Lusiadas.pt | Blog | Crianças | Adolescência | A importância da saúde mental dos adolescentes
5 min

A importância da saúde mental dos adolescentes

Metade das doenças mentais surge aos 14 anos, mas a maioria dos casos não é diagnosticado nem tratado, alerta a Organização Mundial da Saúde. É por isso importante que pais e professores estejam alerta e compreendam os primeiros sinais e sintomas – não tratar a doença mental na adolescência traz sérias consequências na vida adulta.

A adolescência (10-19 anos) e o início da vida adulta são marcos fundamentais na vida. Entre as importantes alterações desta fase incluem-se as mudanças de escola, o sair de casa e o início da vida académica ou da atividade laboral.

Enquanto para muitos são tempos felizes, para outros são momentos de grande stresse e apreensão, que se não forem reconhecidos e adequadamente geridos podem desencadear doença mental.

Existem outros fatores que contribuem para o aparecimento de doença porque desencadeiam pressão adicional sobre o adolescente. Aqui incluem-se a utilização cada vez mais abrangente de tecnologias de informação – com um manifesto aumento da conectividade às redes virtuais, durante o dia e noite (não obstante os benefícios que daqui advêm) – e a existência de conflitos, catástrofes naturais e epidemias em áreas de emergências humanitárias.

É fundamental promover o bem-estar psicológico, estar atento à saúde mental dos adolescentes e proteger os adolescentes de experiências adversas e fatores de risco que podem afetar o seu potencial de crescimento, com repercussões não só na adolescência como na vida adulta.

Metade das doenças mentais surge aos 14 anos, mas a maioria dos casos não é detetado nem tratado, o que é motivo de preocupação, alerta a Organização Mundial da Saúde (OMS): a doença mental não tratada no adolescente tem sérias consequências na vida adulta, condicionando a saúde física e mental e limitando oportunidades de vida

Determinantes da saúde mental dos adolescentes

A adolescência é um período crucial para desenvolver e manter bons hábitos sociais e emocionais que promovem e protegem a saúde mental. São exemplos disso a prática regular de exercício físico, a adoção de medidas de higiene do sono, a adoção de estratégias para lidar e resolver problemas, de gestão de relações interpessoais e de controlo de emoções.

O suporte familiar, escolar e comunitário é também de particular importância e funciona como um fator protetor.

Fatores de risco

A saúde mental dos adolescentes é determinada por múltiplos fatores. Quanto maior a exposição a fatores de risco, maior o potencial de impacto na saúde mental. Os fatores de risco incluem:

  • Desejo de maior autonomia;
  • Pressão entre pares;
  • Questões relacionadas com a identidade sexual;
  • Amplo acesso e a forma de utilização da tecnologia - salienta-se que a influência dos media pode aumentar a discrepância entre a realidade do adolescente e as suas perceções e aspirações em relação ao futuro;
  • A violência (incluindo pais muito rígidos e bullying) - as crianças e os adolescentes são particularmente vulneráveis à violência sexual, que tem graves consequências na saúde mental;
  • As dificuldades socioeconómicas;
  • O estigma, a discriminação ou exclusão social;
  • A dificuldade no acesso a serviços qualificados.

Grupos de risco

Existem grupos vulneráveis que carecem de maior atenção, tais como:

  • Adolescentes com doenças crónicas;
  • Adolescentes com perturbações do espetro do autismo;
  • Adolescentes com deficiência mental ou outras doenças neurológicas;
  • Adolescentes grávidas e pais adolescentes;Adolescentes órfãos;
  • Adolescentes de minorias étnicas ou sexuais ou de outros grupos minoritários.

Os adolescentes com doença mental estão particularmente vulneráveis à exclusão social, discriminação, estigma, dificuldades educacionais, comportamentos de risco e violação dos direitos humanos.

Saúde mental dos adolescentes

Em todo o mundo, estima-se que 10-20% dos adolescentes têm doença mental, embora alguns destes não sejam corretamente diagnosticados nem tratados, assinala a Organização Mundial da Saúde.

Esta situação atribui-se a vários motivos, nomeadamente à falta de conhecimento ou consciência da doença mental entre os profissionais de saúde e ao estigma da doença que limita o pedido de ajuda por parte das pessoas que precisam.

Promoção e prevenção

A prevenção começa com a consciencialização da existência da doença e com a necessidade de estar alerta e compreender os primeiros sinais e sintomas da doença mental. Os pais e professores assumem um papel fundamental na formação de competências dos adolescentes para que consigam lidar com os desafios do dia a dia.

É essencial um investimento governamental multissetorial (Segurança Social, Saúde e Educação) em programas abrangentes, integrados, e baseados na evidência, que consciencializem, promovam e protejam a saúde mental dos adolescentes. As intervenções que visam promover a saúde mental dos adolescentes pretendem aumentar os fatores protetores e criar alternativas para diminuir os comportamentos de risco.

A promoção da saúde mental e bem-estar ajuda os adolescentes a aumentar a resiliência, para melhor lidarem com adversidades e situações de conflito e também traz benefícios para a economia e sociedade: com adultos saudáveis a contribuir para o desenvolvimento da atividade em termos laborais, familiares, comunitários e sociais.

Os programas de promoção e prevenção para adolescentes em risco de doença mental requerem uma abordagem multissetorial que envolve serviços de saúde e sociais, media, escolas e comunidade. Exemplos de atividades de promoção e prevenção incluem:

  • Intervenção psicológica individualizada, em grupo ou online;Intervenção focada na família com treino de competências ao cuidador;
  • Intervenção no estabelecimento de ensino: mudanças organizacionais para um ambiente psicológico seguro, estável e positivo;
  • Formação em saúde mental e competências para a vida;
  • Formação dos funcionários na deteção e abordagem básica do risco de suicídio;
  • Programas de prevenção para adolescentes vulneráveis.
  • Intervenções comunitárias como programas de liderança entre pares;
  • Programas de prevenção a adolescentes vulneráveis;
  • Programas para prevenir e gerir os efeitos da violência sexual nos adolescentes;
  • Programas multissetoriais de prevenção do suicídio;
  • Intervenções para prevenir o abuso de álcool e de outras substâncias nocivas;
  • Educação sexual para prevenir o risco de comportamentos sexuais de risco;
  • Programas de prevenção de violência.

A importância de estar atento à saúde mental dos adolescentes

Sabia que...

O Dia Mundial da Saúde Mental, que se assinala a 10 de outubro, foi instituído pela Federação Mundial para a Saúde Mental (WFMH, na sigla em inglês) em 1992 com o objetivo de sensibilizar a população para a importância da saúde mental? Os eventos para assinalar este dia multiplicam-se por todo o mundo.

Em 2018, a WFMH lançou uma nova imagem onde se podem ver os elementos-chave deste projeto – a consciência da saúde mental representada pela fita verde e os raios de sol em representação da forma como este projeto tem ajudado a criar um movimento pela saúde mental e, ao mesmo tempo, do progresso individual rumo à recuperação.

A Federação Mundial para a Saúde Mental é uma organização internacional fundada em 1948 para sensibilizar para a necessidade de se prevenir os transtornos mentais e emocionais, sensibilizar para o seu tratamento adequado e promover a saúde mental.  

Fonte:
Adaptado de Organização Mundial da Saúde (OMS), www.who.int

Ler mais sobre

Adolescentes

Este artigo foi útil?

We appreciate the feedback.

Please include your email if you want us to follow up with you.

Especialidades em foco neste artigo

Revisão Científica

Dra. Ana Peixinho

Coordenador da Unidade de Psiquiatria , Psicologia , Neuropsicologia

Psiquiatria
Hospital Lusíadas Lisboa
PT