Lusiadas.pt | Blog | Prevenção e Estilo de Vida | Bem estar | Truques para um intestino saudável
2 min

Truques para um intestino saudável

Manter uma alimentação rica em fibras e beber água são alguns dos truques para manter o intestino saudável, o órgão responsável pela absorção dos nutrientes.

“Precisamos de comer para viver e absorver bem aquilo que comemos, daí a importância de ter um intestino saudável”, afirma António Pinto, gastrenterologista do Hospital Lusíadas Lisboa. Tratar bem o intestino significa tratar bem um órgão com cerca de sete metros de comprimento: cinco a seis de intestino delgado e um a dois de intestino grosso. “O primeiro tem como função absorver os nutrientes e fazê-los entrar na corrente sanguínea”, explica o médico. “O segundo serve sobretudo para absorver a água e eliminar o que não interessa ao nosso corpo.”

Influências sobre o bem-estar

O intestino está ligado ao cérebro, pelo que se sentirmos algum desconforto abdominal também o sentimos mentalmente. “Depois é preciso saber identificar essa sensação e sintomas”, diz António Pinto. Aponta como principais sintomas se algo não está bem com o nosso intestino:

  • Obstipação;
  • Diarreia;
  • Distensão abdominal;
  • Dor ou desconforto abdominal;
  • Perda de sangue nas fezes.

A importância dos rastreios

Todos os anos são diagnosticados cerca de 6.400 novos casos de cancro em Portugal, pelo que o rastreio é obrigatório. Dever ser realizado a partir dos 50 anos de idade, caso não se faça parte de algum grupo de risco. “Pode começar-se pela pesquisa de sangue oculto nas fezes e, no caso do teste dar positivo, efetuar uma colonoscopia, método invasivo, mas que permite detetar eventuais pólipos e removê-los”.

Quem tiver antecedentes familiares – pai ou mãe com cancro no cólon – deverá ser acompanhado em consulta familiar de cancro colorretal e fazer os exames com uma idade inferior em dez anos à qual foi diagnosticada a doença nos seus progenitores.

Regras para um intestino saudável

  • Beber cerca de 1,5 litros de água por dia, se possível fora das refeições. O volume depende da atividade física, temperatura ambiente, sudação e tipo de profissão. Facilita o trânsito intestinal;
  • Caminhar e fazer exercício físico também estimula a evacuação;
  • Evitar as carnes vermelhas, sobretudo as mal passadas. Além do consumo acarretar riscos de contaminação por bactérias e parasitas, existem uma associação franca entre o aparecimento de pólipos no intestino e a ingestão deste tipo de proteínas, o que preconiza o aparecimento de cancro.
  • Ingestão de fibras solúveis em água (as restantes não são absorvidas pelo intestino e passam para o cólon, onde são utilizadas pelas bactérias e acabam por libertar gases);
  • Evitar adiar a ida à casa-de-banho regularmente; assim o músculo que sustém a fezes acaba por se tornar insensível e por não identificar a necessidade de evacuar.

Este artigo foi útil?

We appreciate the feedback.

Please include your email if you want us to follow up with you.

Especialidades em foco neste artigo

Colaboração

PT