Lusiadas.pt | Blog | Doenças | Sintomas e tratamentos | Doenças do intestino: conheça as melhor
3 min

Doenças do intestino: conheça-as melhor

De níveis de gravidade e sintomas diferenciados, descubra a origem, se conhecida, das principais patologias gastrointestinais. E muito importante: siga os conselhos de Paula Lago, especialista em gastrenterologia do Hospital Lusíadas Porto, para ter uma vida saudável e evitar estas doenças.

Cada vez mais frequentes no mundo ocidental, onde o stresse e os maus hábitos alimentares podem estar no cerne do problema, as doenças do intestino conseguem, muitas vezes, ser limitadoras para o dia-a-dia e vida do paciente. Mas existem hábitos saudáveis que ajudam a preveni-las.

1. Dispepsia

Conhecida por má digestão, a dispepsia caracteriza-se, como esclarece Paula Lago, especialista em gastrenterologia do Hospital Lusíadas Porto, “por variados sintomas referidos à região central do abdómen, acima do umbigo: sensação de dor ou de ardência ou enfartamento ou saciedade precoce desproporcional à quantidade de alimentos ingeridos e impedindo a continuação da refeição”. A especialista sublinha que “o aparecimento de sintomas dispépticos é muito frequente. São, por vezes, muito intensos e incomodativos com alteração significativa da qualidade de vida”.

Causas e prevenção

A gastrenterologista refere que “a causa pode ser orgânica, localizada no estômago ou duodeno, como uma úlcera, gastrite ou mesmo doença maligna como o cancro do estômago, ou consequência de patologia noutros órgãos vizinhos do estômago, como a vesícula, vias biliares ou pâncreas”. No entanto, a médica tranquiliza: “Em muitos casos, a dispepsia corresponde apenas a uma perturbação do funcionamento digestivo”. Para melhorar a dispepsia, aconselha-se “uma dieta alimentar equilibrada e abstinência tabágica”.

2. Síndrome do intestino irritável

A síndrome do intestino irritável (SII), também designado por cólon irritável, surge “quando o tecido muscular da parede do intestino é mais sensível e reage de forma excessiva a estímulos habituais como o stresse e a alimentação”. Esta hipersensibilidade da parede do tubo digestivo motiva, “numerosos sintomas crónicos ou recorrentes como dor abdominal, obstipação, diarreia, distensão abdominal e sensação de aumento do conteúdo de gás no tubo digestivo, na ausência de uma causa orgânica detetável”. É uma doença funcional digestiva muito frequente nos países desenvolvidos, com uma prevalência estimada em cerca de 20% na população.

Causas e prevenção

A médica do Hospital Lusíadas Porto afirma que “a síndrome do intestino irritável tem uma evolução favorável e sem risco de complicações”. Após o diagnóstico, acrescenta, “é importante a tranquilização do doente”. Quer seja através de medidas de prevenção como de complemento ao tratamento, a especialista recomenda “a alteração do estilo de vida, utilizando medidas aliviadoras do stresse, cuidados alimentares e, nalguns casos de doença, terapia farmacológica”.

3. Doença de Crohn

A doença de Crohn é uma patologia inflamatória crónica do intestino de causa desconhecida e ainda sem cura. Paula Lago refere que “o processo inflamatório pode atingir qualquer parte do aparelho digestivo, desde a boca até ao ânus, sendo o atingimento da parte terminal do intestino delgado (íleon) e do intestino grosso (cólon), o mais frequente”. Os sintomas podem ser múltiplos e variáveis de paciente para paciente: “Dependem da localização da doença, do seu comportamento e da presença ou não de manifestações extra-intestinais. A dor abdominal e a diarreia são dos sintomas mais frequentes.”

Causas e prevenção

Embora não seja uma doença genética, a especialista revela que a suscetibilidade para esta patologia é determinada por fatores genéticos: “Cerca de 10 a 15% dos doentes têm outro familiar próximo com a mesma doença”. Paula Lago lembra ainda que “alguns fatores ambientais, como o consumo de tabaco, tem um efeito negativo no curso da doença, pelo que se recomenda vivamente a suspensão deste hábito. Os doentes devem seguir uma alimentação normal e diversificada. Em fases de atividade da doença e na presença de estenose intestinal, são necessárias restrições dietéticas”.

4. Colite ulcerosa

Doença inflamatória crónica do intestino grosso (cólon) de causa desconhecida e ainda sem cura, na colite ulcerosa “o processo inflamatório atinge a camada mucosa do reto, podendo estender-se aos restantes segmentos cólicos. Se a inflamação se limita ao reto, designa-se de proctite ulcerosa, quando envolve os segmentos distais do cólon e o reto, dá-se o nome de colite ulcerosa distal e, caso se estenda ao cólon transverso e/ou cólon direito, trata-se de pancolite ulcerosa”. Os sintomas dependem, explica Paula Lago, “da extensão da inflamação no cólon. A hemorragia digestiva baixa sobre a forma de retorragia ou emissão de sangue vermelho através do ânus, o mais frequente. A diarreia com muco e sangue e a dor abdominal são mais frequentes nas formas mais extensas”.

Causas e prevenção

A especialista afirma quenão é uma doença genética, mas a suscetibilidade à patologia é determinada por fatores genéticos. Com efeito, cerca de 10% das pessoas com este problema têm outro familiar próximo com a mesma doença”. E aconselha: “Os doentes podem e devem fazer uma alimentação normal e diversificada, sendo necessárias algumas restrições dietéticas em fases de atividade da patologia”.

Este artigo foi útil?

We appreciate the feedback.

Please include your email if you want us to follow up with you.

Especialidades em foco neste artigo

Colaboração

Dra. Paula Lago

Gastrenterologia
Hospital Lusíadas Porto
PT