora 3 a 4 horas, mas cujo pós-operatório é muito fácil: "Não dá dores, não dá vertigens e, geralmente, a pessoa tem alta no dia seguinte."

Depois da cirurgia, o implantado não fica logo a ouvir. Isso só acontece três semanas a um mês depois da intervenção, quando é colocado e programado o componente externo. "É preciso passar por um longo percurso de reabilitação, de aprendizagem auditiva e da oralidade, num trabalho de equipa que é fundamental", explica Luísa Monteiro.

"E o que é realmente gratificante é quando, anos depois, encontramos uma criança que implantámos a ouvir um concerto, a falar como se não tivesse qualquer problema auditivo, com um percurso escolar muito bom, perfeitamente integrada. Isso, sim, é realmente recompensador."

A responsabilidade de todos

Apesar da verdadeira revolução que esta cirurgia traz para a vida dos surdos severos ou profundos, há ainda um longo caminho a percorrer. Luísa Monteiro lastima que haja ainda poucos implantes cocleares a serem feitos e que cerca de 60 a 65% das crianças surdas escapem a este procedimento que lhes traria uma incomparável qualidade de vida: "Os fatores são múltiplos. Para começar, há poucos hospitais do Serviço Nacional de Saúde a fazerem implantes cocleares. Depois, pode haver muitas razões: ou porque vivem na província e os pais não estão despertos para esta possibilidade, ou porque o médico não considerou essa opção, ou porque lhes é posta uma prótese e assim ficam... serão muitas as causas, mas a sociedade tem que olhar para este problema. Devia haver linhas de referenciação destas crianças, para que o seu futuro não ficasse comprometido."

A médica chama ainda a atenção para o facto do Estado não comparticipar as pilhas e os componentes externos, que têm preços muito elevados, para muitos incomportáveis: "Além disso, são componentes que estão sujeitos à taxa máxima de IVA, que é 23%. Como se fosse um luxo. Como se não fosse indispensável para uma integração da criança na comunidade escolar e na sociedade em geral." No Hospital Lusíadas Lisboa, este ano deverá terminar com 13 a 14 implantes cocleares feitos a crianças e adultos. E Luísa Monteiro quer que, em 2015, o número seja superior. Porque o mundo é feito de sons e todos deviam poder escutá-los.

O caso do Daniel Lucas

Daniel Lucas nasceu com surdez profunda e teve direito, como têm todos os cidadãos, a um implante coclear comparticipado pelo Estado. Mas isso resolvia apenas parte do problema, uma vez que ele tinha surdez bilateral. Os pais do Daniel inventaram todo o tipo de iniciativas para angariarem dinheiro para o implante e, em quatro meses, conseguiram 32 mil euros, valor que permitia apenas comprar o aparelho, mas que não cobria toda a manutenção que um implante coclear acarreta.

Foi então que Luísa Monteiro, coordenadora da Unidade de Otorrinolaringologia do Hospital Lusíadas Lisboa, que tinha colocado o primeiro implante ao Daniel (quando ainda trabalhava no Hospital da Estefânia), decidiu avançar com uma proposta comovente à administração da unidade: ela e a sua equipa fariam a cirurgia abdicando dos honorários e o hospital oferecia o internamento e os recursos. A administração aceitou.

E a magia voltou a acontecer, tinha o Daniel quatro anos. Um ano depois da colocação do segundo implante, Daniel dizia já muitas palavras e até cantava e dançava. Mas seguia-se ainda muito trabalho pela frente, com a terapia da fala e todo o trabalho a ser desenvolvido na escola e em casa. Passaram dois anos e a mãe garante que esse trabalho deu frutos: “toda a gente o entende. Tem muito vocabulário e, mesmo quando diz uma palavra da forma errada, eu corrijo e ele acaba por conseguir repeti-la bem”, garante. Até chegar aqui, a família passou por momentos difíceis, mas hoje “não há palavras. Tem sido muito bom acompanhar a evolução do Daniel”.

Agora com seis anos prepara-se para entrar no primeiro ano escolar. O apoio da professora e da terapia da fala têm facilitado a sua “grande evolução”. Durante este período ficou igualmente definido que o problema era unicamente auditivo e não cognitivo. Demonstra até a sabedoria e curiosidade própria das crianças desta idade. “Às vezes, eu e o pai estamos a falar baixinho, de assuntos nossos, e ele faz logo perguntas que mostram que percebeu do que falávamos”, revela a mãe, sem esconder o orgulho de alguém que pensou que esse dia nunca chegaria.

Ler mais sobre

Ouvidos

Este artigo foi útil?

We appreciate the feedback.

Please include your email if you want us to follow up with you.

Colaboração

Dra. Luisa Monteiro

Coordenador da Unidade de Otorrinolaringologia

Otorrinolaringologia
Hospital Lusíadas Lisboa
PT