Lusiadas.pt | Blog | Prevenção e Estilo de Vida | Nutrição e Dieta | Carnes vermelhas: o que precisa de saber
3 min

Carnes vermelhas: o que precisa de saber

Já se sabe que o consumo de carnes processadas está associado ao aumento de risco de cancro colorretal e que as carnes vermelhas são possivelmente carcinogénicas. A Unidade de Nutrição Clínica do Hospital Lusíadas Lisboa deixa-nos conselhos para o consumo destes produtos.

No final de 2015, a Organização Mundial de Saúde, através da sua Agência Internacional de Investigação do Cancro (IARC, na sigla em inglês), classificou a carne vermelha como “possivelmente carcinogénica em humanos – com provas ainda limitadas de que o consumo de carnes vermelhas provoca cancro em humanos” e aconselhou prudência no consumo de carne processada.

Neste estudo, que relacionou o impacto do consumo de carne processada e de carne vermelha no risco de desenvolvimento de cancro, os investigadores comprovaram também que a carne processada (independentemente de se tratar de vermelha ou não) é, de facto, carcinogénica em humanos.

Ou seja, o seu consumo é um fator de risco importante no desenvolvimento de cancro colorretal: por cada 50g de carne processada ingerida diariamente, o risco de desenvolver cancro colorretal aumenta 18%. Neste caso, no entanto, o problema não está na carne em si, mas na forma como é processada, como explica Ana Rita Lopes, coordenadora da Unidade de Nutrição Clínica do Hospital Lusíadas Lisboa.

“Interpretando o que diz a Organização Mundial de Saúde, a questão não está essencialmente nos ingredientes utilizados, mas sim no processamento ou processo de fabrico das carnes processadas, como a fumagem, que levam à produção de compostos cancerígenos, à semelhança das nitrosaminas, nitrosamidas e hidrocarbonetos aromáticos”, diz a nutricionista.

O que é a carne processada?

“A carne processada refere-se a todos os tipos de carnes que tenham sido transformados de modo a aumentar o seu tempo de conservação e/ou intensificar o sabor, através de processos como a salmoura, secagem, fermentação ou defumação”, explica a nutricionista. Tais como:

  • Fiambre;
  • Salsichas;
  • Chouriço;
  • Presunto;
  • Carne enlatada.

Quais são as carnes vermelhas?

Já as carnes vermelhas são todo o tipo de carne com origem no músculo dos mamíferos, como:

  • Vaca;
  • Vitela;
  • Porco;
  • Leitão;
  • Carneiro;
  • Cabra;
  • Cabrito;
  • Borrego;
  • Cavalo.

Devemos deixar de comer carnes vermelhas e processadas?

A Direção-Geral da Saúde aconselha que, no caso destas carnes, e tendo em conta a evidência científica reunida pela OMS e pela IARC, se deve:

  • Reduzir o consumo de carne processada (enchidos, carne de fumeiro, chouriços, salsichas, carne enlatada…) para momentos ocasionais ao longo do mês.
  • Reduzir, por precaução, o consumo de carne vermelha (vaca, porco, cabrito…) para valores até 500g por semana. Contudo, a dose acima da qual existe risco comprovado ainda não está totalmente definida.
  • A carne continua a ser considerada um alimento importante para ser incluído moderadamente na dieta humana e numa alimentação diversificada pelo seu elevado valor proteico, vitamínico e mineral. Se gostar de carne não prescinda dela, mas consuma moderadamente.
  • Consumir diariamente alimentos protetores é fundamental para reduzir o risco de cancro do colón, associado ao consumo de carne processada. Os alimentos protetores são fruta e hortícolas em quantidade de pelo menos 400g diariamente, ou seja duas sopas de hortícolas e 3 peças de fruta diariamente, para além do consumo de cereais integrais.
  • Rejeitar carnes carbonizadas na grelha, chapa ou churrasco.
  • Substituir, ocasionalmente, a carne por refeições com fontes de proteína vegetal, como o feijão, as lentilhas ou o grão.

A não esquecer:

  •  Ficou de facto comprovado o efeito cancerígeno das carnes processadas, pelo que devemos limitar ao máximo o seu consumo;
  • Relembrar que existem carnes brancas processadas, como o fiambre de aves ou as salsichas de aves, que são igualmente prejudiciais e cujo consumo também deve ser reduzido;
  • Não existem, até ao momento, razões suficientes para excluirmos por completo as carnes vermelhas da nossa alimentação. Devemos sim, moderar o seu consumo;
  • Ingerir carne processada apenas ocasionalmente.

Assim, acima de tudo é preciso não ser fundamentalista e fazer uma alimentação variada. Usar a carne e enchidos com parcimónia e privilegiar os legumes e frutas.

Este artigo foi útil?

We appreciate the feedback.

Please include your email if you want us to follow up with you.

Revisão Científica

Dra. Ana Rita Lopes

Coordenador da Unidade de Nutrição Clínica

Nutrição Clínica
Hospital Lusíadas Lisboa
PT