Lusiadas.pt | Blog | Tratamento da fibrilhação auricular: ablação por cateter
4 min

Tratamento da fibrilhação auricular: ablação por cateter

A ablação por cateter tem atualmente um papel importante no tratamento da fibrilhação auricular e o Hospital Lusíadas Porto é o único hospital no norte do país que tem acordo com a ADSE.

A fibrilhação auricular é a arritmia cardíaca sustentada mais comum a nível mundial, com enorme impacto individual e social. Além afetar negativamente a qualidade de vida, também aumenta o risco de acidente vascular cerebral, insuficiência cardíaca e morte.

Fibrilhação auricular: O que é e qual o seu impacto?

A fibrilhação auricular é um tipo de arritmia que se caracteriza por uma ativação elétrica caótica e ineficaz das aurículas, inibindo a sua ação mecânica que é útil no enchimento dos ventrículos. Os batimentos cardíacos são completamente irregulares e habitualmente rápidos, diminuindo a eficiência da contração ventricular.

A fibrilhação auricular tem repercussões importantes na saúde das pessoas:

  • Duplica o risco de mortalidade;
  • Aumenta em cinco vezes a probabilidade de acidente vascular cerebral. A fibrilhação auricular favorece a formação de coágulos dentro do próprio coração, geralmente no apêndice auricular esquerdo, que podem desprender-se e deslocar-se através da corrente sanguínea, correndo o risco de se alojarem e bloquearem artérias em qualquer região do corpo. Na maioria dos casos, os coágulos entopem as artérias que irrigam o cérebro;
  • Cerca de um quarto dos doentes com fibrilhação auricular desenvolve insuficiência cardíaca;
  • Prejudica de forma notória a qualidade de vida das pessoas afetadas, levando a frequentes hospitalizações e ao aumento do risco de depressão e demência.

Sintomas e formas de apresentação clínica

Os sintomas relacionados com a fibrilhação auricular podem indiciar a sua presença, nomeadamente a sensação de batimentos rápidos e irregulares. Outros sintomas menos específicos são a dificuldade em respirar, a fadiga, o mal-estar torácico e as tonturas ou a perda de conhecimento.

Algumas pessoas com fibrilhação auricular não têm a perceção de qualquer alteração no seu estado de saúde habitual. A arritmia evolui de forma insidiosa e silenciosa, de tal forma que o seu diagnóstico pode ser feito apenas quando ocorre uma complicação que, infelizmente, poderá ser irreversível. É importante uma procura ativa desta arritmia nas pessoas que correm maior risco.

A fibrilhação auricular pode apresentar-se na sua forma paroxística com episódios transitórios de curta duração e resolução espontânea. Na forma persistente é preciso uma intervenção terapêutica (geralmente a cardioversão elétrica) para retomar o ritmo cardíaco normal. Quando já não for possível ou desejável reverter a arritmia, então estamos perante uma fibrilhação auricular permanente.

Incidência e fatores de risco

A fibrilhação auricular é a arritmia cardíaca mais comum. Em Portugal estima-se que a partir dos 40 anos cerca de 2,5% da população tem fibrilhação auricular. Um dos fatores mais fortemente associado à fibrilhação auricular é a idade pelo que, tendo em conta o envelhecimento da população, a sua prevalência tenderá a aumentar no futuro.

Além da idade, os fatores que favorecem o aparecimento da fibrilhação auricular são a hipertensão arterial, a diabetes mellitus, a obesidade, a apneia do sono, o exercício físico de alta intensidade e a presença de outros problemas cardíacos.

Diagnóstico

O diagnóstico definitivo da fibrilhação auricular implica o registo eletrocardiográfico da arritmia. Pode ser através da realização de um simples ECG ou então através de dispositivos que permitem uma monitorização prolongada do ritmo cardíaco: desde o Holter (24 h) ao registador de eventos implantado (2-3 anos).

Tratamento

Para prevenir o risco de AVC o tratamento adequado é a anticoagulação oral através de medicamentos que dificultam a capacidade de coagulação do sangue. Apenas os indivíduos jovens (< 65 anos) e sem outros fatores de risco (HTA, diabetes mellitus, AVC, insuficiência cardíaca, doença vascular) é que não têm indicação para esta terapêutica.

Classicamente eram utilizados os antagonistas da vitamina K (varfarina e acenocumarol) onde era fundamental uma análise laboratorial periódica, cuidados alimentares e precaução com interações medicamentosas. Com os novos anticoagulantes (Dabigatrano, Rivaroxabano, Apixabano e Edoxabano) não há necessidade de controlo laboratorial e têm um melhor perfil de segurança.

Para controlar os sintomas, reduzir as hospitalizações e diminuir o risco de insuficiência cardíaca temos duas estratégias: “controlo da frequência cardíaca” e “controlo do ritmo cardíaco”.

  • O “controlo da frequência cardíaca” consiste em assumir a presença da fibrilhação auricular sem tentar revertê-la, utilizando apenas medicamentos que evitam a presença de batimentos muito rápidos e descontrolados. Esta modalidade normalmente adequa-se a indivíduos idosos (> 80 anos), com baixa capacidade funcional e assintomáticos.
  • O “controlo do ritmo cardíaco” tem como objetivo restaurar e manter o ritmo cardíaco normal. Esta estratégia é habitual nos doentes sintomáticos e ativos.

A forma claramente mais eficaz e segura para manter o ritmo normal em doentes com fibrilhação auricular é através da ablação por cateter. Este procedimento minimamente invasivo é uma forma de cateterismo cardíaco em que os cateteres (tubos finos e flexíveis) são introduzidos através da veia femoral, na zona da virilha, e, percorrendo o sistema venoso, são introduzidos no coração. Os cateteres permitem eliminar os focos iniciadores da arritmia, que na sua larga maioria estão na junção das veias pulmonares com a aurícula esquerda.

Vários estudos científicos comprovaram a sua superioridade em relação aos fármacos antiarrítmicos. A taxa de sucesso esperada deste procedimento depende das características individuais de cada paciente e do tempo de evolução da arritmia, mas globalmente é de 70%-80%. O procedimento é geralmente seguro, sendo raras as complicações graves.

Sabia que…

O Hospital Lusíadas Porto tem uma unidade de tratamento de arritmias moderna e bem apetrechada do ponto de vista tecnológico. Os médicos que a compõem são experientes e tiveram formação em centros de referência, nomeadamente França e Inglaterra. Um especialista em anestesia está presente de forma a proporcionar o maior conforto ao doente.

No norte do país é o único Hospital que tem acordo com a ADSE para realizar o procedimento de ablação por cateter da fibrilhação auricular, que executa de forma regular.

Ler mais sobre

Coração

Este artigo foi útil?

We appreciate the feedback.

Please include your email if you want us to follow up with you.

Especialidades em foco neste artigo

Autoria

Dr. Luís Adão

Cardiologia
Hospital Lusíadas Porto
PT