Lusiadas.pt | Blog | Regimes vegetarianos para crianças
3 min

Regimes vegetarianos para crianças

A base de uma boa alimentação é a diversidade. E este princípio é válido para todos os regimes alimentares, incluindo o vegetariano.

Os dados científicos dos últimos anos mostram que os regimes vegetarianos podem fornecer os nutrientes necessários em todas as fases da vida, segundo o que refere o Programa Nacional para a Promoção da Alimentação Saudável, da Direção-Geral da Saúde. Mas cautela: é preciso dar atenção à ingestão de proteínas, ácidos gordos essenciais, cálcio, ferro, zinco, iodo e vitaminas D e B12. A base de uma boa alimentação é a diversidade, privilegiando os produtos naturais e evitando os produtos processados. Isto é válido tanto para quem não tem restrições alimentares, como para quem escolhe seguir um regime vegetariano. O importante é conhecer os alimentos para saber como equilibrar todos os nutrientes. Os pais devem aconselhar-se com o pediatra e/ou nutricionista antes de os filhos seguirem regimes vegetarianos.

 

Tipos de regimes vegetarianos

  • Ovolactovegetariana Exclui a carne e o peixe; inclui ovos e laticínios;
  • Lactovegetariana Exclui a carne, o peixe e os ovos; inclui laticínios;
  • Ovovegetariana Exclui a carne, o peixe e os laticínios; inclui ovos;
  • Vegana Exclui todos os alimentos de origem animal, como laticínios, ovos ou mel;

Recomendações gerais para regimes vegetarianos

  • Deve privilegiar o consumo de leguminosas (feijão, grão-de-bico, favas, ervilhas, lentilhas…), cereais integrais e legumes;
  • Inclua nas refeições e snacks frutos gordos (amêndoas, nozes, avelãs, caju, amendoins, azeitonas, coco, abacate…), mas com moderação;
  • O azeite deve ser a gordura de eleição para cozinhar e temperar em cru;
  • Evite o consumo de laticínios à refeição ou como sobremesa (o cálcio pode inibir a absorção de ferro, se consumido simultaneamente);
  • O consumo de tofu, tempeh (soja natural fermentada), seitan, soja texturizada e charcutaria (salsichas, alheiras e outros alimentos de origem vegetal), deve ser ocasional.

Vitaminas e sais minerais 

  • Ácidos gordos essenciais

As algas, microalgas, sementes e óleos de linhaça, chia e cânhamo, soja (e óleo de soja), nozes e beldroegas são fontes de ácidos gordos essenciais. Se a ingestão for insuficiente, pode ser necessário reforçar com suplementos.

  • Cálcio

Produtos hortícolas verde-escuros, laticínios ou alternativas vegetais, soja e seus derivados e restantes leguminosas são bons fornecedores de cálcio, assim como produtos fortificados (há vários, é importante ler os rótulos).

  • Ferro

Leguminosas, cereais integrais, produtos hortícolas verde-escuros, sementes, frutos gordos, tofu, tempeh, ovos e alimentos fortificados com ferro, como flocos de cereais. O ferro é muito importante na infância, especialmente nos períodos de crescimento rápido e exige uma particular atenção porque existe em menores quantidades nos produtos de origem vegetal. Ingerir ao mesmo tempo que alimentos ricos em vitamina C (tomate, kiwi, laranja, morangos), reforça a absorção de ferro. Em caso de deficiência de ferro deverá ser consultado o médico para fazer suplementação medicamentosa.

  • Zinco 

Cereais integrais, leguminosas, frutos gordos, sementes e laticínios ou alternativas vegetais fornecem zinco. No caso das dietas ovolactovegetarianas o ovo é um excelente fornecedor de zinco.

  • Iodo

Recomenda-se o consumo de algas e sal iodado, especialmente quando a dieta é vegana. No caso das dietas lactovegetarianas os laticínios ajudam ao seu fornecimento.

  • Vitamina B12

A vitamina B12 não existe naturalmente em produtos de origem vegetal. Há bebidas vegetais e cereais de pequeno-almoço fortificados com vitamina B12, mas pode não ser suficiente, sendo necessário tomar suplementos alimentares.

  • Vitamina D

Existem cremes e bebidas vegetais que são fortificados com vitamina D. As crianças e adolescentes que não consomem estes alimentos ou têm uma exposição solar limitada devem tomar suplementos alimentares de vitamina D.

 

Almoço e jantar

Devem ser constituídos por sopa, prato principal e fruta. A sopa deve ser feita com produtos hortícolas (couve, brócolos, curgete, abóbora, alface…). Quando o prato principal não incluir leguminosas, estas devem estar presentes na sopa. Metade do prato deve estar preenchido com produtos hortícolas, crus ou cozinhados; 1/4 com batata, batata-doce ou cereais ou derivados (arroz, massa, cuscuz, mandioca), que fornecem hidratos de carbono; e 1/4 com leguminosas, a fonte de proteínas, neste caso, vegetais.

 

Pequeno-almoço e lanche

Devem incluir alimentos dos seguintes grupos:

1. Leite, iogurte, queijo ou bebida vegetal alternativa;

2. Cereais e derivados (pão, flocos de cereais, bolachas ou tostas, barritas de cereais [atenção ao teor de açúcar que consta do rótulo]);

3. Fruta;

4. Frutos gordos (nozes, amêndoas, avelãs, cajus, inteiros ou em pastas e manteigas) e sementes (linhaça, abóbora, chia, papoila, sésamo, girassol…).

 

Conselhos práticos

Demolhe as leguminosas e os cereais integrais antes de os cozinhar. Pode deixar as leguminosas dentro de água durante a noite, por exemplo; no caso dos cereais integrais, basta cerca de duas horas de molho. Substitua a água uma ou duas vezes e não a use para cozinhar.  

Fonte: Adaptado de AMIL Saúde: Obesidade Infantil Não

Este artigo foi útil?

We appreciate the feedback.

Please include your email if you want us to follow up with you.

Revisão Científica

Dra. Alina Fernandes

Nutrição Clínica
Hospital Lusíadas Porto, Clínica Lusíadas Gaia
PT