Lusiadas.pt | Blog | Doenças | Sintomas e tratamentos | Gastroenterite infeciosa aguda: sintomas e prevenção
3 min

Gastroenterite infeciosa aguda: sintomas e prevenção

A maioria das gastroenterites é causada por vírus e desaparece ao fim de alguns dias sem deixar sequelas. Mas há que prestar especial atenção aos grupos de risco, alerta André Ramos, gastrenterologista do Hospital Lusíadas Albufeira: crianças, pessoas idosas, doentes crónicos e pessoas imunodeprimidas.

O que é a gastroenterite?

Uma gastroenterite infeciosa aguda é uma inflamação que se estende pelo tubo digestivo, afetando em simultâneo o estômago, o intestino delgado e o cólon. Pode ser provocada por vírus, bactérias ou parasitas e causa dores abdominais, náuseas, vómitos e diarreia. Chama-se intoxicação alimentar quando se sabe que a contaminação aconteceu através da alimentação, mas o que está em causa é sempre uma gastroenterite. Na maioria dos casos, a doença surge abruptamente e desaparece de forma espontânea ao fim de três a cinco dias.

Gastroenterite viral:

A maioria das gastroenterites são causadas por um vírus e o rotavírus, o norovírus e o adenovírus são os agentes mais comuns. Uma gastroenterite viral é inofensiva para um adulto saudável. As crianças correm maior perigo “primeiro no que toca a oportunidade de exposição e também porque o seu sistema imunitário está em aprendizagem e muitas vezes ainda é imaturo”, explica André Ramos, gastrenterologista do Hospital Lusíadas Albufeira. As pessoas idosas, doentes crónicos ou imunodeprimidos também constituem grupos de risco devido à fragilidade do seu sistema imunitário.

Gastroenterites bacterianas:

Em causa podem estar bactérias colonizadoras da mucosa intestinal e invasivas, como a salmonela, ou bactérias capazes de produzir toxinas tóxicas irritativas para o tubo digestivo, como a E. coli. As gastroenterites bacterianas são mais raras mas também mais agressivas e podem ser extremamente graves.

Gastroenterite causada por parasitas:

O problema é mais frequente nos países em desenvolvimento já que a falta de saneamento básico e condições de higiene no tratamento dos alimentos facilita a sua contaminação com parasitas como Toxoplasma gondii ou Cryptosporidium spp, potenciais causadores de gastroenterite.

Sintomas de gastroenterite

Dor abdominal, diarreia, vómitos e náuseas são os sinais mais comuns, mas a gastroenterite também pode causar dores de cabeça e “quebra do estado geral, cansaço, dores musculares (mialgia) ou nas articulações”, bem como outros sintomas, mais alarmantes, como febre,“diarreia com sangue e desorientação”, explica André Ramos, gastrenterologista do Hospital Lusíadas Albufeira.

Prevenção

A transmissão da gastroenterite é feita pela forma fecal-oral, e por contágio pessoa-a-pessoa, sendo os cuidados gerais com a alimentação e a higiene a melhor forma de evitar a doença:

  • Lave e seque sempre bem as mãos;
  • Mantenha a casa de banho limpa e desinfetada e redobre os cuidados quando existe uma pessoa doente e até os sintomas desaparecerem;
  • Na cozinha, tenha especial cuidado com o manuseamento de carnes brancas, ovos, entre outros alimentos;
  • Guarde os alimentos crus ou processados a baixas temperaturas;
  • Em viagem, prefira sempre água engarrafada;
  • Em países com más condições de saneamento peça sempre bebidas sem gelo e lave os dentes com água engarrafada.

Diagnóstico e tratamento

Só nos casos mais graves e prolongados, ou quando por exemplo se verifica uma intoxicação alimentar em larga escala e está em causa a saúde pública, é que se investiga a origem da gastroenterite recorrendo à coprocultura, a análise bacteriológica das fezes.

No dia a dia, face à alta probabilidade de se tratar de uma gastroenterite viral, autolimitada — ou seja, que passa de forma espontânea em poucos dias —, a primeira linha de tratamento consiste apenas em medidas de suporte. Garantir a hidratação — se necessário com recurso a soro endovenoso — é o mais importante.

Depois, o médico pode recorrer a fármacos para alívio das queixas como enjoo, náuseas e vómitos difíceis de controlar, bem como a antidiarreicos. No entanto, “como o próprio mecanismo de diarreia é propício à ‘expulsão’ do agente agressor, não se deve ser muito vigoroso no tratamento com antidiarreicos”, explica André Ramos, lembrando ainda que “os probióticos são hoje em dia bastante utilizados como ‘complemento’ terapêutico, repondo e regularizando a microbiota intestinal”. O uso de antibióticos é reservado para os casos mais complicados.

Este artigo foi útil?

We appreciate the feedback.

Please include your email if you want us to follow up with you.

Especialidades em foco neste artigo

Dr. André Ramos

Gastrenterologia
Hospital Lusíadas Albufeira
PT