Lusiadas.pt | Blog | Prevenção e Estilo de Vida | Nutrição e Dieta | Como se têm alimentado os portugueses?
3 min

Como se têm alimentado os portugueses?

A obesidade é uma doença crónica com um importante impacto na saúde pública.

Em Portugal, de acordo com o último Inquérito Alimentar Nacional e de Atividade Física (IAN-AF), referente a 2016, mais de metade da população portuguesa (57,1%) apresentava um peso excessivo para a sua altura: 22,3% da população tinha obesidade e 34,8% pré-obesidade.

Em 36 países europeus, Portugal é o 16º com maior prevalência de obesidade infantil. Através do estudo Childhood Obesity Surveillance Initiative (COSI), conclui-se que 1 em cada 3 crianças são obesas.

Na raiz destes números está um estilo de vida pouco equilibrado. De acordo com o IAN-AF, a população portuguesa em geral apresenta um consumo de alimentos dos grupos dos hortofrutícolas e das leguminosas inferior ao recomendado. Os portugueses estão ainda a consumir maiores quantidades de carne, pescado e ovos do que o recomendado.

Relativamente à atividade física, 43% da população portuguesa com idade superior a 14 anos classifica-se como “sedentária”.

De forma a delinear ações futuras e definir prioridades de atuação, é necessário que se compreenda de modo mais pormenorizado quais os principais fatores que contribuem para o panorama da situação atual. Há cinco pontos essenciais que devem ser tidos em conta.

Frutas e hortícolas

A Organização Mundial da Saúde (OMS) recomenda um consumo médio diário de 400g de frutas e hortícolas, o que equivale a cinco porções diárias destes alimentos. Porém, o consumo médio dos portugueses é de apenas 312 gramas por dia. Conclui-se ainda que mais de metade da população portuguesa (56%) não atinge esta recomendação.

Ao analisar estes dados por faixas etárias, constata-se que as crianças e os adolescentes são os grupos que apresentam um menor consumo destes alimentos. De facto, 72% e 78% das crianças e adolescentes, respetivamente, não cumprem esta recomendação.

Carnes processadas e carnes vermelhas

Quanto às carnes processadas (produtos de charcutaria, salsicharia, entre outros), um consumo superior a 50 gramas por dia representa um aumento de 18% do risco de desenvolver cancro do cólon. Constata-se que 6,3% da população portuguesa ultrapassa este limite diariamente.

Relativamente às carnes vermelhas, um consumo de 100 gramas diários está associado a um aumento do risco de desenvolver cancro do cólon em 17%. Neste caso, verifica-se que 22,5% dos portugueses ultrapassam este consumo, verificando-se maioritariamente em adolescentes e adultos.

Gorduras

Verifica-se que 23,6% da população portuguesa realiza ingestões acima do recomendado de todo o tipo de gorduras.
Além disso, no que diz respeito ao aporte de ácidos gordos saturados, cerca de 53% da população excede as recomendações.

Açúcares

A recomendação diária do consumo de açúcares simples é de até 10% do Valor Energético Total (VET) da dieta. No entanto, a ingestão média da população portuguesa de açúcares simples é de 84 gramas por dia, representando 18% do VET.

Os géneros alimentícios que mais contribuem para estes valores são o açúcar de adição, doces (nomeadamente rebuçados, gomas, compotas e chocolates) e refrigerantes.

Bebidas

Os refrigerantes são a segunda bebida mais consumida pelos portugueses — cerca de 18% da população portuguesa ingere diariamente pelo menos um refrigerante ou néctar. No entanto, esta ingestão é superior nos grupos das crianças e dos adolescentes, que são os maiores consumidores destes dois tipos de bebida.

No que diz respeito ao consumo de bebidas alcoólicas, verificam-se diferenças significativas entre géneros. Em geral, o género masculino apresenta ingestões superiores.

No entanto, na população com idade igual ou superior a 15 anos, observa-se um consumo elevado por parte de 8,5% das mulheres (>12 gramas por dia) e 25,8% dos homens (>24 gramas por dia). Em ambos, o vinho e a cerveja são as bebidas alcoólicas de eleição.


Resumindo

Através da análise destes dados, é evidente que grande parte da população apresenta hábitos alimentares que poderão contribuir para o excesso de peso.

Em suma, constituem prioridades de intervenção aumentar o consumo de hortofrutícolas e diminuir o consumo de açúcares, carnes vermelhas e processadas, gorduras e bebidas alcoólicas.

Deste modo, a nutrição e a prática de atividade física são pilares na construção de estilos de vida saudáveis.
 

Autoras:
Beatriz Vieira (nutricionista na Clínica de Stº António)
Cristiana Brito (nutricionista na Clínica de Stº António)

Ler mais sobre

Nutrição

Este artigo foi útil?

We appreciate the feedback.

Please include your email if you want us to follow up with you.

PT