Lusiadas.pt > Blog > Doenças > Cancro > Melanoma: um cancro que se vê
2 min

Melanoma: um cancro que se vê

O melanoma é um dos cancros de pele mais graves, responsável por 80% das mortes por cancro cutâneo. Mas é também uma doença que se vê e que se pode tratar a tempo. Pedro Ponte, coordenador da Unidade de Dermatologia do Hospital Lusíadas Lisboa, explica como.

O primeiro conselho para que possa prevenir doenças como o melanoma é saber como se proteger da radiação ultravioleta para o aplicar quando está na praia, na piscina ou apenas quando está exposto ao sol. "Quando está nublado não há tanto calor, mas a radiação ultravioleta passa na mesma e este é o principal fator de risco no melanoma. Não se trata de uma exposição prolongada e crónica ao sol, é a exposição muito intensa, muito aguda, durante um curto período de tempo – que é a que fazemos quando passamos férias", começa por esclarecer Pedro Ponte, coordenador da Unidade de Dermatologia do Hospital Lusíadas Lisboa.

Fazer o diagnóstico do melanoma

"O melanoma é um cancro que se vê, não necessita de um exame invasivo", lembra o médico. Assim, a observação clínica em consulta é suficiente para detetar problemas e tratar a tempo. Há características específicas nos sinais da pele a que devemos estar atentos:

  • Sinais que se alteram;
  • Sinal assimétrico;
  • Sinal com rebordo irregular e com mais de uma cor;
  • Sinal com diâmetro superior a 6 milímetros.

De qualquer forma, há sinais com estas características que são benignos. No entanto, deve estar atento a estas alterações e sempre que tiver dúvidas consultar o médico.

Veja como se faz este exame:

 

"O foco deve estar na prevenção"

"A taxa de radiação ultravioleta é cada vez maior e esse é o principal fator para o desenvolvimento do cancro cutâneo, melanoma ou não", refere o especialista que deixa os seguintes conselhos:

  • Evite a exposição solar entre as 11h/11h30 e 16h30-17h – período do dia em que a radiação violeta é mais intensa;
  • Aplique o protetor solar meia hora antes de ir para a praia;
  • Aplique o protetor solar de 2 em 2 horas;
  • Repita a aplicação sempre que tomar banho – no mar ou na piscina – ou se transpirar muito.

Não se esqueça

A prevenção deve estar presente em qualquer atividade ao ar livre, inclusivamente a profissional. Quem treina todos os dias na rua, também deve tomar estas precauções. Pratique exercício físico, mas proteja-se.

Ler mais sobre

Doenças Oncológicas

Este artigo foi útil?

Especialidades em foco neste artigo

Colaboração

Dr. Pedro Ponte

Coordenador da Unidade de Dermatologia

Hospital Lusíadas Lisboa:
PT