Lusiadas.pt | Blog | Crianças | Idade escolar | Tabagismo: a prevenção começa nas crianças
3 min

Tabagismo: a prevenção começa nas crianças

Converse com os seus filhos sobre os benefícios de uma vida sem cigarros, dê o exemplo e estabeleça regras. Estas e outras estratégias poderão evitar que as crianças se tornem adultos dependentes e com maior risco de morte precoce.

Todos os anos, um milhão e 200 mil pessoas morrem na Europa por causa do tabaco, diz a Organização Mundial de Saúde. São inúmeras as doenças que lhe estão associadas: cancro, doença coronária, doença pulmonar obstrutiva crónica, bronquite crónica, entre outras. “O tabaco prejudica gravemente a saúde”, sublinha o pneumologista Miguel Guimarães, do Hospital Lusíadas Porto.

De acordo com a Fundação Portuguesa de Cardiologia, os fumadores têm, em média, menos dez anos de vida do que os não fumadores. A maioria começa a fumar na adolescência. “Sabemos que 80% a 90% dos adultos fumadores se iniciou antes dos 18 anos”, diz o médico.

E alerta: “Aos 13 anos, 12% das crianças portuguesas já fumaram pelo menos uma vez. E 20% dos maiores de 18 anos fuma habitualmente. São dados preocupantes”, reitera o pneumologista. A prevenção é, por isso, fundamental e deve começar desde cedo. Com a ajuda do médico, deixamos-lhe algumas estratégias que o poderão ajudar a dissuadir o seu filho:

  • Comece em casa

Um estudo da Academia Americana de Pediatria, publicado em 2014, concluiu que os adolescentes com pais viciados em nicotina têm dez vezes mais probabilidade de adotar o mesmo comportamento. “O ideal é que os pais deixem de fumar”, considera o pneumologista. “No caso de continuarem a consumir tabaco, devem fazer um esforço para que as crianças cresçam sem contacto com esta substância, quer seja em casa ou no carro”, acrescenta o médico. “Os maços nunca devem estar à vista.”

  • Use exemplos de pessoas próximas

“Um discurso centrado nos riscos pode não ser o mais adequado (será encarado como uma realidade distante), a não ser que as crianças conheçam alguém nessa situação”, diz o especialista.

Se tiveram contacto com alguém asmático, ou forem eles próprios asmáticos, será mais fácil explicar-lhes que o tabaco agrava a situação”, acrescenta. O mesmo pode suceder com casos próximos de fumadores que desenvolveram doenças cardiovasculares, entre outras.

Saiba mais
As vantagens de deixar de fumar começam logo 20 minutos após apagar o último cigarro. 

  • Foque-se nos benefícios e nas consequências imediatas

Ainda que valha a pena mencionar as consequências mais graves, que por norma só se manifestam 20 a 30 anos após os primeiros cigarros, o mais eficaz será abordar os efeitos a curto prazo. No caso de pré-adolescentes, os pais poderão explicar-lhes que o tabaco agrava a acne, provoca mau hálito e deixa os dentes amarelos.

“A questão económica também deve ser evidenciada. Com o dinheiro que poupam poderão, por exemplo, comprar um tablet ao fim de uns meses.” De forma genérica, os adultos deverão pôr a tónica nas mais-valias de uma vida sem fumo, incentivando a prática desportiva. E sublinhando que os não fumadores têm maior capacidade física, mais energia, menos problemas de pele e de respiração.

  • Seja assertivo e supervisione os seus filhos

“Os pais devem ter um discurso firme – sem ser exagerado - e prevenir o consumo de tabaco desde cedo. Devem começar com mensagens simples (não há uma idade mínima), como ‘o tabaco faz mal’ ou ‘fumar provoca doenças’”, recomenda o pneumologista do Hospital Lusíadas Porto. É importante também que os pais estejam atentos.

“Devem tentar perceber se os pares os pressionam para fumar. Em alguns casos poderá ser útil encenar pequenos teatros para os ensinar a dizer ‘não’.”

  • Use o argumento da independência

Esta estratégia funciona sobretudo com pré-adolescentes e adolescentes. “Trata-se de centrar a conversa na dependência causada pelo tabaco. Podemos mesmo perguntar aos nossos filhos: ‘Tu que és jovem e queres ser tão independente vais ficar dependente de uma substância?’”. E acrescenta: “Parece óbvio, mas é uma questão pouco colocada”.

Ler mais sobre

Tabagismo

Este artigo foi útil?

We appreciate the feedback.

Please include your email if you want us to follow up with you.

Especialidades em foco neste artigo

Revisão Científica

Dr. Miguel Guimarães

Coordenador da Unidade de Pneumologia

Pneumologia
Hospital Lusíadas Porto
PT