Lusiadas.pt | Blog | Prevenção e Estilo de Vida | Nutrição e Dieta | Alergia alimentar: como evitar a contaminação cruzada
2 min

Alergia alimentar: como evitar a contaminação cruzada

A contaminação cruzada ocorre quando dois alimentos entram em contacto e aquele considerado “seguro” passa a conter uma pequena quantidade do alimento alergénio, tornando-se assim perigoso para o indivíduo com alergia alimentar, mesmo que a quantidade seja muito reduzida.

O que é a alergia alimentar?

A alergia alimentar é uma reação adversa que ocorre quando o sistema imunológico reconhece um alimento como uma entidade agressora ao organismo. A fração desse alimento que é responsável pela reação alérgica denomina-se alergénio.

Manifestações 

Uma reação alérgica pode ter manifestações cutâneas (pele e mucosas), respiratórias, gastrointestinais e cardiovasculares, podendo em alguns casos ser fatal. Os sintomas surgem rapidamente após a ingestão do alergénio e podem ocorrer de forma isolada ou combinada. Qualquer alimento poderá desencadear uma alergia alimentar. As alergias ao leite de vaca, ao ovo, ao trigo, aos frutos oleaginosos e ao marisco são algumas das mais frequentes.

Tratamento e a importância de evitar a contaminação cruzada

Após a confirmação de alergia alimentar, o tratamento base é a evicção alimentar, ou seja, a exclusão de todos os alimentos diretamente responsáveis pela reação, como também daqueles que poderão conter o alergénio na sua composição. Esta evicção obriga a ler atentamente os rótulos dos produtos alimentares, com o intuito de identificar possíveis alergénios e a evitar práticas de risco, sobretudo no que diz respeito à contaminação cruzada.

A contaminação cruzada ocorre quando dois alimentos diferentes entram em contacto e o alimento considerado “seguro” passa a conter uma pequena quantidade do alimento alergénio, tornando-se assim perigoso para o indivíduo com alergia alimentar, mesmo que a quantidade do alergénio seja mínima. Este contacto entre os dois alimentos pode ser direto (colocando os alimentos lado a lado) ou indireto (através das mãos, utensílios ou equipamentos). Deste modo, existem medidas e cuidados simples na preparação e produção de alimentos/refeições, que podem prevenir a contaminação cruzada e que permitem garantir a ingestão de alimentos seguros:

  • Lavar as mãos entre as várias etapas de manipulação de alimentos;
  • Não utilizar os mesmos utensílios durante a preparação, confeção, empratamento e distribuição de refeições (talheres, tábuas de corte, pratos, travessas, panelas, entre outros);
  • Não utilizar a mesma água de cozedura ou óleo de fritura para alimentos diferentes;
  • Não utilizar as mesmas bancadas ou superfícies de contacto para a manipulação de alimentos;
  • Durante as refeições, os indivíduos com alergia alimentar devem evitar o contacto direto com alimentos potencialmente alergénicos e não devem partilhar utensílios, nomeadamente talheres, pratos, copos ou guardanapos.

A evicção alimentar é um processo complexo, sendo necessário que todas as entidades, incluindo estabelecimentos de restauração e escolas, tenham em atenção a importância das questões de contaminação cruzada e a leitura e interpretação dos rótulos dos produtos alimentares. Indubitavelmente, uma abordagem multidisciplinar é crucial para minimizar o risco de exposições acidentais e promover a qualidade de vida dos indivíduos com alergias e/ou intolerâncias alimentares.

Ler mais sobre

Nutrição

Este artigo foi útil?

We appreciate the feedback.

Please include your email if you want us to follow up with you.

Autoria

Dra. Beatriz Vieira

Nutrição Clínica
Clínica de Stº António
PT