Lusiadas.pt | Blog | Crianças | Idade escolar | Quando levar a sua filha ao ginecologista?
2 min

Quando levar a sua filha ao ginecologista?

A maturidade e o contexto familiar e social são fatores importantes na hora de decidir se está na altura de ir com a sua filha a uma consulta.

A dúvida é comum. A partir de que idade uma adolescente deve recorrer ao ginecologista? Não há uma altura certa, assegura Sérgio Neves, pediatra especialista em Medicina do Adolescente da Clínica Lusíadas Almada e da Clínica de Stº António. “Depende de cada adolescente e do seu contexto familiar, cultural, social e étnico”, diz o também coordenador da Unidade de Pediatria da Clínica de Stº António.

“As adolescentes entram na puberdade em idades diferentes (10-13 anos) e as mudanças físicas e os padrões de maturação psicoafetivos podem não ser coincidentes. Temos raparigas na primeira fase da adolescência (10-13 anos) que estão ainda centradas nas mudanças físicas e outras na segunda fase da adolescência (14-16 anos) que podem vivenciar as relações interpessoais e a intimidade”, acrescenta o médico.

Irregularidades menstruais, hemorragias disfuncionais uterinas, dismenorreia (dores menstruais), hirsutismo (crescimento excessivo de pelos em zonas andrógenas), acne e contraceção são os principais motivos que levam as adolescentes a uma consulta de especialidade.

Segundo Sérgio Neves, nem sempre é necessário recorrer a um ginecologista em matéria de desenvolvimento pubertário ou saúde reprodutiva. “O pediatra pode fazer esse acompanhamento se tiver formação”, explica.

Tal como na infância, o Programa Nacional de Saúde Infantil e Juvenil prevê consultas de vigilância: uma consulta aos 10 anos, outra aos 12/13 e outra aos 15/18 anos. “Em todas elas a abordagem é holística e implica entrevista estruturada sobre família, escola, amigos, atividades, sexualidade, experimentação, consumos, saúde mental, cuidados preventivos ligados à vacinação, higiene e saúde oral”, refere o pediatra.

Os pais têm de autorizar a prescrição de contracetivos?

A partir dos 16 anos, as adolescentes podem recorrer a consultas de planeamento familiar e tomar a pílula ou outro contracetivo sem autorização dos pais. Contudo, e quando possível, o envolvimento dos pais é importante. “Se uma adolescente mostrar interesse em recorrer ao ginecologista ou pediatra, isso deve ser visto como sinal de autonomia e responsabilização e não implica que tenha ou vá ter relações sexuais”, alerta Sérgio Neves.

Na generalidade dos casos, as adolescentes procuram este tipo de consulta em busca de contracetivos, admite o pediatra. Nestas alturas, o médico aproveita para abordar outros temas. “A prescrição de contracetivos implica uma avaliação clínica (por exemplo, medir a tensão arterial e controlar o peso), rastrear contraindicações, mas não só. Aborda-se o uso do preservativo, o risco de gravidez e faz-se prevenção no que diz respeito à violência no namoro, aos consumos associados, e os sentimentos de desvalorização e culpa.”

Ler mais sobre

Adolescentes

Este artigo foi útil?

We appreciate the feedback.

Please include your email if you want us to follow up with you.

Especialidades em foco neste artigo

Colaboração

Dr. Sérgio Neves

Coordenador da Unidade de Pediatria

Pediatria
Clínica de Stº António, Hospital Lusíadas Lisboa, Clínica Lusíadas Almada
PT