Lusiadas.pt | Blog | Doenças | Sintomas e tratamentos | Como lidar com a disfunção erétil
3 min

Como lidar com a disfunção erétil

Saiba como os homens que sofrem de disfunção erétil (e serão 50% dos que têm entre 50 e 59 anos) podem recuperar a sua vida sexual - e sim, é possível.

Cerca de metade dos portugueses com mais de 50 anos apresentam algum grau de disfunção erétil. Esta condição, a que vulgarmente se chama impotência, é definida como a incapacidade persistente em obter e/ou manter uma ereção suficiente para uma relação sexual satisfatória.

A sua prevalência aumenta à medida que a idade avança: afeta 30% dos homens entre os 40 a 49 anos, 50% quando têm entre 50 e 59 anos e 75% dos que têm mais de 60 anos e menos de 69, explica Rui Borges, urologista do Hospital Lusíadas Porto.

No entanto, quando devidamente acompanhados e tratados, os homens que sofrem de disfunção erétil conseguem retomar uma vida sexual satisfatória, refere o urologista. É por isso que devem ser incentivados a recorrer a um especialista.

Causas da disfunção erétil

A ereção falha quando um estímulo sexual (físico ou mental) não obtém uma resposta integrada do cérebro, dos nervos, dos vasos sanguíneos e das hormonas. Nessa situação, não há um aumento do sangue no pénis, como deveria. Isto pode ocorrer devido a causas psicogénicas, orgânicas ou mistas:

  • Causas psicogénicas

As causas psicogénicas decorrem de problemas no emprego, de stresse marital, da ansiedade de performance, de problemas financeiros, de depressão, entre outras.

  • Causas orgânicas

As causas orgânicas para a disfunção erétil podem estar relacionadas com:

  • Doenças cardiovasculares;
  • Hipertensão arterial e alguns medicamentos usados para o seu tratamento;
  • Diabetes;
  • Colesterol elevado;
  • Tabagismo;
  • Algumas doenças neurológicas, como a doença de Parkinson;
  • Esclerose múltipla;
  • Acidentes vasculares cerebrais (AVC);
  • Alcoolismo crónico;
  • Consumo de drogas ilícitas;
  • Alguns medicamentos usados no tratamento de depressão;
  • Uso de anti-histamínicos;
  • Pós-operatório de cirurgia radical pélvica para tratamento do cancro da próstata ou do cancro colorretal.

Tratamentos

Antes de iniciar um tratamento específico, deve ajustar-se o estilo de vida, cessando o consumo de tabaco e de álcool (se for caso disso), seguir um regime alimentar saudável e fazer exercício físico de forma regular. Com estas mudanças, 30% dos homens regista melhorias da disfunção erétil. Se for necessário avançar para um tratamento, existem três linhas de abordagem:

1. Na primeira linha são utilizados fármacos orais. Os fármacos relaxam o músculo liso dentro dos corpos cavernosos, o que permite o preenchimento do pénis com sangue. Contudo, para provocar a ereção é necessário um estímulo sexual.

2. Para o homem que não quer ou não pode optar pelos fármacos orais ou para quem os fármacos orais não foram eficazes, existem outras opções:

a) Uso do aparelho de vácuo, um cilindro de plástico que é colocado sobre o pénis e que o mantém rígido por efeito de sucção e pela colocação de um anel constritor na base peniana;

b) Administração intracavernosa ou intrauretral de medicamentos vasodilatadores.

3. A colocação de uma prótese peniana é a última linha de tratamento.

Erros frequentes 

  • Ter vergonha é o erro mais frequente. O homem prefere falar com um amigo ou procurar um tratamento na internet em vez de consultar um médico.
  • Recear que a masculinidade esteja diminuída e temer que não voltará a recuperá-la.
  • Desvalorizar o problema porque não quer admitir que tem disfunção erétil e entende que a situação é passageira.

Saiba ainda que...

A disfunção erétil funciona como um sinal de alarme para a doença arterial, uma vez que se sabe hoje que esta doença pode preceder em cerca de 3 a 5 anos um evento cardiovascular como o acidente vascular cerebral (AVC) ou o enfarte agudo do miocárdio.

Ler mais sobre

Saúde Masculina

Este artigo foi útil?

We appreciate the feedback.

Please include your email if you want us to follow up with you.

Especialidades em foco neste artigo

Colaboração

Dr. Rui Pedro Borges

Urologia
Hospital Lusíadas Porto, Clínica Lusíadas Gaia, Hospital Lusíadas Braga
PT