Lusiadas.pt | Blog | Doenças | Sintomas e tratamentos | Lombalgia: a dor mais comum em Portugal
3 min

Lombalgia: a dor mais comum em Portugal

A lombalgia é a principal causa de dor em Portugal e, quando crónica, tem um impacto avassalador na qualidade de vida das pessoas. Existem tratamentos e comportamentos que ajudam a contornar o problema, mas para o Coordenador da Unidade de Tratamento da Dor do Hospital Lusíadas Lisboa, José Caseiro, a melhor solução passa sempre pela prevenção.

Sabendo que 80% da população tem um episódio de lombalgia pelo menos uma vez na vida, falámos com José Caseiro, Coordenador da Unidade de Tratamento da Dor do Hospital Lusíadas Lisboa. O também coautor do Plano Nacional da Luta contra a Dor trata diariamente de doentes com esta sintomatologia. “Os indicadores disponíveis apontam para que 150 mil portugueses possam sofrer de lombalgia, que é mais frequente nas mulheres, principalmente depois dos 40 anos, mas muito mais prevalente a partir dos 60”, avança o clínico, afirmando que esta dor, que chega a ser incapacitante, pode ter diversas causas.

O que é

“Na maioria das vezes, a dor lombar é resultado de uma patologia da coluna vertebral, frequentemente de natureza degenerativa, mas pode também ser postural ou devida a esforço, a acidente, a fenómenos inflamatórios (artrite) ou ainda a problemas relacionados com os discos intervertebrais (rotura ou hérnia)”, explica o médico, acrescentando outras razões: “Há lombalgias que surgem ainda ligadas ao stresse ou a desequilíbrios emocionais, como a ansiedade ou depressão.”

Sintomas

Segundo o médico, o sintoma mais característico da lombalgia é mesmo a dor lombar, mas, dependendo da causa, pode ser acompanhada de contractura, imobilização repentina, irradiação para um ou ambos os membros inferiores, sensação de queimadura ou de choque. E quanto tempo demora a tratar?

José Caseiro explica que as lombalgias são habitualmente de carácter agudo e resolvem-se até às seis semanas, mas uma pequena percentagem tende a ser crónica, prolongando-se indefinidamente no tempo. Nesses casos é muito frequente incapacitarem a pessoa por períodos que podem chegar às várias semanas: “É a principal causa de dor que mais dias tira ao trabalho”, revela o médico, sustentando que a qualidade de vida é afetada com “perturbações do sono e do humor, fadiga, ansiedade, depressão, dificuldade na marcha e até na performance sexual.”

Tratamento

O coordenador da Unidade de Tratamento da Dor do HLL destaca os múltiplos tratamentos para a lombalgia, em função da causa e da severidade do problema: “Na forma aguda é inevitável o repouso e a medicação com analgésicos anti-inflamatórios e relaxantes musculares, mas a persistência do problema poderá conduzir a terapêuticas de intervenção como a radiofrequência, a fisioterapia, a acompanhamento psicológico ou a utilização de medicamentos anticonvulsivantes, antidepressivos e até analgésicos de maior capacidade”, explica José Caseiro.

“No limite, a intervenção cirúrgica poderá ser indicada, tanto nas formas crónicas como nas agudas, principalmente se corresponderem a hérnia discal que cause sofrimento radicular”, vinca, preconizando mesmo uma abordagem multimodal que possa associar alguns dos procedimentos acima enunciados em complementaridade.

O médico aponta, a propósito, alguns dos conselhos que deixa aos seus pacientes de modo a conviverem melhor com a lombalgia e a tentar combate-la. Numa primeira fase, José Caseiro recomenda repouso, a reeducação funcional e fortalecimento muscular. “Estes são bons processos para se lidar com a dor, principalmente se acompanhados com medicação adequada”, assevera, apontando a hidroginástica e a hidroterapia como medidas efetivas para ajudar a ultrapassar o problema.

Mas para o médico a melhor solução envolve sempre a prevenção. “Esta passa essencialmente pelo combate à obesidade e permanente atividade física de manutenção.”

Conselhos para lidar com a lombalgia

  • Postura adequada

Levantar-se de forma correta, dobrar os joelhos quando se levanta pesos, manter as costas direitas e o umbigo apertado (stand smartsit smartlift smart).

  • Combater a obesidade

Uma alimentação saudável é fundamental para combater o excesso de peso e dessa forma não sobrecarregar a lombar.

  • Fazer exercício físico

Realizar exercícios de estiramento e flexibilidade.  

Ler mais sobre

Dor

Este artigo foi útil?

We appreciate the feedback.

Please include your email if you want us to follow up with you.

Especialidades em foco neste artigo

Colaboração

Dr. José Manuel Caseiro

Coordenador da Unidade de Unidade de Tratamento da Dor

Unidade de Tratamento da Dor
Hospital Lusíadas Lisboa
PT