Lusiadas.pt | Blog | Doenças | Cancro | Cancro da mama: os diferentes tipos de reconstrução mamária
4 min

Cancro da mama: os diferentes tipos de reconstrução mamária

O cancro da mama já não é uma sentença de morte, mas é um duro golpe interferindo na autoestima e identidade da mulher. A medicina tem avançado no tratamento desta doença incluindo o campo da reconstrução mamária e o Hospital Lusíadas Lisboa está na linha da frente.

"Quando comecei a trabalhar, o diagnóstico de cancro da mama era praticamente uma sentença de morte. Hoje em dia, embora continue a ser uma doença grave, as nossas armas terapêuticas são muito boas e associadas ao diagnostico precoce garantem um muito melhor prognostico", lembra Rui Leitão, coordenador da Unidade de Cirurgia Plástica do Hospital Lusíadas Lisboa.

"Atualmente é uma intercorrência muito desagradável na vida de uma mulher, mas já não tem a conotação de fatalidade obrigatória. Com isso surgiu a necessidade de encarar o tratamento desta doença de uma forma global e incluir nas nossa preocupações a recuperação da imagem, da autoestima e da confiança da mulher nela mesma", continua. "Esta é a área da reconstrução mamária", esclarece o especialista.

A reconstrução mamária é um mundo, existindo dezenas de técnicas cirúrgicas. Estas devem ser escolhidas individualmente para cada caso oferecendo a cada mulher uma solução totalmente personalizada.

Grosso modo, podemos dividir a reconstrução de acordo com o momento em que se realiza e em relação ao "material" usado para reconstruir a mama.

Em relação ao momento:

  • Reconstrução mamária imediata

A mulher não chega a sair da sala de operações sem a mama, não sofrendo o trauma da amputação ou a necessidade de usar próteses externas.

  • Reconstrução diferida

Faz-se a mastectomia primeiro e a reconstrução depois. Opção tomada ocasionalmente se as condições locais ou sistémicas impedirem  a reconstrução mamária ou se esta for a vontade da mulher.

Em relação ao tipo:

  • Tecidos da própria doente (método privilegiado pela nossa equipa)

"Estes incluem os métodos mais diferenciados, tecnicamente mais exigentes mas uma vez ultrapassada a fase de reconstrução quase não dá problemas comportando-se as duas mamas ao longo dos anos  de forma igual mantendo a simetria. Uma vez passada a fase de reconstrução mamária, está pronta para a vida", afirma o médico.

Deste grupo fazem parte o DIEP (reconstrução usando a pele e gordura abdominal) o TRAM (parecido com o DIEP mas incluindo uma pastilha de músculo abdominal), o lipofilling (preenchimento com gordura lipoaspirada e processada) e outras técnicas mistas.

  • Uso de próteses

Neste caso a nova mama é criada colocando uma prótese por debaixo da pele e do músculo subjacente (músculo grande peitoral).

Pode esta prótese ser colocada imediatamente se for possível poupar pele da mama ou então haver necessidade de criar espaço e nova pele através do uso inicial e um expansor (uma espécie de balão vazio) por debaixo da pele e do músculo, que vai enchendo progressivamente com soro no pós-operatório semanalmente ou quinzenalmente na consulta externa e apenas mais tarde proceder à sua substituição por uma prótese.

Neste tipo de reconstrução mamária usamos rotineiramente membranas dérmicas acelulares. Estas são materiais recentes colocados de modo a funcionarem como um acrescento do músculo que recobre a prótese ou o expansor. Permitem a realização da reconstrução com prótese num só tempo, aumentam a segurança da reconstrução e a sua qualidade

Mas nem sempre há necessidade de remover toda a mama. Também nestes casos o recurso às técnicas de cirurgia Plástica permitem que o tumor seja removido com segurança pelo cirurgião oncológico e a mama reconstruída no mesmo tempo.

Equipa multidisciplinar para a reconstrução mamária

Na preparação da cirurgia de reconstrução mamária há um trabalho de equipa que é necessário, onde estão incluídos o oncologista médico e o cirurgião oncológico, bem como o cirurgião plástico. "Temos de identificar o tipo de tumor, a necessidade ou não de fazer radioterapia, a forma da mama e a forma e localização do tumor", explica Rui Leitão. "A estes dados juntamos os desejos da mulher, já que nós apresentamos as diferentes hipóteses mas o último decisor é sempre a paciente, ela é nossa parceira. É esta cooperação que permite fazer uma escolha informada".

O fisioterapeuta é outro dos especialistas chamados para a fase de recuperação. Assim como o psicólogo que é, por vezes, indicado para ajudar em problemas de depressão ou ansiedade antes da operação.

Mastectomia profilática

Em maio de 2013, a atriz norte-americana Angelina Jolie decidiu submeter-se a uma dupla mastectomia, para reduzir as probabilidades de vir a desenvolver cancro da mama de 87% para 5%. Uma decisão polémica mas que veio acender a discussão sobre o tema. "Há indicações muito precisas para a mastectomia preventiva ou profilática.

A questão da Angelina Jolie desmistifica a necessidade de fazer uma mastectomia por risco", refere o especialista. "Mas é algo que separa as mulheres marcadas por histórias familiares – e a probabilidade de terem cancro da mama ou do ovário – das outras, em que o risco é menor".

De acordo com Rui Leitão, o exemplo da atriz norte-americana também fez surgir a vontade de outras mulheres optarem por esta solução, mesmo quando não há necessidade. "Não se tomam estas decisões de ânimo leve. O risco tem de ser gerido". E, para tomar a melhor decisão, é indispensável a consulta aos médicos especialistas. A solução mais adequada sairá sempre da ponderação dos riscos e das vantagens.

Ler mais sobre

Cancro da Mama Cirurgia

Este artigo foi útil?

We appreciate the feedback.

Please include your email if you want us to follow up with you.

Colaboração

Dr. Rui Leitão

Coordenador da Unidade de Cirurgia Plástica e Reconstrutiva

Cirurgia Plástica e Reconstrutiva
Hospital Lusíadas Lisboa
PT