Lusiadas.pt | Blog | Prevenção e Estilo de Vida | Nutrição e Dieta | Sabe o que é ambiente obesogénico?
2 min

Sabe o que é ambiente obesogénico?

O meio obesogénico é aquele que potencia ou promove comportamentos menos saudáveis.

A obesidade, definida pela Organização Mundial da Saúde como uma acumulação anormal ou excessiva de gordura corporal capaz de afetar a saúde, é um dos maiores desafios de saúde pública, quer pelo seu impacto na mortalidade e na morbilidade, quer por afetar cada vez mais indivíduos. 

De acordo com os resultados do Inquérito Alimentar Nacional e de Atividade Física (IAN-AF), referentes a 2015-2016, a prevalência de obesidade em Portugal era de 22,3%, sendo a de pré-obesidade de 34,8%.

A obesidade é uma patologia crónica de base multifatorial, associada a vários comportamentos de risco, como a inatividade física e a alimentação nutricionalmente desequilibrada. Neste sentido, é cada vez mais importante perceber a relação entre os fatores ambientais e o seu potencial efeito “obesogénico”.


O que é um ambiente obesogénico?

Os estilos de vida adotados pela população são amplamente influenciados pelo ambiente. Os indivíduos vivem em microambientes (casa, escola, local de trabalho), que, por sua vez, são influenciados pelo macroambiente (sistema de educação, governo, sociedade).

Deste modo, um ambiente obesogénico é todo o meio que promove e/ou potencia hábitos e comportamentos menos saudáveis, podendo, como consequência, resultar em excesso de peso.

Um dos fatores incluídos neste conceito é a área física em que o indivíduo reside — ou seja, se existem espaços e condições que permitam a prática de atividade física e se estão disponíveis estabelecimentos onde se possam adquirir alimentos saudáveis. Por exemplo, a fácil acessibilidade a alimentos processados, de elevada densidade energética e pobres em nutrientes, contribui para um ambiente obesogénico. 


 Que estratégias adotar?

A nível individual, existem pequenas mudanças que poderá incluir no seu dia a dia:

  • Realizar uma lista de compras: por um lado, para não esquecer o essencial, por outro, para não adquirir mais produtos do que os necessários;
     
  • Limitar a disponibilidade de alimentos processados e de elevada densidade energética no domicílio;
     
  • Preparar as diferentes refeições do dia e ter sempre snacks para não sentir a necessidade de adquirir outros alimentos;
     
  • Sempre que possível, optar por deslocações a pé e limitar a utilização de automóveis e transportes públicos para curtas distâncias;
     
  • Utilizar as escadas ao invés das escadas rolantes ou elevador;
     
  • Limitar o tempo em frente aos ecrãs, aproveitando-o para a prática de atividade física.
     

Contudo, importa salientar que é imprescindível o envolvimento de diversas áreas que contribuam para uma associação entre as políticas de saúde nacionais e as ações do governo local, bem como um trabalho multidisciplinar na promoção de estilos de vida saudáveis.  

A promoção da saúde através da melhoria dos espaços de vida é essencial, uma vez que a relação ambiente-saúde traduz-se num ambiente promotor ou limitador da oportunidade de cada indivíduo desenvolver uma vida mais ou menos saudável. 


Autoria:

Beatriz Vieira (Nutricionista da Clínica de Stº António)

Cristiana Brito (Nutricionista da Clínica de Stº António)

Ler mais sobre

Obesidade

Este artigo foi útil?

We appreciate the feedback.

Please include your email if you want us to follow up with you.

PT