Lusiadas.pt | Blog | Prevenção e Estilo de Vida | Exercício | Bater recordes em 4 passos
2 min

Bater recordes em 4 passos

Primeiro surge a ideia, depois o intenso trabalho, a equipa de especialistas…e um intenso trabalho. Só depois vem a glória.

Não é fácil, mas é possível. Ultrapassar os limites do corpo, ir além das nossas expetativas e dos outros, é um trabalho de médio e longo prazo, cheio de dor e de sacrifícios a vários níveis. No entanto, é possível e prazeroso, diz quem já o fez. Mas antes de cortar a meta, há alguns passos que não podem ser esquecidos.

O que fazer se quiser bater um recorde

  1.  "Antes de começar qualquer atividade física, é essencial fazer exames médicos, avaliar a condição física e, sobretudo, a capacidade cardíaca", afirma Luís Ramusga, do Hospital Lusíadas Lisboa e fisioterapeuta Coordenador da Federação Portuguesa de Rugby.
  2. De seguida, é feita uma avaliação pelos preparadores físicos, que conhecem o corpo e as suas capacidades.
  3. Se o objetivo é vencer recordes (nacionais, internacionais ou mesmo pessoais) um planeamento cuidado de todas as etapas não deve ser descurado. "É preciso definir objetivos e perceber se se trata de desporto de fim de semana ou se a intenção é correr meia maratona, por exemplo", explica Luís Ramusga.
  4. Uma vez definidos os objetivos, o plano de treino passa também por uma identificação de alguns cuidados a atender em paralelo ao esforço físico:

- Seguir uma alimentação equilibrada;

- Usar equipamento adequado (bom calçado, por exemplo);

- Respeitar as horas de sono;

- Fazer uma boa recuperação do esforço físico, com alongamentos, estiramentos e repouso. Exercícios realizados corretamente, assim como uma adequada preparação física de pré-treino e recuperação no pós-treino são essenciais na prevenção de lesões.

 

E a motivação?

A motivação é igualmente importante. Pessoas diferentes reagem a estímulos diferentes. "É preciso conhecer o perfil dos atletas, saber se precisam de ganhar confiança ou se a têm em demasia; se é preciso puxar mais por eles ou, em oposição, puxar menos", revela o fisioterapeuta. Estar próximo do atleta implica ainda reconhecer os sinais de alarme, como a dor ou o cansaço. Em casos de alarme, é importante saber dirigi-lo para uma consulta, para fazer exames ou tratamentos de prevenção. Para o sucesso de desafios extremos (como os de alta competição) é igualmente determinante o perfil do próprio treinador ou preparador físico. "É necessário saber relacionar com o atleta ou atletas, se é de uma equipa que se trata. É algo que se pratica, mas que também tem que existir previamente. É algo com que se nasce", continua. É claro que há atletas que estabelecem os seus próprios objetivos e são capazes de gerar toda a motivação de que necessitam. "Mas é importante perceber se as metas estabelecidas são exequíveis. Para isso é que é feito um planeamento do treino, para evitar que queiram fazer mais do que podem em determinada altura". A avaliação da situação física, o planeamento cuidado e feito à medida, assim como o seu cumprimento a rigor, são meio caminho andado.

E não se esqueça

O corpo dá metade, o resto depende da capacidade de cumprir objetivos e de aguentar alguns sacrifícios físicos, pessoais e emocionais. E isso é o que distingue os heróis dos meros mortais.

Ler mais sobre

Desporto

Este artigo foi útil?

We appreciate the feedback.

Please include your email if you want us to follow up with you.

PT