Lusiadas.pt | Blog | Doenças | Sintomas e tratamentos | Vertigem: um sintoma e não uma doença
3 min

Vertigem: um sintoma e não uma doença

A vertigem e o desequilíbrio são queixas frequentes – calcula-se que 20% das pessoas entre os 18 e os 65 anos já tenham sentido um episódio de vertigem/alteração do equilíbrio. Perceba o que é a vertigem e o chamado Síndrome Vertiginoso.

O que é?

A vertigem é uma ilusão de movimento, normalmente rotatória, em que temos a sensação que nós ou o meio que nos rodeia gira. Este sintoma, normalmente episódico, começa de forma súbita e muitas vezes é acompanhando de náuseas, vómitos, sudorese, palidez e alteração do equilíbrio. No entanto, não provoca perda de consciência.

Conceição Monteiro, Otorrinolaringologista responsável pela Consulta de Vertigem e Reabilitação Vestibular do Hospital Lusíadas Lisboa e presidente da Associação Portuguesa de Otoneurologia, esclarece que “a vertigem é um sintoma e não uma doença” e salienta a importância de desmitificar o chamado Síndrome Vertiginoso. “Muitas vezes é utilizado este termo quando o doente se dirige a uma consulta ou ao serviço de urgência, mas não é nenhum diagnóstico. Síndrome Vertiginoso designa um conjunto de sintomas”, vinca.

Em Portugal sabe-se que a vertigem/tontura é uma causa frequente de consulta na prática clínica diária, em todos os grupos etários, contudo, realça a médica, “não existem estudos epidemiológicos”. Calcula-se que 20% das pessoas entre os 18 e os 65 anos já tenham sentido um episódio de vertigem/alteração do equilíbrio e que cerca de 30% destas mantêm algumas queixas ao fim de 12 meses. A título de exemplo, Conceição Monteiro lembra que nos Estados Unidos a vertigem é a principal causa de consulta de Otoneurologia em doentes com mais de 75 anos.

Causas

A maioria dos casos de vertigem e desequilíbrio resultam de doenças envolvendo o sistema vestibular periférico (ouvido interno), mas também podem resultar de disfunções no sistema vestibular central (no cérebro). Em ambos os casos, os processos podem ser súbitos, manifestando-se após infeções, inflamações, após a toma de fármacos ototóxicos nomeadamente alguns tipos de antibióticos, traumatismos e acidentes vasculares.

Manifestam-se, no entanto, de diferentes formas, o que lhes confere grande subjetividade, transformando a abordagem diagnóstica numa avaliação complexa. Por isso mesmo, Conceição Monteiro destaca a importância da Otoneurologia que se dedica ao estudo e tratamento médico e cirúrgico da vertigem, dos zumbidos e das alterações do equilíbrio.

“Estes doentes devem ser seguidos nestas consultas também chamadas de consulta de vertigem”, salienta a médica. As diferentes estatísticas sobre as principais causas de vertigem variam muito consoante o serviço, seja de Otorrinolaringologia ou de Neurologia, mas as principais causas, segundo Conceição Monteiro, são:

  • Vertigem Posicional Paroxística Benigna (VPPB);
  • Enxaqueca vestibular;
  • Vertigem postural fóbica;
  • Doença de Menière;
  • Nevrite vestibular;
  • Outras vertigens de origem central;
  • Vestibulopatias bilaterais.

Tratamento

A terapêutica é diferente consoante o diagnóstico, mas assenta em três tipos de tratamento: farmacológico, cirúrgico e reabilitação vestibular, desempenhando este último um papel muito importante no tratamento do doente com vertigem e alteração do equilíbrio. Esta abordagem “consiste em programas de exercícios específicos, que se baseiam em mecanismos de neuroplasticidade que conduzem à diminuição da vertigem e à recuperação do equilíbrio. É uma forma de tratamento complementar quer ao tratamento farmacológico quer ao tratamento cirúrgico e contribui para melhorar a qualidade de vida e autoestima do doente e diminuir o risco de quedas”, salvaguarda a especialista. “Obtêm-se excelentes resultados terapêuticos”, remata.

Quedas no idoso

Algumas queixas de vertigem e desequilíbrio resultam, muitas vezes, em episódios de quedas, sendo que a faixa etária acima dos 65 anos é a mais afetada. Conceição Monteiro recorda que estas quedas são o acidente doméstico mais frequente e a principal causa de morte acidental, pelo que perante uma pessoa com esta patologia o médico nunca poderá ter uma atitude passiva.

“É primordial iniciar uma abordagem diagnóstica e terapêutica de modo a serem identificados os fatores de risco de maneira a promover a qualidade de vida do idoso”, salienta, referindo que é na consulta de Otoneurologia que se poderá obter o diagnóstico mais preciso possível e dar uma resposta terapêutica.

Ler mais sobre

Idosos

Este artigo foi útil?

We appreciate the feedback.

Please include your email if you want us to follow up with you.

Colaboração

Dra. Conceição Monteiro

Otorrinolaringologia
Hospital Lusíadas Lisboa, Clínica Lusíadas Parque das Nações
PT